Agenda

O gene do mal

” A maldade é a vingança do homem contra a sociedade pelas restrições que ela impõe […] É o resultado do conflito entre nossos instintos e nossa cultura.”

Freud

” É evidente que a maldade e a crueldade são inventos da razão humana, da sua capacidade para mentor, para destruir.”

                                                                   José Saramago

                                                                                                                                                                                          maldade

Thomas Hobbes (1588 – 1679) foi um dos filósofos que se debruçaram sobre o difícil tema da natureza humana. Segundo ele, o homem em seu estado natural está sempre em guerra, movido por dois objetivos; manter-se vivo e fugir da dor, indo sempre que possível na direção do prazer.

Diferente de outros, Hobbes defendia que em sua natureza o homem é solitário, na medida em que seu interesse individual sempre vem em primeiro lugar. Conviver, ou ser um ser “social” é apenas uma conveniência para atingir seus objetivos, que nunca são alcançados, afinal, depois da satisfação de um desejo vem outro, logo a seguir.

Instintivamente isso é bem fácil de observar, afinal a defesa da vida não pertence à esfera do pensamento, mas da ação imediata. Depois se pensa sobre o que ocorreu, e se for o caso, podemos nos arrepender de não ter sido solidário.

Ao observarmos o comportamento do homem primitivo, os estudiosos dizem que só se agrupavam com o objetivo de estarem aptos a enfrentar invasores de seus territórios, ou seja, juntos somos fortes; sós nem tanto.  Dessa forma, o convívio social que muitos defendem como natural, só ocorre para defender interesses.

O filósofo defende a ideia de que a violência humana não tem limites, desde que seja para defender o que lhe pertença ou conquistar algo que o torne mais poderoso e o ajude a viver por mais tempo. Como podemos observar, não só homens agem assim, mais políticas de governo se explicam pela teoria de Hobbes, afinal, o governante é a média da maioria do pensamento de seu povo.

Mas quando o “outro” é necessário?

Precisamos uns dos outros para não somente cumprir um instinto de sobrevivência,  mas também para validar nossa percepção de mundo. A realidade existe no convívio, na troca e nos ajustes que precisamos fazer para conviver. Justamente por isso os relacionamentos tendem ao desgaste.

Depois de quatro séculos, Freud também via o homem da mesma forma  e dizia que só um rígido sistema de punição nos permitia viver uns com os outros. Quantas vezes a lembrança do prejuízo que um ato pode trazer impediu que ele fosse cometido? A resposta é: muitas,  sempre que ocorre o ato impensado, dizemos que “perdemos a cabeça” ou que algo se apossou de nós. Na verdade é essa natureza má que nos “possuiu”  e os freios que a educação, religião  e sociedade nos impuseram não foram suficientes, naquele momento, para pensarmos nas consequências.

Desde pequenos, precisamos educar nossas crianças para aprenderem a compartilhar e respeitar o outro.  Muitas vezes é a punição ou castigo que as esperam que impedem de agirem como realmente querem.

Muito mais do que um pessimista sobre como realmente somos, Hobbes percebeu nossa natureza mais primitiva. Todo tempo decorrido de seus escritos não mudaram sua validade. Observem os países que invadem e destroem populações inteiras pelo domínio de riquezas naturais, ou em ataques de fúria movidas pelas crenças religiosas e políticas.

Precisamos de esforço para nos tornar bons, sociáveis e preocupados com o ser humano. Por mais que as religiões cumpram seu papel de nos afastar da animalidade é muitas vezes em seu nome que se mata e a história antiga e atual está recheada de exemplos.

Nossa humanidade é um potencial que precisa ser desenvolvido, tem a ver com evolução e não ocorre naturalmente.

No meio de tudo isso, as exceções que comprovam a regra buscam colocar peso no outro lado da balança. Mas se fossem pelo menos metade da população mundial nossa convivência seria outra e não veríamos do conforto dos nossos sofás milhares padecerem de fome diariamente enquanto se produz alimento para se jogar fora em grande quantidade, por exemplo.

Essa minoria de voluntários do bem, que dedica sua vida a minorar o sofrimento dos semelhantes, animais e natureza são sempre motivos de notícia, pois são espécimes raros de uma raça que destrói em nome de satisfazer seu ego.

A criminalidade avança e um dos motivos é a distância cada vez maior entre os que têm e nada tem. Esse abismo empurra os que ficam de fora para buscarem seu direito à sobrevivência e a violência é o caminho natural, como bem já nos avisaram Hobbes e Freud.

Cada ser humano que nasce tem um potencial infinito e uma pergunta a responder:

Tornar-se-á verdadeiramente humano, ou viverá para atender suas necessidades e desejos sem fim a custa do sofrimento e exclusão de muitos outros?

Tudo começa com a ideia, que precisa ser questionada, de um mundo  escasso, que precisamos ser competitivos, que não há para todos e a luz do sol é uma conquista a ser feita e não um direito.

Os jornais nos mostram diariamente que esse modelo faliu, mas o mais fácil é aumentarmos o tamanho das cercas e colocarmos alarmes por todos os lados, para nos avisar que tem um ser humano por perto.

 _____________________________________________________________

Crônica publicada no jornal Folha SC em 21 de Abril 2015

Uma dúvida chamada DEUS

Você não foi feito para viver igual às bestas, mas para buscar a virtude e o conhecimento.”

                    Ulisses – O inferno de Dante

“Não é menos respeitável ser um macaco modificado em vez de barro modificado.”

                    Thomas Huxley

P1020847

A existência de Deus tem sido um tema que, ao longo dos séculos, tem colocado a ciência e a religião em campos opostos e penso ser útil refletirmos sobre isso.

 Os cientistas são pessoas que, como todos, são influenciados pelo contexto social em que vivem e realizam suas experiências. Sempre foi assim, e nos dias de hoje, poderíamos acrescentar que seus interesses caminham junto com os que detêm os recursos, sem os quais o trabalho de pesquisa não pode existir. Porém, não há como negar que ainda é o melhor jeito que se tem de se explicar o mundo natural e predizer seu comportamento, justamente por estudá-lo.

No entanto, até bem pouco tempo a ciência tinha se excluído de penetrar no mundo das religiões (temos dois artigos no blog sobre o assunto que foram baseados em pesquisas recentes), que é fascinante, já que lida com o oposto da ciência; a aceitação de fatos e ideias inexplicáveis e que não podem ser comprovadas.

Em 1916, o psicólogo James Leuba fez uma pesquisa com 1000 cientistas americanos baseado em um pressuposto que defendia de que, quanto mais culta fosse uma pessoa, menos ela tenderia a acreditar na existência de Deus, e esse foi o motivo de ter escolhido cientistas, afinal, eles tendem a ter uma escolarização elevada e muito tempo em estudos complexos. Recentemente, pesquisas mostram que nos países mais cultos (onde as pessoas estudam por mais tempo em média) tem aumentando muito o número de ateus, ou seja, pessoas que não acreditam na existência de um Ser superior que ordene e comande a existência e a natureza. Esse, aliás, foi o vaticínio de Leuba, que disse que, com o aumento da cultura da população mundial, esse fenômeno aconteceria. As pesquisas mostram que ele acertou! Na sua época os resultados foram que, diante da pergunta na crença de um deus pessoal, 27,7%  dos cientistas diziam acreditar, 52,7% não acreditavam e 19,4% tinham dúvidas ou se declararam agnósticos*.

Em 1997, Edward Larson (professor de história da ciência da Universidade de Geórgia) e Larry Witham (repórter do Washington Times) procuraram repetir a pesquisa de Leuba com o objetivo de saber se a comunidade científica tinha mudado de ideia em relação a Deus ou mantinha a posição de 80 anos antes. Foram respeitadas as diferenças de épocas e de cientistas ouvidos, afinal Leuba ouviu 20% dos cientistas registrados na sua época nos EUA e, em 1997, esse mesmo número representaria apenas 3%, o que poderia de alguma forma falsear a pesquisa, então adaptações precisaram ser feitas. O que se pode ver é que os cientistas não mudaram de opinião, pelo contrário, já que o número de “crentes” diminuiu. Os resultados foram: 7% acreditavam em Deus, 72,2% não acreditavam e os quase mesmos 20,8% tinham dúvidas ou se declararam agnósticos.

Mas afinal, porque pessoas instruídas como cientistas, com uma forma sistematizada de pensar e pesquisar não acreditam na existência de Deus? Pelo mesmo motivo que atualmente a maioria das pessoas dos países mais cultos, também não: esse deus oferecido pela cultura, principalmente cristã, é mesmo “inacreditável”, justamente por ser humano demais, a saber: fica bravo, pune e condena quem não o obedece….isso dito, é claro, pelos seus “representantes legais” das várias ramificações, sejam elas do lado mais light  ou mais conservadora.

Penso que tanto os descrentes quanto os crentes estão em lados opostos e radicais, o que tende a afastá-los do ponto central. Sabemos todos que a verdade, seja ela qual for, nunca está nos extremos de lugar nenhum. Alguns cientistas, por exemplo, fazem o seguinte raciocínio: se deus interage em grau maior ou menor com o mundo físico, significa que deus é algo como uma parte do universo físico. Sendo assim, a existência de deus é uma questão que pertence ao domínio da investigação científica!

Por esse raciocínio, posso concordar com o autor que inspira esse artigo**, Massimo Pigliucci, que diz que os ateus poderiam ser convertidos facilmente, desde que lhes dessem argumentos sólidos da existência de deus. Acho muita graça, afinal querer reduzir o Inexplicável a uma explicação não é mesmo possível! Por outro lado a ciência se complica, já que também não pode provar a não existência de deus, na medida em que ainda temos uma infinidade de fenômenos ditos sobrenaturais, ou seja, acima da natureza explicável. Nesse ponto, os descrentes poderiam também alegar que os crentes também não podem provar a existência de deus. Ora, a fé se caracteriza justamente por se acreditar em algo que não se sabe. Se Deus pudesse ser provado ninguém precisaria acreditar, saberíamos de sua existência.

Na verdade, o que acontece, em minha opinião, é que, principalmente no ocidente, temos esse deus pouco provável, que não resiste à análise de um cérebro bem formado, como um ente, que tem até uma figura na mente das pessoas, com cabelos e barbas brancas assim como o personagem Gandalf do filme “O senhor dos anéis” que luta de branco contra a força negativa, trajada de negro. Essa dualidade é o mais distante que pode haver de Deus, já que ele se caracteriza por “não ser”. Todas as pessoas que tiveram suas consciências ampliadas (chamados de grandes místicos) que seriam catalogados por, no mínimo esquizofrênicos e psicóticos por essa mesma ciência, sempre definem Deus por termos como: Não Nascido, Imorredouro, Imutável, Imóvel, Não manifesto, Imensurável, Invisível, Intangível, Infinito. Como a ciência poderia descrevê-Lo?

Nessa hora, não posso me esquecer quando o famoso mitólogo Joseph Campbell foi acusado de ser ateu. Ele realmente era, se estivéssemos falando desse deus limitado ou dessa igreja que ainda defende a tese criacionista (adão e eva) e insiste em dizer que o mundo tem 6000 anos de idade, negando todas as descobertas científicas que qualquer criança sabe, de culturas que foram descobertas e estudadas, esqueletos de animais e pessoas com muitas centenas de milhares de anos mais antigos. Para quem o leu e ouviu suas entrevistas, chama-lo assim é assumir uma ignorância oceânica. O que até não é de se estranhar, pois só mesmo uma percepção limitada pode negar tamanhas evidências que tornam a tese criacionista mais voltada para desenho animado do que qualquer outra coisa que possa ser encarada seriamente.

Hoje, mais do que nunca, a ciência, filosofia e religião podem se aproximar e foi a própria ciência, através da física quântica, que fez esse convite. Pode mesmo ter uma inteligência por trás do big bang e uma ironia inteligente em sermos tão parecidos geneticamente com os macacos, por exemplo. Isso poderia muito bem explicar nossas irracionalidades, não acham?

Falta para todos o deus que os agnósticos procuram, que os orientais já encontraram, um Deus que seja uma inteligência e não alguém. Caso contrário, a frase de Thomas Huxley que abre esse artigo tem todo o sentido e é mesmo uma angústia, justamente pelo absurdo que as duas possibilidades contemplam.

 ____________________________________________________________________________________________________________

*Agnóstico é aquele que considera os fenômenos sobrenaturais inacessíveis à compreensão humana. A palavra deriva do termo grego “agnostos” que significa “desconhecido”, “não cognoscível”. Num sentido religioso, agnóstico é aquele que não acredita na existência de Deus, porém não nega essa possibilidade, por se encontrar num patamar racionalmente inacessível. (http://www.significados.com.br/agnostico/).

**O Processo contra Deus. Massimo Pigliucci, tradução Sérgio Luiz Mansur. Fonte: Skeptic Magazine Articles Archives.

Espelho, espelho meu…

espelho

“A triste verdade é que a vida humana consiste num complexo de opostos inseparáveis – dia e noite, nascimento e morte, felicidade e miséria, bem e mal. Nem sequer estamos certos de que um prevalecerá sobre o outro, de que o bem superará o mal ou a alegria derrotará a dor. A vida é um campo de batalha. Ela sempre foi e sempre será um campo de batalha. E, se assim não fosse, a existência chegaria ao fim.”

C. G. Jung

Em alguns artigos anteriores passamos rapidamente sobre um importante assunto no que se refere ao autoconhecimento e vamos nos aprofundar um pouco mais nessa oportunidade. Esse assunto chama-se “Sombrae nos convida a reconhecer a abraçar nosso outro lado, afinal só assim poderemos nos perceber completos.

Tudo que recebe luz faz sombra. Se o Ego (face exterior) é a luz, a Sombra representa as trevas, e é isso que nos torna humanos, possíveis das maiores bondades e das mais cruéis perversidades. Se temos no ego essa imagem de perfeição que queremos transmitir para que nos sintamos adaptados e respeitados,  é na sombra que está o que não aceitamos em nós mesmos e que gostamos de ocultar – nossa agressividade, vergonha, inveja, raiva, etc. Como podemos concluir, nunca na verdade sabemos quem nos comanda, não é mesmo? Justamente por isso que a divisão (diabolos em grego) é nosso inferno, e evolutivamente buscamos a unidade (divinus) para atingirmos nossa completude.

Usamos muito sinônimos quando falamos dessa nossa parte tão desagradável: nossos demônios internos, luta contra o diabo, descida ao inferno, noite escura da alma e até de “crise da meia idade”, quando nos enfurecemos e ficamos “possuídos” fazendo e dizendo coisas nunca antes imaginadas nem mesmo pelas pessoas que nos conhecem desde sempre.

Portanto, a Sombra é nosso lado negativo, soma de todos os atributos que pretendemos esconder, já que se aparecerem oferecerão risco à imagem ideal que temos de nós mesmos e que desejamos que os outros também tenham. Lidar diretamente com a sombra é uma jornada que certamente leva a pessoa a patamares superiores e, realmente, nos transforma definitivamente.

A sombra começa a se formar na infância quando, principalmente a partir dos 2 anos, a criança começa a descobrir que, para conservar o amor de seus pais e outras figuras referenciais, precisa começar a esconder partes suas que eles não gostam. Quem já não ouviu essas frases entre tantas outras:

– Que feio! Você precisa aprender a dividir as coisas!

– Papai e mamãe ficam muito tristes quando você não fica quieto!

– Meninos não choram!

– Não é bonito agir assim!

Assim, vamos colocando todas essas partes nossas em um canto escuro de nossa psique, onde fica tudo que nos dizem que é “errado” e “feio”.  Aqui no ocidente, por exemplo, a cultura cristã jogou durante séculos a sexualidade na sombra de todos nós e o que vemos hoje é justamente uma exacerbada  sexualização em tudo (até em desenhos animados) porque nossa Sombra sempre está a nossa espreita para tomar conta de nós quando abrimos o flanco.

E como ela aparece, ou seja, como nos damos conta de nossa Sombra? Simples: sempre que estamos criticando alguém ou determinada situação! Em psicologia, Freud chamava isso de projeção, que acontece quando lançamos sobre as outras pessoas nossos conteúdos inconscientes. Nunca se esqueça: os outros são apenas espelhos nos quais nos vemos o tempo todo!

Imagino que você já deve ter comentado com algum amigo determinado “defeito” de alguém e esse seu amigo disse que isso não o incomodava. Mas afinal, porque incomoda a você e não a ele? Justamente porque esse “defeito” faz parte de você e não dele!

Quando, lá na infância, por exemplo, você foi reprimido(a) por não compartilhar seus brinquedos com o amiguinho e foi forçado a fazê-lo, seu egoísmo foi jogado na Sombra e é por isso que hoje um ato egoísta que você presencia causa tanta ira e, às vezes, uma reação desproporcional. Espero que esse exemplo ajude a entender a questão da projeção.

Para ajuda-lo a descobrir suas projeções e sua Sombra, faça o seguinte exercício:

Faça uma lista sincera de todas as qualidades que não aprecia nos outros (vaidade, ciúme, ambição, etc.). Quando sua lista estiver pronta (não se assuste se ficar muito longa, é assim mesmo), destaque as características que além de desagradar, mais repudia e despreza nos outros. Essa segunda lista será um relatório bem próximo da verdade sobre sua Sombra, quer você goste ou não, acredite ou não.

Evidente que nem tudo que criticamos nos outros são projeções nossas (a maioria é), mas sempre que nossa reação é demasiadamente forte é sinal de que algo foi mexido nas profundezas do nosso inconsciente. Fica fácil então perceber que quando estamos muito bravos com alguém, estamos dominados pela Sombra e não é a toa que precisamos pedir desculpas dizendo: ”perdi a cabeça e falei bobagens…” Na verdade, o que foi dito não foi pelo seu Eu de consumo externo, mas pela sua Sombra, e é o que realmente você pensa, só que se envergonha.

Outra oportunidade de nos conhecermos melhor em relação à Sombra é nos shows humorísticos e piadas. Quando todos riem e você não acha graça e ainda fica bravo, é sinal de que uma parte sua foi exposta pela piada. Já quando rimos muito, significa que a história fala da parte da nossa Sombra que gostaríamos de ser e não conseguimos, já que não combinaria com nosso Ego.

Mas como tudo tem dois lados, a Sombra também tem seu aspecto positivo. Quando admiramos determinadas qualidades em outras pessoas também estamos nos vendo no espelho. São potencialidades nossas que poderemos desenvolver se trabalharmos sobre elas. Isso acontece quando nos projetamos em ídolos, professores, artistas, etc. Assim também acontece nos relacionamentos afetivos, onde projetamos sobre o outro, e vice-versa, os atributos positivos inconscientes. É claro que, com o tempo, vamos nos “decepcionando”, que nada mais é do que descobrir que o outro (a) não é o que esperava, ou seja, igual a mim.

A Sombra é um assunto para um grande número de artigos, mas penso poder ter ajudado a ampliar sua percepção de si mesmo. Só as pessoas que trazem sua Sombra para luz é que conseguem seguir o preceito do “não julgarás”. Se minha Sombra estiver escondida, aparece o julgamento, se estiver consciente dela, ao invés da crítica, me solidarizo com alguém que sofre do mesmo mal que eu.

Tem um ditado popular que diz: quando apontamos um dedo para alguém, três apontam para nós.  Pura verdade, para o bem e para o mal!

O estudo do ONZE

A Força

 

“Ah, se fosse assim tão simples! Se houvesse pessoas más em um lugar, insidiosamente  cometendo más ações, e se nos bastasse separá-las do resto de nós e destruí-las. Mas a linha que divide o bem do mal atravessa o coração de todo o ser humano. E quem se disporia a destruir uma parte do seu próprio coração?”

Alexander Solzhenitsyn

Tivemos nessa semana uma daquelas datas que povoam o imaginário das pessoas e que é importante para muitas correntes místicas. Diz-se que em datas com números repetidos como esse 11/11/2011 abrem-se “portais” por onde aqueles que estão conectados ou preparados podem ter um aumento do seu nível consciencial pela sabedoria transmitida por seres mais elevados. Nesses dias nos horários completos como tivemos às 11hs, 11min e 11 segundos essa comunicação é feita pela abertura dos referidos portais. Caso isso tenha realmente ocorrido será muito bom, visto que, como sabemos, até por experiências já realizadas, quando um grupo de pessoas se “eleva” isso provoca um efeito no restante da população, já que parte-se do pressuposto que existe uma “mente coletiva” partilhada por todos nós. O lema é: tudo está em tudo, ou o que está no alto também está embaixo.

Porém, quero aproveitar essa data para falar do número que ficou em evidência, o onze, que, como os demais, tem um profundo simbolismo que pode nos ser útil em nossa caminhada em busca do autoconhecimento.

O onze é uma variação do número 2 (1+1), sendo, portanto um número eminentemente feminino. Tradicionalmente o onze é representado por três figuras a saber: uma mão fechada, um leão amordaçado ou a mais conhecida e que ilustra nosso artigo; uma mulher abrindo a boca de um leão. O onze é também chamado de “A Força”.

A nível psicológico o onze nos remete a mediação (entendimento) entre o ego e nossas forças mais primitivas. Como sabemos, o Leão é um animal selvagem e ameaçador e simboliza que não podemos enfrentá-lo (dominá-lo) de forma tradicional e violenta (masculina), nem podemos simplesmente ignorá-lo. Justamente por isso que esse importante conflito precisa ser realizado de forma subjetiva, interior e sutil, o que justifica plenamente a presença da mulher na gravura. Notem que ela abre a boca do leão sem esforço e não aparenta nenhum medo…

Mas o que é essa nossa parte simbolizada pelo leão? É o que o psicólogo Carl G. Jung chamava de “sombra”, ou seja, cada um de nós tem um personagem agradável para o uso cotidiano que busca a adaptação, respeito e acolhimento dos outros. Mas, também temos um “eu” oculto e noturnal que permanece amordaçado a maior parte do tempo. Emoções e comportamentos negativos como raiva, ciúme, inveja, vergonha, falsidade, ressentimentos, lascívia, cobiça, tendências suicidas e homicidas, etc., ficam escondidas logo abaixo da superfície, encobertas pelo nosso “eu” de consumo externo, mais apropriado às conveniências. Como não gostamos de também ser assim, mantemos essa parte escondida (nos causa vergonha) e a negamos. Dessa forma esse importante território de nosso interior permanece inexplorado.

O grande problema é que esse lado escuro, por não ser dominado, sempre aparece em um momento de raiva, quando bebemos demais ou “perdemos a cabeça”. Nessa hora, nos mostramos mais completos e dizemos o que realmente sentimos e fazemos o que realmente queremos. Mas como isso não combina com a idéia que nós mesmos queremos passar, nos desculpamos dizendo que não sabíamos o que estávamos fazendo, etc…

O ensinamento do onze nos ensina que não podemos voltar às costas para nosso leão, já que sempre que isso acontece ele fica mais feroz e incontrolável. Se não o dominarmos, seremos visitados por doenças psicossomáticas, crises nervosas e são a causa da maioria dos crimes passionais.

Ocorre que esse leão só pode ser domado de forma sutil e acolhedora, reconhecendo meu lado obscuro. É muito fácil saber o que está escondido em nós, basta perceber o que mais me incomoda e me irrita no comportamento dos outros. Como o outro é sempre um espelho onde me reflito, minhas críticas e irritações com outras pessoas só acontecem porque elas me mostram esse meu lado que não quero lembrar que tenho. Também é importante entender o outro lado: tudo que admiro em outras pessoas são potenciais que também tenho que precisam apenas ser desenvolvidos.

Enquanto não domarmos nossa “fera” ainda não teremos atingido nossa plena humanidade, sendo, na melhor das hipóteses um animal que se desenvolveu um pouco mais que os outros da natureza. Só quando me conheço por completo, posso realizar o principal conselho de todas as religiões: o não julgamento! Afinal, quando tomo essa consciência, ao invés de criticar, vejo o outro como alguém que sofre como eu…

Reputo fundamental a reflexão sobre a frase de Jung: “Aquilo que não fazemos aflorar a consciência, aparece em nossa vida como destino.”

Agora algumas curiosidades:

No Sepher Yetzirah*, o décimo primeiro caminho é o da inteligência cintilante, pois diz-se que aquele que o percorre até o fim com “verdadeiro entendimento” pode ser autorizado a ver a face de Deus e continuar vivendo. Para a Cabala, portanto, o ensinamento desse caminho proporciona a verdadeira liberdade.

Para os Taoístas o onze também e representado pela união do 5 e 6, que são o macrocosmo e microcosmo, céu e terra, sendo o número que constitui a totalidade, a via do céu e da terra. É o número do Tao.

*O Sepher Yetzirah é um dos mais antigos e misteriosos textos da Cabala. As primeiras referências datam do século I. Tem uma chamada “versão curta” com 1300 palavras e uma “versão longa” com 2.500 palavras. Sua autoria é atribuída a Abrahão.

Se perdeu esse portal não se preocupe, ano que vem teremos o 12/12/2012. Enquanto isso, pense nos conselhos que o número onze traz…

 

Para saber mais:

Números, magia e mistério: ed Três

Ao encontro da sombra: ed Cultrix

Jung e o Tarô: ed Cultrix

Dicionário de Símbolos: ed José Olimpo

 

Reflexão sobre a TOLERÂNCIA

tolerante – que releva e aceita as falhas alheias; indulgente. Que aceita e respeita idéias ou comportamentos distintos dos seus.

Dicionário Caldas Aulete

 

Passados alguns dias, penso ser oportuno refletirmos sobre os limites da tolerância, tendo como “pano de fundo” o atentado na Noruega.

Consta que a boa educação recomenda que devemos ser tolerantes com aqueles que pensam diferente, afinal cada pessoa tem o direito de escolha sobre sexo, política, religião e no Brasil, futebol…

A questão que se coloca é se devemos respeitar e aceitar diplomaticamente pessoas  que lidam com os conceitos diferentes dos seus de modo tão extremista. Até que ponto é democrático termos, por exemplo, partidos políticos que pregam ideologias nazistas e similares com amplo direito a exporem suas idéias livremente, podendo eleger representantes para os parlamentos e congressos de seus países?

Os defensores da liberdade plena dirão que a “livre expressão” é um direito básico de todo o cidadão, por mais extremas que sejam suas idéias. Penso que essa liberdade só pode ser exercida se estivermos falando de um Ser Humano no pleno gozo de sua humanidade. Será que ao aceitarmos conviver com idéias racistas e baseadas apenas em crenças (sem comprovação, portanto) não estamos sendo coniventes com atos como esse ocorrido na Noruega ou atos violentos baseados em princípios religiosos ou raciais?

É realmente humano quem pensa que sua raça é superior as demais ou que acredita que sua religião ou sua ideologia é a única correta e quem não concordar merece ser desdenhado, eliminado ou punido?

O princípio da humanidade deve principiar pelo bem mais valioso: a vida!

Sempre que alguém, para chamar atenção para suas “verdades”, precisa destruir ou matar, pensando estar fazendo algum bem a humanidade ou para valorizar suas ideologias, em minha opinião, está longe de poder ser chamado de humano.

Nossas escolas ensinam conteúdos para formar uma boa mão de obra para nossa cultura de produção e consumo, quando deveriam, na opinião de Daisaku Ikeda, formar “seres humanos” em primeiro lugar, para só depois ensinar os demais fundamentos.

Está mais do que na hora dos politicamente corretos, tolerantes, democráticos e demais omissos saírem do conforto de seus conceitos de liberdade e defenderem, nem que seja o direito das pessoas fazerem suas escolhas e algumas que nem fizeram (como sua nacionalidade), tenham o direito de continuarem vivas. Devemos, em nome da liberdade, proibir toda e qualquer idéia que defenda qualquer espécie de supremacia seja de que conceito for em nome da vida, por mais incoerente que possa parecer com o conceito de liberdade.

Quando leio que atos como esse, já são defendidos (justificados) por alguns líderes de extrema direita, antevejo que esse tipo de ignorância está longe de terminar. Sabemos que a verdade nunca está nos extremos, mas o meio termo precisa de ação, e já!

Pode até ser coincidência, mas “tolerante” está no dicionário perto demais da palavra “tolo”. Se não for mero acaso, deve ser por ter a mesma raiz…