Agenda

Formigas que pensam

20180115_221739

Eles estavam lá. Lado a lado, eram mais de trinta.

Altos e imponentes, eucaliptos tem características próprias; os adultos, como esses que estavam à minha frente, tinham troncos altos e lisos. Só lá em cima, galhos e folhas. Pareciam um muro, uma cerca, de quarenta metros de altura demarcando limites, foi o pensamento que me ocorreu.

Foi quando começou a ventar. Vento e eucaliptos tem tudo a ver, apesar de não precisarem um do outro. Os galhos começam a se mover e fazer um som todo especial.

Fiquei observando.

Enquanto essa “dança” acontecia, percebi que não era uma ação de domingo, dia de descanso para contemplação. Dias da semana, horários, são coisas dessa gente pequena, como nós. Eles, os que vivem vendo no alto, devem ter conosco a mesma relação que temos com as formigas.

Eles estão acima disso, não precisam de nada, só da chuva vez por outra e do vento, para cantar e dançar. De vez em quando, o tronco se libera da roupa velha e eles ficam lisos e nus, para recomeçar. Ano a ano, décadas, sem pressa. Tudo vai acontecendo no instante, sem horário, sem nada que precise ser controlado, esperado ou necessário. Nós, humanos, somos seres que se pressupõem livres. Essa liberdade nos faz agir na natureza como se ela fosse nossa, que estivéssemos acima dela.

Dias, noites, calor, frio, vida e morte. Isso existe só para nós e só pode ser por não entendermos. Deve ser por isso que queremos controlar tudo; o medo que a ignorância traz.

O movimento era lento e os pássaros que também passam rapidamente pela vida, característica de corações acelerados, estavam mais preocupados em cantar seus solos e cada um vivia por si e dava certo no conjunto. Orquestra de estranhos, sem ensaio. Nada tinha a ver o vento com a árvore e os pássaros, tudo age por si, pois essa é a natureza de cada coisa.  Tudo ali estava certo e uma sensação de harmonia era possível, porque ela não era necessária. Quando precisamos de alguma coisa, a tensão e a falta de naturalidade são invitáveis.

Há quem diga que tudo ocorre por necessidade, mas se essa necessidade for natural o nome está errado. Para nós, aqui em baixo, a necessidade é uma espécie de urgência e toda urgência precisa ganhar espaço e prioridade. É quando somos mais importantes que tudo.

Pensei em contar aos eucaliptos sobre alguns pensamentos, coisas que poderiam ser diferentes do que são. Lá estava eu, de novo, querendo que tudo fosse do jeito que eu achava certo. Os eucaliptos talvez não rissem, já que devem saber como somos, mas ficariam impassíveis para que me desse conta que tudo isso é grande demais para ser entendido, ou que não há nada para ser entendido, tudo é como é e pronto. Tanto faz!

Tudo ficou pequeno naquele momento; minhas preocupações, a maldade, a bondade, as grandes e más ações, os crimes, a angústia de não saber isso ou aquilo, o futuro… Não estava acontecendo nada, só o vento de sempre, balançando os galhos, como sempre. Talvez o que não fosse o de sempre foi perceber que não há nada para ser mudado, descoberto ou decifrado.

Eu sei que os eucaliptos não pensam, não ambicionam ou desejam. Estão abaixo na hierarquia desse mundo. Talvez seja por isso que o resultado deles é melhor, assim como o dos pássaros, das formigas e de todo o resto. Somos muito melhores, mais capazes e criativos, mas isso não tem nos ajudado a vivermos melhor. Estamos destruindo a nós e ao mundo. Precisamos atender nossa necessidade, afinal.

Quando eu não estiver mais, seja do jeito que for, o vento vai passar por lá, naturalmente, movendo essas grandes árvores esguias fazendo esse barulho gostoso e poderá ter alguém como eu, esteja lá perdendo tempo pensando em vez de só ver, só ver.

A Ceia

Todos ainda estavam sentados em torno da mesa.

Como sempre, comida de sobra, com a velha desculpa que será consumida nos dias seguintes. Ao lado da mesa, papeis de presente rasgados depois da revelação do “amigo secreto” estavam amontados em um pequeno monte. Sentia-se um desconforto no ar.

Quando se come mais que o necessário, o corpo precisa se ajustar ao fastio. Uma sensação desagradável e um arrependimento obrigatório, como uma ressaca moral. O preço que o metabolismo cobra é uma certa tristeza, um ânimo rebaixado pelo prazer em excesso. Tudo tende ao equilíbrio, como um elástico, quando solto depois de esticado, fica menor por ter estado grande demais.

O rito já tinha sido cumprido. Oração, brincadeiras que se repetiam e, por fim, antes do jantar, a lembrança dos que já morreram. Alguém havia sugerido inverter a ordem, começando pela tristeza e depois rumar para a alegria. Voto vencido pela tradição que diz que a tristeza é mais importante, precisando, portanto, ficar para o final em respeito aos mortos. Fala-se como se estivessem ali, mas a reação é como se tivessem desaparecido para sempre. Primeiro a morte, depois a vida. Quanto encantamento por uma expectativa!

A matriarca passava os olhos em torno da mesa. Filhos já mais do que maduros, netos adolescentes contando os minutos para poderem ir para outro lugar. Percebia pelos olhares que trocavam. Como isso deve ser maçante para eles, pensava. Ela sabia que, quando morresse, tudo iria acabar. Nenhum dos seus filhos tinha sua determinação para manter a família unida, ou porque não gostavam desse tipo de encontro familiar. Na verdade, ela nunca havia permitido que escolhessem.

 O que a mantinha com força de continuar apesar do corpo cansado e dolorido era o próximo natal. Ver todos juntos, resultado de um encontro fortuito transformado em família ocorrido a sessenta anos atrás. Ninguém estaria ali, se ela não tivesse que se abrigar em uma loja durante um forte temporal. O rapaz simpático do balcão virou pai de seus filhos. Estaria tudo “escrito” ou um mero acaso causado por uma tempestade de verão? Pensou muito sobre isso, depois descobriu que era perda de tempo.

Chegou a pensar em perguntar se todos gostavam dessa reunião na noite do dia 24, mas desistiu. Sabia que diriam que sim, mas não estava com vontade de ver rostos com outras respostas. Melhor esperar estar enganada. Nunca conseguimos nos iludir completamente, mas existe a velha e imortal esperança de que o que está diante dos olhos e da razão seja mentira.

Faltavam crianças. Noite de natal sem elas não é a mesma coisa. O brilho nos olhos pelo esperado presente é um sinal de espanto com a vida que vamos perdendo com tempo. Crianças e velhos curtem mais esses momentos. Os pequenos estão descobrindo um mundo que vai ficando maior a cada dia. Poucas decepções, só as que os pais zelosos não conseguem evitar. Já os mais velhos, curtem tudo com ar de despedida, chegando cada vez mais perto da grande pergunta. Querendo evitar descobrir a resposta, esticando a vida, mesmo com limitações.

O filho mais velho cochilava. A esposa, ao lado, fazia bolinhas de papel com pedaços de guardanapos. Estavam todos esperando que ela levantasse para irem dormir enquanto os netos teclavam nos celulares.

Amanhã estaria sozinha de novo. Desde a morte do marido, percebeu, que a cada ano um dos filhos ficava com ela para o almoço do dia 25. Um revezamento, que a fazia sentir-se um estorvo. Como de costume, as sobras da noite ganhariam vida no almoço do dia seguinte, já em pratos do dia a dia.

No ano novo, um dos outros filhos viria buscá-la para a virada. Depois, uns dias na praia com o encarregado da vez.  Lembrou-se da Santa que passa três  dias em cada casa durante o mês, levando proteção e bênçãos, ficando, a cada visita, mais pesada na gaveta debaixo da minicapela, com mais moedas e menos notas. Sinal dos tempos.

Levantou-se da mesa com dificuldade. Todos “voltaram a vida” e fizeram os pequenos comentários habituais; “já é tarde”, “estava tudo ótimo mãe!” e o mais comum de todos: “Mais um natal se passou…”. Dias de preparativos e combinações para um jantar que misturava alegria, melancolia e constrangimento cada vez em doses mais desproporcionais. Teatro familiar obrigatório, determinado por uma data. Preferia cada vez mais comemorar seu aniversário, nesse dia ela tem certeza que estão felizes por ela ainda estar viva.

Enquanto todos se levantavam, a velha senhora desejou a todos um “Feliz natal” e saiu sem que percebessem seu nó na garganta.

Sentiu um alívio ao deitar e percebeu que estava cada vez mais cansada sem motivo, já que tudo que fazia era viver preocupada com todos e da saudade dos tempos que as crianças corriam pela casa.

As imagens dos seus cinco netos lhe vieram à cabeça e percebeu que chegará uma hora em que eles também estariam contando os dias para o próximo natal.

No ano seguinte, como a velha senhora imaginou, cada filho fez seu natal particular e a noite do dia 24 foi trocada por um almoço dias antes onde nem todos puderam participar.

 Final de ano é sempre tão corrido…

E se for só isso?

“Quero cada vez mais aprender a ver como belo aquilo que é necessário nas coisas. Amor-fati [amor ao destino]: seja este, doravante, o meu amor! Não quero fazer guerra ao que é feio. Não quero acusar, não quero nem mesmo acusar os acusadores. Que minha única negação seja desviar o olhar! E, tudo somado e em suma: quero ser, algum dia, apenas alguém que diz Sim!”

                                                                Nietzsche –   Gaia, a ciência § 276

“É impossível enfrentar a realidade o tempo todo sem um mecanismo de fuga.”

                                                                 Freud

                                                                                                                                                 realidade virtual

Não existe crença sem dúvida.

Se, por um lado, temos a esperança de que o que acreditamos seja mesmo verdade, por outro, como toda esperança, existe um temor de que não seja. Crenças são necessárias até certo ponto. Precisamos delas como uma forma de entendermos o mundo e suas contradições. Aliás, as contradições do mundo sempre são um problema só nosso, já que o mundo é como é, e não somos tão relevantes assim para que ele mude por nós.

Independente se acreditamos em duendes, gnomos, fadas, anjos, querubins, alienígenas (de todos o de mais provável e até probabilística certeza de existência) ou qualquer divindade, é através deles que se atribui o saber que usamos para lidarmos com os acontecimentos incontroláveis da vida. Como já citei em artigos anteriores, quando nos deparamos com nossa falibilidade e de tudo que acontece a nossa volta, a sensação de desamparo é inevitável e uma “mão” amiga, mesmo que invisível e muito improvável, já nos dá alguma segurança para tocarmos em frente.

O interessante é que, quanto mais essa crença for cega e leve a pessoa ao radicalismo, mais ela tenta arregimentar seguidores e olha com certo dó quem não segue sua linha. Sempre penso que, quanto mais se precisa de novos seguidores, fora a questão financeira da manutenção da estrutura, está embutida a necessidade de que mais gente também acredite. Isso traz a ideia de que, realmente, as coisas são como creio, afinal, tanta gente acredita junto! Pode parecer impossível, mas se todo mundo também pensa assim…

A questão que coloco é simples: Por quê a vida não pode ser só o que vemos? Qual a necessidade de um grande significado por trás de tudo, seja do desabrochar da flor ou da maldade no mundo? Como disse acima, toda crença carrega o medo de ser falsa. E as mais importantes questões, como o significado da vida, o que virá depois, se teve algum antes e tantas outras só servem para aumentar a ansiedade. Perguntas demais e respostas impossíveis, já que fazem parte do âmbito do “acreditar”.

Quer queiramos ou não, uns mais outros menos, todos deixamos nossa marca no mundo. Estar vivo é fazer parte e nunca sabemos o quanto afetamos o que chamamos realidade. Alguns grandes pensadores nos convidam a aceitar o mundo tal como ele é e alguns outros revolucionários querem mudá-lo. Uns usando violência e poder para ter mais poder. Outros para impor suas ideias baseadas na crença (essa uma das mais absurdas) de que tem a receita correta para termos um mundo melhor que vale para todas as culturas e pessoas. Caso clássico do sistema educacional que ensina a mesma coisa para pessoas diferentes. Como se fôssemos todos iguais, revogando a biologia. Bom para manipular e matar as diferenças, bom para as farmácias, Capital e governos. Ruim para as pessoas. Mas quem mesmo se preocupa com aquilo que não rende poder ou dinheiro?

Com esse sistema de crenças vamos vivendo sem pensar, já que temos as respostas que as crenças nos dão. E a mais comum é a esperança que existe uma “inteligência” ou ‘Alguém”por trás de tudo, que comanda a vida para o bem de todos e aqueles que estão sofrendo é por merecimento ou aprendizagem, só pode! Se alguma coisa está errada, é por não entendermos um desígnio maior, falta de percepção ou burrice nossa. Figuras ilustres da religião nos remetem diretamente à ideia do sofrimento como forma de purificação para o que virá, ou de que, se não cumprirmos as regras seremos duramente punidos pela justiça divina. Aliás, pensando nisso, se houver mesmo outra vida, quando nossos ministros do Supremo morrerem, toda a bandidagem que habita os nove níveis do Inferno de Dante será solta com Habeas Corpus e tornozeleira e, com certeza, virão nos assombrar. Merecemos tudo isso, por termos nascido pecadores e impuros.

Mas aqui vai mais uma crença: tudo por ser só isso que vemos, simples assim!

Talvez a grande receita seja uma “dúvida razoável” e quem vê filmes ou série de advogados americanos sabem do que falo. Pode ser que a sua crença seja verdadeira ou uma grande bobagem. A do seu amigo também. Algumas, principalmente as mais famosas, precisam de um grande esforço imaginativo para serem levadas à sério. Como disse Kant, precisamos afastar a razão para arrumarmos um lugar para nossas crenças.

O que sugiro é duvidar, lembrar que pode não ser como pensamos/acreditamos/esperamos. Como a alternativa “E” das provas; nenhuma das respostas anteriores. Lembra?

O dia que ficarmos só com o que vemos, sem grandes leituras metafísicas, poderá nos bastar. Nesse mundo vivem e morrem pessoas boas e más, diferentes e indiferentes, inteligentes e nem tanto, preocupadas e desligadas, medrosas e os medrosos que enfrentam o medo porque tem medo de sentir medo. Às vezes dá tudo errado, em outras tudo certo, a justiça impera e em outras falha. Talvez atrás da flor tenha só um pássaro que polinizou assim como na enxurrada que mata não há nenhuma fúria, apenas o infeliz encontro de nuvens carregadas que não conseguiram desviar uma da outra.

Eu sei, seria simples demais!

Mas isso pode ser mais provável que muitas dessas histórias que ouvimos desde criança que nos metem medo; seja da bruxa que “pega” as crianças desobedientes, seja a ira de um deus qualquer por você ter repetido o bolo ou ter desejado o namorado da amiga.

Temos uma enorme necessidade de tornar a vida complexa, cheia de mensagens e significados, assim como de entidades a quem entregamos em forma de desejo a obtenção daquilo que não nos sentimos merecedores. Milagres, dádivas, bênçãos, linhas certeiras e outras um pouco tortas com o objetivo de dar um começo e fim lógico para a vida. Mas quem disse que a vida precisa mesmo de alguma lógica?

Qual o problema de ser somente sorte, azar ou a deusa Fortuna com suas manias? Queremos coisas, nos esforçamos para consegui-las e isso poderá vir ou não vir, quem sabe? Só virá se fizermos, mas tem gente que fica rico sem nem ter pensado nisso e as grandes biografias mostram que existem tantas coisas, ventos tão incertos. Angustia por um lado por estarmos de certa forma à deriva, mas por outro, traz um charme inigualável para a vida!

Precisamos e devemos ter sonhos e objetivos e é isso que nos move. Só convém lembrar que todos querem alguma coisa e às vezes precisamos saber esperar e entender que desejos colidem uns com os outros o tempo todo e são tantas variáveis em jogo que não podemos controlar.

A grande verdade, talvez a única que nos une é sermos seres movidos por interesse. Não fizemos nada gratuitamente, nem que seja sentirmo-nos bem por ter feito alguma coisa. Rezamos para um mundo melhor porque isso é bom para nós. Não fizemos o mal porque não queremos que façam conosco e por aí vai. Não há nisso nenhum problema! O problema é nos idealizarmos e ficarmos esperando que a perfeição que nos falta esteja em outro lugar, em um ser que nunca nasce e nem morre. Talvez seja por isso que Ele é tão perfeito, não morre nunca e nem precisa de nada, não tem corpo e nem desejos; enfim, não precisa lutar contra si mesmo como nós, reles mortais.

Somo cheios de defeitos (é isso que nos dizem desde o primeiro dia) e projetamos nossa melhor potencialidade em divindades como muitíssimo bem nos ensinou Feuerbach, livro* que deveria ser obrigatório em qualquer sistema de ensino que promete formar cidadãos críticos e nunca consegue, justamente por evitar que questionem, empurrando crenças da mesma forma que se produz Foie gras.

Uma dúvida consciente sobre todas essas grandes perguntas nos traria uma vida mais voltada ao bem-estar e a tranquilidade. Talvez um dia saibamos as respostas depois de morrer se estivermos percebendo alguma coisa, talvez nunca. Portanto, porque perder tempo com elas? Viver como se as crenças fossem uma verdade absoluta é como construir casas com areia da praia. Tudo baseado no medo de sermos punidos aqui ou em outro mundo, buscando controlar a vida ou simplesmente por não aceitarmos como verdade o que vemos a cada momento e, principalmente,  que somos mais livres e responsáveis do que gostaríamos.

Para aqueles que acompanham os textos do blog, sei que poderão estar pensando que, de certa forma, já falei um pouco sobre isso em reflexões anteriores (O último dia e Perguntas desnecessárias). Verdade, mais pode ser que hoje eu pegue você mais atendo e com disposição para deixar tudo mais simples e real.

realidade

Pode ser que só tenhamos essa vida e sei que isso é muito desanimador. Temos planos para as próximas existências, onde tudo dará certo no final. Mas por outro lado, se ficarmos só com o que temos de verdade nos dará um pouco mais de pressa e fundamentará escolhas e decisões conscientes de que precisamos para viver bem e sair dessa existência, sobre a qual ninguém pode duvidar, pela porta da frente.

Temos que dizer “sim” e “não” e isso nunca é fácil já que seria o que parte de nós gostaria, mas nem sempre é possível no mundo de verdade. Fazer escolhas e conviver com elas é outra maneira de sermos nosso próprio Deus.

 _______________________________

*Ludwig Feuerbach –  A essência do cristianismo

Tela vazia

Estava lendo Foucault e deu vontade de escrever.

Parado diante da tela, lembrei de um filme sobre Pelé que vi quando tinha 12 ou 13 anos.  Uma hora e meia de gols e jogadas geniais. Sai do cinema com muita vontade de jogar bola. Não lembro se joguei, mas mesmo que isso tenha acontecido, o resultado não foi tão bom que valesse a pena lembrar. Era jogador e plateia ao mesmo tempo e o esquecimento foi o veredito.

Mais tarde, já na fase adulta, vi um show de João Bosco. Ele levou apenas seu violão, parecia que aquele instrumento era uma extensão natural do corpo. Plateia hipnotizada pelo talento. Acontece sempre que vemos alguém viver sua vocação. Deu uma vontade louca de aprender a tocar. Depois de muitas aulas, sofrimento dos dedos que não foram feitos para acariciar cordas, ficou um violão para lá e para cá dentro de casa, sem cumprir sua função. Começou encostado na parede, esperando que a força de vontade vencesse a realidade. Tempos depois, foi parar em cima de um armário. Ficou anos dentro de uma capa como os gênios nas lamparinas nas histórias das mil e uma noites. Pelé e João Bosco mostraram que a natureza, como diziam os antigos gregos, não distribui dons com justiça.

Quando uma criança compra a chuteira do Neymar, sonha em jogar como ele e isso vale para o corte de cabelo da atriz ou da marca de roupa que a modelo mostra no outdoor. Aristóteles e seus seguidores diziam que a vida só vale a pena ser vivida se buscarmos melhorar os dons que trouxemos ao nascer. Mesmo com dons menos favorecidos deveríamos melhorá-los o máximo possível. Fazer o que viemos fazer, daria sentido a nossa vida e tornaria o mundo melhor, afinal, seríamos felizes e realizados dentro do possível. Enquanto não descobrimos o nosso, vamos vivendo vocações dos mais afortunados, buscando sem perceber no que somos realmente bons.

Enquanto o cursor pisca na minha frente não sei sobre o que escrever. Fico pensando se o próprio Foucault, Saramago, Érico Veríssimo e outros como eles também travavam diante da folha em branco. Se uns ganham mais facilidades que outros, com os sonhos isso não acontece. Sonhamos sem parar sobre tudo e um mundo diferente, que nos faria felizes por ser de outro jeito, é o mais comum a todos. Mas, se tem gente feliz sendo o mundo como é, o problema talvez não seja o mundo, mas não se sentir parte dele, fazendo alguma diferença.

O mundo no qual crescemos nos diz o que devemos fazer para ajudar a funcionar pelo bem de todos e é aí que nos perdemos dos gregos, para quem é a vida de cada um que conta. Do jeito que é não tem muito a ver com o fato de gostarmos disso ou não. Precisamos fazer dinheiro para financiar sonhos alternativos que substituem a alegria verdadeira. Deve ser por isso que altos salários e fortunas não são garantia de alegria por uma realização.

Por outro lado, nem todo talento que a natureza deu exageradamente para alguém é uma garantia de felicidade, Van Gogh que o diga. Quantos talentos se perdem em situações de famílias desestruturadas, de falta de condições mínimas? Temos “Neymares” que ficarão a vida no anonimato, por terem que ajudar em casa ao invés de terem a oportunidade de melhorar seus dons. Jogadores de fim de semana, que viverão sua alegria sem reconhecimento ou remuneração. Tudo para ser famoso no bairro e contar os feitos no bar, aos domingos à tarde.

Sonhamos o passado para tentar reescrever nossa história, buscando entender erros de forma que nos inocente um pouco e imaginamos o futuro para poder esperar que tudo dê certo no final. Sonhos que só existem por estarmos um tanto desconfortáveis com a falta de sentido, diria o velho Aristóteles.

Talvez se insistisse com o futebol e o violão?

O mundo valoriza os esforçados, maneira de tentar compensar a falta de dons exuberantes e de não nos deixar perder a esperança. Cafu e Dunga ergueram copas do mundo, assim como Pelé, Zidane e Maradona. Quem sabe ser coadjuvante não consegue atenuar a incapacidade para o protagonismo? Lembro sempre disso quando vejo um coral, a soma torna todos melhores do que individualmente, roupas iguais para ser um só; o todo é maior que a soma das partes, e assim a força de vontade vence a matemática.

Agora percebo porque falo disso, era o que Foucault estava dizendo; somos aprisionados de certa forma nesse jeito de pensar. Ao comparar escolas com presídios ele não deixa dúvidas e escancara sua ideia de forma inquestionável.

 Já não sei se a vontade era escrever sobre isso ou se foi como ele escreveu que me fez lembrar a emoção que Pelé e João Bosco produziram; que havia encontrado o que a natureza esperava de mim.

Como o cursor ainda pisca na tela branca, o melhor é continuar procurando.

O último dia

“…e o indivíduo que se dedicou a vida inteira à Filosofia, terá de demostrar-se confiante na hora da morte, pela esperança de vir a participar, depois de morto, dos mais valiosos bens.”

“Embora os homens não o percebam, é possível que todos os que se dedicam verdadeiramente à Filosofia, a nada mais aspirem do que a morrer e estarem mortos. Sendo isso um fato, seria absurdo, não fazendo outra coisa o filósofo toda a vida, ao chegar esse momento, insurgir-se contra o que ele mesmo pedira com tal empenho e em pós do que sempre se afanara.”

        Platão – Fédon

“É incerto onde a morte nos espera, aguardemo-la em toda parte. Meditar previamente sobre a morte é meditar previamente sobre a liberdade. Quem aprendeu a morrer desaprendeu a se subjugar. Não há nenhum mal na vida para aquele que bem compreendeu que a privação da vida não é um mal. Saber morrer liberta-nos de toda sujeição e imposição.”

“Filosofar é aprender a morrer.”

       Montaigne

O julgamento de Sócrates

A execução de Sócrates

Fédon conta como foi o último dia de Sócrates, condenado à morte. Reunidos com seus amigos e seguidores, Sócrates reflete sobre a morte e a imortalidade da alma. Demostra estar tranquilo, horas antes de ter que ingerir a sicuta fatal. Diz que sua alma se libertará do corpo e poderá, livre dos desejos, da precariedade e transitoriedade física encontrar a “Verdade”, que só a alma pura pode reconhecer.

Fédon é um belíssimo texto e mesmo que você não concorde com as ideias metafísicas de Platão merece ser conhecido. É um dos grandes momentos da filosofia, delicioso de ser lido. Filosofia, infelizmente muitas vezes tratada com tanto esmero por alguns autores que torna os livros maçantes e de difícil entendimento. Escreve bem quem se faz entender facilmente e não há nada tão complexo que não possa ser escrito de forma simples. Por traz de uma tentativa de elitizar o pensamento e rebuscar o texto, está, muitas vezes, um mau escritor. Saber transmitir é uma arte diferente de saber pensar.

Em determinado momento, Sócrates diz que o filósofo e o religioso lidam diferentemente com o fenômeno da morte. O primeiro busca entende-la pela razão e o segundo com a explicação imposta pela fé que segue.

Quando buscamos entender a morte pela via da religião, é como se escolhêssemos (normalmente depois de adulto, já que a criança tem isso imposto) a “explicação” que melhor nos conforta, que traga alguma lógica e que, de preferência, a torne melhor do que a vida física. Quando nos cultos e eventos patrocinados pela religião nos reunimos com pessoas que adotaram essa explicação, isso traz conforto e a esperança de que, por tantos pensarem assim, essa é realmente a verdade. O problema é que, junto com a explicação sobre a morte vem toda uma metafísica sobre os mundos celestiais e o como devemos viver seguindo as normas estipuladas pelo deus a quem se presta culto. A não observância da conduta, levará o transgressor a momentos desagradáveis depois que abandonar a vida física. Dessa forma, essa morte com sentido e bela tem um preço: aceitar as regras. Quando as explicações sobre a vida aqui nesse mundo não dão muito certo, o buscador volta a prateleira do supermercado da fé atrás de um novo produto mais completo e que atenda a sua expectativa mais atual.

Além disso, tem um problema; a explicação sobre a morte é aceita por adequação ou atendimento de expectativa, estando, portanto, longe de passar pela reflexão. Fica assim, durante todo tempo a dúvida de se será realmente assim, como prometido. São vários elementos que fogem a razão que precisam ser aceitos como verdadeiros. A medida que a reflexão avança, o “pacote pronto” vai ficando cada vez mais inverossímil, e só pode encontrar abrigo no campo da metáfora, com muito boa vontade.

Também o pensador (filósofo) poderá criar seu enredo com final feliz ou não, como faz Platão e tantos outros. Tudo, por outro lado, será fruto da sua própria reflexão, o que o tornará o único crente da sua ideia. Ao compartilhá-la, buscará mostrar a outros sua lógica e, se novos adeptos surgirem, pode trazer a seu autor a ideia de que tenha encontrado a resposta a essa grande pergunta.

Já outros encontraram suas razões na via inversa da história com final feliz. Tudo simplesmente acaba, como diriam os estoicos e nossos átomos se dispersam no ar e o corpo apodrece em um renascimento mais provável no reino dos vegetais do que dos humanos.

Não sei se Sócrates conseguiu chegar com sua alma ao mundo suprassensível e encontrou a verdade; aquilo que é imutável e eterno, escondido de nós, aqui nesse mundo que vivemos pelas aparências que sempre estão em processo de mudança. Filósofos desde sempre procuraram essa força ou essência que dá origem a diversidade do mundo e aí, como não podemos comprovar (nunca saberemos), vale tudo!

Alguns, mais modernos, preferiram não perder tempo com isso e se dedicaram mais a vida real do que a do outro mundo. Esses, muito mais interessado na evolução aqui, preferem não ligar muito para outros mundos, já que eles são tão “outros” que é uma perda de tempo preocupar-se com eles, além da possibilidade que nunca pode ser descartada de que não exista mais nada do que imaginamos, justamente por estarmos imaginando.

Pode ser que o filosofar ensine a morrer por simplesmente chegar à conclusão que pensar na morte só serve para trazer alguma pressa, para essa vida aqui ser melhor do que é. Vai ter uma hora, se tudo der certo e a vida for longa por tê-la vivido bem e não mais poder fazê-lo pela deterioração, que a morte passa ser uma boa saída e vista com bons olhos como disse Simone de Beauvoir.

Para encerrar, tem uma pequena história, descrita por Sallie Nichols*:

“De uma feita, descontente como progredia seu trabalho na Terra, o Diabo reuniu seu conselho, pedindo voluntários para uma missão na terra e solicitando sugestões sobre o que se poderia dizer a humanidade que viesse a favorecer sua obra. Um espirito mau sugeriu que dissesse aos homens que Deus não existia. Outro sugeriu que se propalasse o boato que não havia alma. O diabo não gostou.

Finalmente, outro sugeriu que se dissesse aos homens: Não há pressa.

A esse a missão foi confiada.”

Pensar na morte, só mesmo se for para termos mais pressa de uma vida que valha a pena. Mais do que isso é procurar o que nunca será encontrado, desviando a atenção sobre o que realmente interessa e é real.

Pela razão e reflexão só poderemos três coisas: validar enredos já existentes, criar novos ou simplesmente deixar para lá por descobrir que o pensamento não abarca a sua própria não existência.

De um jeito ou de outro, o cansaço chegará e a morte também. Melhor descobrir o que virá vindo de uma boa vida; exatamente como quando nos deitamos para dormir depois de um ótimo dia…

______________________________________________________

Platão – Fédon – Coleção “Os Pensadores”

* Sallie Nichols – Jung e o Tarô – ed. Cultrix