A Questão da Fidelidade (1ª Parte)

Deus, para a felicidade do homem, inventou a fé e o amor. O Diabo, invejoso, fez o homem confundir fé com religião e amor com casamento.
Machado de Assis

Meus amigos, esse assunto que vou tratar hoje é controverso, vai ser extenso, mexe com muitos paradigmas, mas já que, pelo visto, você já leu até aqui e pretende continuar, peço que se desarme das crenças tradicionais e reflita sobre o tema de forma isenta. O livro que indico no final desse artigo como uma leitura complementar foi escrito por um casal de biólogos, baseado em critérios científicos, os demais pontos fazem parte da história e podem ser lidos em obras de psicologia evolutiva, história, antropologia e afins.

Em seu livro “O Mito da Monogamia” David Barash e Judith Lipton mostram através de seus estudos e observações que, nós, humanos somos poligâmicos*, ou seja, nossa natureza mais essencial nos remete a termos relações sexuais com diversos parceiros durante a vida. Para isso não precisa ir longe nem estudar tanto como eles fizeram, basta observar os nossos antecessores símeos. Há historiadores que defendem a tese de que isso foi assim (poligamia) por um longo tempo em nossa história evolutiva. Acontece que, como sempre, tem pessoas mais avançadas, que enxergam longe, e que começaram a observar que várias crianças nasciam com deformidades de vários tipos, e uma observação bem apurada demonstrou que, na maioria dos casos, era o resultado do “cruzamento” de pais com filhos ou irmãos com irmãos. A partir daí criou-se o que hoje se chama de casamento, que mantém desde lá os mesmo critérios de proibição; não podemos nos casar com nenhum de nossos pais ou irmãos. Evidentemente que isso depois passou a fazer parte das religiões primitivas, já que para impor uma norma como essa, precisava ser algo vindo de Deus. Dessa forma, o medo da punição divina fez com que a idéia fosse logo implementada e o mandamento diz que “não cobiçarás”, ou seja, isso é tão verdadeiro que não se pode nem pensar….

Assim o casamento trouxe consigo a proibição do sexo antes de sua realização, o que ajudou a criar a profissão mais antiga do mundo que é a prostituição – que só existe pela natureza poligâmica. Nos tempos antigos esse “serviço” era oferecido apenas aos homens, mas com evolução dos tempos, os garotos de programa já nem são mais novidade.

Não resta dúvida que a ideia do casamento ajudou não só a higienizar o processo reprodutivo como também fortaleceu essa união que passou a ser uma família, que de certa forma já existia antes, já que os pais protegiam suas crias, assim como fazem várias espécies de animais. Com o tempo, o casamento passou também a ser interessante no aspecto econômico, já que ajudou famílias a unirem-se por esse meio e aumentar suas riquezas e influências, mas não é o nosso assunto agora.

Posto isso, vamos a uma importante questão que é a diferença entre amor e paixão. Noto com freqüência em minha prática profissional as pessoas confundirem essas duas situações, o que acarreta muitos problemas. A paixão* faz parte do processo reprodutivo humano, portanto, muito ligada aos instintos. Não fosse por ela, o planeta ainda estaria deserto. Dentro da psicoterapia a pessoa apaixonada sempre é vista como alguém que não está de posse de todas as suas faculdades. Isso agora já está mais do que provado em estudos de imagem que mostram que, quando diante da sua paixão, as áreas do cérebro ligadas ao julgamento e análise simplesmente deixam de funcionar. Existe uma idéia onde a pessoa não se imagina feliz sem a presença da sua paixão e tudo gira em torno disso. A pessoa apaixonada se alimenta mal, dorme pouco e está sempre em estado de ansiedade. Durante esse período a freqüência sexual é muito grande e essa foi mesmo a idéia da natureza. Estudos mostram que esse estado “alterado” tem, em média, uma duração de 1 a 3 anos. Normalmente a pessoa apaixonada vive uma monogamia, já que existe toda uma mudança na química cerebral e em todo o corpo mostrando que só existe aquela pessoa no mundo e que a felicidade só será possível com ela, mas isso passa… A paixão, portanto, é um sentimento exclusivo, já que não se apaixona por duas pessoas ao mesmo tempo.

Terminada a paixão, a relação pode evoluir para uma estabilidade, onde a agitação dá lugar a uma convivência mais tranqüila que pode até se transformar em amor, que é mais calmo, com o incremento da convivência, cumplicidade e uma menor freqüência sexual se comparada ao período anterior. Como é muito bem dito, o amor é um sentimento exclusivo dos seres humanos e nos torna quase divinos. Todavia o amor é um sentimento inclusivo por sua própria natureza. Se somos convidados a amar a todos, isso também vale para a questão afetiva (é ai que se confunde com a paixão). O que quero dizer é que não é anormal a possibilidade de se amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo. Pode-se amar a pessoa “A” pela sua ternura, companheirismo e a pessoa “B” pela sua sensualidade e temperamento, por exemplo, e se pensar que poder-se-ia casar com qualquer uma das duas (não simultaneamente, claro) e sermos felizes. O que não significa uma atitude de manter-se em relacionamentos paralelos, mas que isso é um aspecto de nossa natureza humana.

Porém não é difícil observar que a maioria das pessoas foram geradas durante o período de paixão, cumprindo a finalidade que a natureza lhe destinou. O que ocorre é que depois voltamos a uma certa normalidade (o amor ou final do relacionamento) que para os cientistas é o retorno à natureza poligâmica.

É sempre importante lembrar que as mulheres tem sido reprimidas desde sempre em relação a sua sexualidade, afinal vivemos em uma cultura patriarcal e, portanto, foram os homens que fizeram as leis e escreveram até mesmo os livros sagrados de todas as religiões, legislando sempre em causa própria. Isso começou a ser revogado com a participação feminina no mercado de trabalho e a invenção da pílula anticoncepcional, dando liberdade sexual à mulher sem o risco de gravidez.

O que quero enfatizar é que depois da paixão, pode-se, por motivos diversos, sentir-se atraído por outra pessoa sem querer dizer que não se goste ou ame aquele que está conosco. Cada pessoa tem critérios diversos que podem tornar alguém atraente para si, sem prejuízo de um sentimento já existente por outrem. E esses critérios normalmente mudam durante a vida. Isso não é nenhum erro, mas acontece justamente pela natureza poligâmica do “bicho homem” enquanto espécie, seja do gênero masculino ou feminino. Noto que muitas pessoas questionam seus sentimentos ao sentirem-se atraídas por outra pessoa, nada mais comum, já que os hormônios funcionam independentes da vontade. Porém, nessa hora, é importante lembrar que se fez uma escolha e, com ela, suas conseqüências.  Quero encerrar essa primeira parte dizendo que, apesar de nossa natureza poligâmica, a escolha por uma conduta monogâmica é perfeitamente possível, desde que saibamos que ela nos exigirá esforço e atenção, afinal a convivência diária traz os desgastes naturais como a rotina e os problemas do dia-a-dia. Penso que manter uma relação monogâmica torna-se muito mais fácil quando enfatizamos suas vantagens comprovadas como: mais tempo de vida, hábitos mais saudáveis, recompensas afetivas mais intensas (como filhos, por exemplo) e tantas outras, mas tendo sempre em mente que por não fazer parte dos nossos instintos, precisamos cuidar disso com carinho e atenção. Esse esforço faz parte de nossa capacidade única que temos como seres humanos que é a de transcender a nossa parte instintiva, já que como muitos dizem, somos meio bicho e meio deus. Nenhum outro habitante desse planeta tem essa possibilidade. Porém, como o ser humano sempre está aberto a todas as possibilidades, também não é um problema a pessoa optar por um estilo de vida sem um relacionamento monogâmico, sentindo-se bem consigo e com a vida sem estar necessariamente casado(a). Saber viver só também tem suas vantagens e penso sempre ser a condição inicial para se viver em harmonia com alguém. Quando pensamos que só seremos felizes na companhia de outra pessoa a tendência é desenvolvermos relacionamentos baseados na insegurança e no medo.

Continuaremos…

*A poligamia aqui não é tratada sob o enfoque de relações simultâneas do ponto de vista sexual, mas de desenvolver interesse por mais de uma pessoa durante a vida.

*A paixão (do verbo latino, patior, que significa sofrer ou suportar uma situação dificil) é uma emoção de ampliação quase patológica. O acometido de paixão perde sua individualidade em função do fascínio que o outro exerce sobre ele. É tipicamente um sentimento doloroso e patológico, porque, via de regra, o indivíduo perde parcialmente a sua individualidade, a sua identidade e o seu poder de raciocínio. Fonte: wikippédia

 

*Para saber mais: O Mito da Monogamia – David Barash , Judith Lipton

 

 

18 Comentários

  1. Leila Souza   •  

    Um tanto nietzschiano esse artigo, não é a toa que ele morreu de sífilis.

    • Eduardo O. Carvalho   •     Author

      Leila, não tinha pensado nisso sob o aspecto “nietzschiano”..rsrsr Na verdade ele sempre defendeu a existência de um “super homem” consciente de si e de suas possibilidades… Em sua biografia, constam duas coisas: a primeira é de que ele teve um único amor em sua vida não correspondido (essa história é bem romanceada no livro “Quando Nietzsche chorou”), o que é muito monogâmico, já nunca mais se relacionando novamente. A segunda é que nunca foi comprovado que tenha morrido realmente de sífilis, as mais recentes informações sobre isso demonstram um tumor cerebral responsável por suas intermináveis dores de cabeça. A intenção do texto não é dizer o que é certo ou errado, já que não tenho a função de fazer julgamentos, mas pensarmos sobre isso. Toda a escolha é correta quando consciente. Um abraço e muito obrigado por deixar seu comentário!

  2. Daniela   •  

    Eu concordo qndo vc diz que “vivemos em uma cultura patriarcal e, portanto, foram os homens que fizeram as leis e escreveram até mesmo os livros sagrados de todas as religiões…” Inclusive, claro, este texto …
    A natureza humana tem com certeza muitas características explicáveis ou descritas pelos estudiosos e filósofos, incluindo formas de agir e pensar, então colocarei meu breve pensar e agir sobre o assunto.
    Faço parte do “pqueno”grupo de mulheres “reprimidas” da qual citas no texto, sim, são meus programas, minha educação que por vezes decidem minhas vontades e desejos, mas sempre é uma ESCOLHA e digo que não é DIFÍCIL de forma alguma ser monogâmica e muito pelo contrario nenhum sofrimento (digo de minha parte)há nesta forma e opção de viver… E digo ainda que é muito POSSIVEL.
    Como sou ser humano, penso que o lado a”bicho”tb abita em mim e facilmente o domino, pois o viver vai muito além da paixão sexual. Entendo o seu texto, mas não tenho uma estrutura emocional matura para tratar a poligamia como algo “natural”…
    Somos seres conscientes, livres para fazer escolhas e responsáveis por nossos atos.

    • Eduardo O. Carvalho   •     Author

      Daniela, todos nós fomos educados para viver de forma tradicional (monogâmica) porque,conforme coloquei no texto, traz inúmeras vantagens, laços afetivos importantíssimos como a família e outros que não repetirei aqui. Apenas andei me questionando o porque que depois que a sociedade parou de punir as pessoas que se separavam, o número de divórcios batem recordes ano após ano. A questão de nossa “natureza” é apenas um dentre tantos aspectos. Quando sabemos mais sobre nós fica muito mais fácil manter minhas escolhas conscientes, já que essa palavra significa que sei dos fatores que envolvem as decisões. Grato pelo comentário!!!

  3. Sandra Lima   •  

    Já li “O Mito da Monogamia” e realmente vale a pena……apesar de ser um pouco cansativo, pela quantidade de experiências relatadas, as conclusões são fascinantes…com certeza ao término da leitura mudei a forma de “ver” e “entender” a questão da poli/monogamia/fidelidade…..mas, da mesma forma que os autores optaram pela monogamia, eu também optei e me sinto feliz assim……tudo na vida é uma questão de escolhas…

    • Eduardo O. Carvalho   •     Author

      Sandra, com certeza nossas escolhas são mais conscientes quando entendemos mais amplamente a questão. Grato pelo comentário!

  4. Karina   •  

    Interessante o que algumas pessoas comentaram… Quero deixar a minha opinião FEMININA, porém diferente:

    Em lugar nenhum do artigo há qualquer juízo de valor referindo-se a “poligamia ser melhor”. Bem pelo contrário… só diz que a poligamia é o comportamento “natural” do ser humano, e a monogamia uma “opção”, que para florescer e dar bons frutos precisa ser cultivada… Assim como tantas outras características e comportamentos humanos mais elevados. O fato de algo ser natural não quer dizer que seja melhor. Matar também é natural…sabe? Tudo certíssimo com o raciocínio do Eduardo!

    Mais interessante ainda é que o livro de onde foi tirado os dados que embasaram o artigo, tem uma MULHER como co-autora… Declaradamente monogâmica inclusive. O que torna esse comentários (precipitados a meu ver) insinuando um “machismo” ainda mais espantosos…

    A poligamia acontece para as mulheres também, viu? E isso também é falado no artigo… Inclusive, já existe pesquisas atuais mostrando que os índices de infidelidade por parte de homens e mulheres já está se igualando. O que obviamente não faz com que a infidelidade seja “a atitude certa” (é preciso explicar se não corro o risco de também ser mal interpretada…), e sim a realidade da maioria das pessoas.

    E assim. Dentro do raciocínio proposto, qualquer pessoa que teve mais de um namorado ou namorada na vida, já faz parte da estatística da poligamia, ok? Uma coisa é um RELACIONAMENTO MONOGÂMICO em que se permanece com um só parceiro. Outra coisa é um comportamento monogâmico, em que somente se relaciona com um único parceiro(a) durante toda a vida. O que é a coisa mais rara né? Poderia-se dizer então que muitas pessoas tem comportamento poligâmico e relacionamentos monogâmicos. Qual o problema nisso?

    No mais, não vi nada de errado ou preconceituoso no texto. Muito menos que fomente ou indique comportamentos promíscuos/libidinosos ou enalteça infidelidades… É uma atitude inteligente e científica procurar ler o livro indicado. Principalmente para quem leu e “viu” machismo ou coisas semelhantes no texto…

    “A maldade está nos olhos de quem vê”, já diz o dito popular. Cuidado com a projeção dos próprios preconceitos e juízos de valor…

    Diz-se também que para bom entendedor meia palavra basta. Me parece, infelizmente, que para os maus entendedores, às vezes nem um artigo inteiro basta…

    Parabéns ao Eduardo pela coragem… :-)

    • Eduardo O. Carvalho   •     Author

      Olá Karina!
      Legal você ter percebido que o artigo busca ser explanativo e não opinativo. Tomei muitos cuidados devido ao tema, ou seja, notas explicativas, partes sublinhadas, etc. Mas como a tema é realmente instigante, não existe só uma interpretação, e os ângulos podem ser vários já que estão em jogo nossas “lentes” de como ver, e isso tem a ver com várias possibilidades. Mas é essa a função do blog: reflexão, troca de idéias e novos e outros pontos de vistas.
      Grato pelo comentário!

  5. Andréa Menezes Rocha   •  

    Uau! Será possível esquentar o que já está fervendo? Escreva para nós sobre a questão dos relacionamentos paralelos…
    Parabéns!

  6. Daniela   •  

    LIBERDADE de EXPRESSÃO,
    LIBERDADE de INTERPRETAÇÃO.
    Que bom que vivemos numa democracia e aprendemos a respeitar as opiniões de cada um!

  7. Silvia Ornelia   •  

    Parabens pelo materia bem embasada.Independente da sua ou da minha opinião,o seu texto é a fotografia do que acontece no nosso dia a dia e na maioria dos casamentos.
    A questão é que não queremos pensar diferente, por que aprendemos a julgar o que é certo e o que é errado, segundo o que nos foi ensinado.
    Voce teve muita coragem em trazer a tona assunto tão controverso, que teve a capacidade de chamar a atenção pelos paradigmas alí inseridos.
    Parabens e nos traga mais assuntos ousados.

    • Eduardo O. Carvalho   •     Author

      Silvia, você tem razão quando diz que, independente da forma como queríamos que fosse, as coisas são como são…Essas reflexões em “voz alta” que faço no blog tem mesmo o objetivo de mexer em algumas “caixas pretas” e discutir…
      Grato pelo seu comentário!!

  8. Ana Maria   •  

    Adorei, assim como adorei suas aulas. Penso dessa forma e acredito que compreendendo essa nossa natureza fica mais fácil fazermos nossas escolhas. E por incrível que pareça fica fácil e gostoso ser monogâmico, sem grandes sacrifícios apenas uma opção. E quando se sabe que é preciso cuidados, toma-os. E quando se sabe que é natural e legal, divorcia-se, simples e muito fácil. É só termos consciência disso que nos livramos(nossos filhos também) de um monte de doenças e conseguências. Estou no segundo casamento há 24 anos por causa das vantagens e ser fiel está sendo muito fácil. Sempre falo ao meu marido que até hoje não apareceu ninguém que fizesse meu coração pulsar mais forte, porque mesmo que acontecesse eu iria estudar conscientemente se haveria desvantagens, como por exemplo durar 1 ou 3 anos, e depois acabar. E tem outra coisa, nesses 24 anos, eu fui, ele foi várias pessoas. Então procuro me apaixonar todos os dias por esse homem que está ao meu lado e que eu nunca sei quem é, essa descoberta é muito excitante. Como disse meu querido professor: a incerteza nos faz viver. Acho que foi isso, né Eduardo??? Um abração!

    • Eduardo O. Carvalho   •     Author

      Oi Ana!!
      Fico muito contente que nossas aulas tenham proporcionado essa capacidade de valorizar o “agora”. Só assim nos renovamos, renovamos nossas relações e paramos de imaginar uma realidade escondida atrás da ilusão que o “programa”nos vendeu.
      Valeu o comentário!!!

  9. Pingback: A Questão da Fidelidade (2a Parte) | Blog Eduardo O. Carvalho

  10. Miria   •  

    Parabéns pelo texto!!!
    Realmente, como questão de escolha e lealdade com os outros e consigo próprio, acredito que a questão de poligamia envolve ser sincero. No meu ver tanto comigo, como com a outra pessoa.
    Não acho legal criticar quem pratica tal situação.
    Quem sabe se em determinados relacionamentos isso já não é uma espécie de “acordo”, onde ambos sabem e mesmo assim se respeitam?
    Conforme relatado no texto, não precisa deixar de amar!!!

  11. Danielle Suladrena   •  

    Fiquei, mais uma vez, com a certeza de que a boa vontade tem de voltar a fazer parte do nosso vocabulário e das nossas vidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *