Cursos e Workshops

Cursos e Workshops

Próximos Eventos

  • Não há eventos neste local
  • Nenhum Comentário

    1. Rosangela M. Baptista   •  

      Parabéns, Professor Eduardo.
      Compartilho de sua alegria e desejo muito sucesso!
      Rosangela

    2. Débora L. Vegini   •  

      Eduardo!
      Parabéns pelo novo site. Ficou show!

    3. Karina   •  

      Esta é uma das minhas palestras favoritas do Osho!

      O raciocínio dele é tão simples, tão claro. Ele apenas joga de volta para as pessoas o problema da interpretação literal das mitologias de criação (com ênfase aqui na judaica/cristã); interpretação essa que é não apenas promovida mas cegamente defendida pelas religiões. Como algo já criado, portanto pronto e acabado, pode evoluir? E no entanto a evolução é indiscutível, já está fartamente observada e documentada – ao contrário de “Deus”, que é uma ideia, uma crença variável, acidental: dependendo de onde a pessoa nasce, Deus é um tipo, defende uma religião, etc.

      Saramago, um pouco antes do lançamento de “Caim”, fez um dos comentários mais simples, porém brilhantes (a exemplo desse vídeo do Osho) sobre o problema da crença religiosa (se referindo principalmente ao papa) quando fala que o religioso acredita num “Deus que jamais viu, com o qual nunca sentou para tomar um café”. Sem querer, ele foi mais místico do que muitas pessoas religiosas acreditam ser!!!

      Ah, eu “se” empolguei Eduardo! rsrsrs
      Em resumo, esse tipo de “lógica ilógica” que tu mencionou é sempre a melhor, pois te coloca direto no “caminho do meio”…. :-)

    4. Nilsa   •  

      Eduardo !

      Parabéns, pelo novo formato do site. Atraente, dinâmico, criativo.
      Quem conhece seu trabalho,faz jus ao que tão bem nos deixou como legado, Madre Teresa de Calcutá.

      “Não devemos permitir que alguém saia de nossa presença, sem sentir-se melhor e mais feliz” .

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Nilsa, grato por suas palavras! É bom tê-la aqui, não deixe de concordar, discordar, se indignar, etc. Essa também é a finalidade desse espaço; provocar a discussão de pessoas interessadas no desenvolvimento da consciência. abração!

    5. Débora L. Vegini   •  

      Excelente artigo!
      Percebo em algumas situações que o “Ter” exerce um poder de influência muito grande sobre o “Ser” que acaba perdendo a essência. É tempo de refletirmos e voltarmos ao centro cada vez que percebemos esta influência, afinal nada possuímos e quando fazemos comparações entramos em uma esfera superficial.

    6. Marinei Garcia   •  

      Desejo que tais conceitos possam não apenas nos levar ao campo da reflexão, mas que possa haver ação, mudanças comportamentais. Lembrando que: “QUANDO EU MUDO TUDO MUDA AO MEU REDOR”.
      Parabéns pelo seu blog!

    7. GIL SALOMON   •  

      Grande Eduardo,
      que teu espaço ajude mais pessoas a descobrirem que a luz no fim do túnel está em nós mesmos… Há milênios já um grego disse: “conhece-te a ti mesmo”, depois veio um alemão dizendo: “torna-te quem tú és” e, agora, mais um alemão diz: “viva e sinta o poder do agora”…

    8. Rita Trevisan   •  

      O raciocínio de Osho é sempre muito interessante.
      Algumas religiões Cristãs dizem que Deus criou o mundo em 7 dias, o que na realidade é uma alegoria, assim como muitas outras que existem nas passagens bíblicas que o homem teima em tomar ao pé da letra. Deus continua criando tudo, continua sua criação.
      Para Deus a teoria da Existência ou inexistência Dele não importa, isso para ele é banal, assim como um pai não se importa com as teorias ingênuas de seu filho.
      Há tantas coisas que não vemos e nem por isso não existem, como o ar por exemplo, não conseguimos enxergá-lo mas sabemos da sua existência…
      Uma pergunta, será que os peixes não enxergam a água assim como nós não enxergamos o ar? Rsrs…
      Um abraço!!

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Verdade Rita! Para algumas tradições, a “realidade” só pode ser vista quando atingimos um elevado nível de consciência. Obrigado pelo comentário e pela visita!

    9. Andréa   •  

      Você tem faculdade de psicologia? O que é parapsicologia?

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Andréa,
        A paraspicologia é, na parte clínica, tratada como especialização em joinville. Mas temos a faculdade de parapsicologia (em curitiba) que estuda os fenômenos parapsicológicos. São duas vertentes. Enquanto clínica, usa métodos diferentes da psicologia, com enfoque em resultados mais rápidos.
        Obrigado pela sua visita e, enriqueça o blog com seus comentários!
        abraço

    10. Rubens Hochapfel   •  

      Eduardo,
      Lendo esta parte de Osho, depois do livro de Richard Dowson, não brilha uma luz, mas se apagam todas. Mergulhando na escuridão de meu ser alcancei as profundezas no pico de uma montanha submarina e lá vou continuar na cntemplação de um mundo que nunca vi. De vez em quando vou até a superfície buscar O2. Como é boa essa descoberta.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        É Rubens….é o preço da escolha consciente de “abrir os olhos”! Seu comentário é inspirador! Grato!

    11. tiago   •  

      acho que entendi a lição do bolo de chocolate e o de abacaxi .quanto mais buscar menos vai encontrar.
      “uma certa vez um jovem procurou um mestre de esgrima queria aprender a arte da espada então ele perguntou para o mestre:
      -mestre quanto tempo vou demorar para aprender a arte da espada.
      -10 anos .
      respondeu o mestre
      – mas mestre e se eu me dedicar 24 horas todos os dias quanto tempo eu vou demorar
      -bom se você se dedicar tanto ai vai demorar 30 anos .
      quanto mais você buscar uma coisa menos vai encontrar.”
      tenho que me preocupar em viver, experimentar em curtir cada momento estando presente o resto é consequência. a consciência vai ampliando no tempo certo.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Aprendemos errado e confundimos atitudes de querer algo com ansiedade e sua história mostra bem isso.
        grato pelo comentário!

    12. Nilsa   •  

      Depois de ver e rever o video de Osho , penso que ele coloca -nos para reflexão, Deus no contexto do Cristianismo e da Religião . Ai entramos no caminho das interpretações .
      Porem nos instiga a ter um “olhar”, não no que aprendemos, mas no que sentimos ; a não aceitar apenas o que nos foi imposto, mas buscarmos em nossa essência o “Deus” que habita em nós .

    13. Luciana Pinheiro   •  

      Boa tarde, prof. Eduardo!
      Inscrevi-me no seu curso de numerologia! Sábado 23 nos vemos lá no Instituto. Mas gostaria de confirmar horário de início e término, tanto para sábado como para domingo, pois observei acima, e também na página do Instituto, horários diferentes. Aguardo teu retorno. Abraço. Luciana

      • Carmen Rita Almeida   •  

        Oi Luciana,
        Eu também estou inscrita no curso do ProfºEduardo.
        Recebi um e-mail do Instituto, onde sou dicente, e informaram que as aulas são das 08h30min às 18h nos dois dias, com intervalo para almoço.
        Nos encontramos lá…rsrsrs
        Abraços

        • Luciana   •  

          Oi, Carmen.
          Só agora vi sua resposta. Obrigada! A aula tá muito massa, né? Continuo com o coração disparado desde a apresentação do meu mapa pelo Eduardo! =) Bjo e até amanhã.

    14. Luciana Pinheiro   •  

      Pertinente postagem, Eduardo! Deve ser por isso que os indígenas vivem sorrindo =)

      Sobre nós, ocidentais, que perdemos a comunhão com a natureza, cabe citar a parte de responsabilidade da Ciência nesse processo ao buscar incessantemente domesticar a natureza e separar-se dela.

      Agora corremos atrás dessa reintegração por meio da Educação Ambiental, da sensibilização… Há muito para pensar, muito para aprender.

      (Eduardo, faltou no teu blog aquele widget para compartilhar as postagens nas redes sociais. É super prático pra quem navega e dá visibilidade às boas ideias em outros sites, como Twitter, Facebook, Orkut… Abraço)

      • Luciana   •  

        Ops, agora notei que já existe widget para compartilhar. Meus olhos estão acostumados com os ícones =)

    15. Daniel Behnke   •  

      Oi Eduardo!

      Demorei para entrar no seu novo site, mas entrei, e é isso que importa, certo?!?!

      Gostei do formato, gosto de blog nesse formato pois fica dinâmico e fácil de ler.

      Estou postando muitas coisas sobre a melhora do mundo ou melhora dentro de nós em meu blog. Claro que nada no seu nível de conhecimento, nem na sua qualidade de escrita, mas somando esforços podemos mudar o mundo.

      Sempre que puder gostaria que vc também pudesse ler minhas crônicas, ultimamente tenho postado as que estou escrevendo em minha viagem, elas estão bem diferentes das minhas antigas.

      Um abraço e nos vemos em alguns dias!

      Daniel Behnke

      Ps.: Não dá para colocar o e-mail para receber as atualizações, dá um erro de página.

    16. Daniel Behnke   •  

      Muito bem colocado “preste muita atenção….”, pois ele fala tão devagar que tem que realmente prestar muita atenção para companhar.Rsrsrsrsrsrs.

      O que o Osho coloca como raciocínio talvez nem tenha nada de tão profundo (apesar de eu achar que tem), talvez ele simplesmente esteja fazendo uma sátira ao tipo de Deus de uma determinada religião. O que é muito cabível, uma vez que Deus nao criou religiões, quem criou-as fomos nós, e sem a autorização Dele, usamos seu nome em vão, tornando algo fácil de banalizar, como é feito por dezenas de religiões. Da mesma maneira que ele pode ter satirizado o Deus da religião católica nesse discurso, ele também pode facilmente satirizar de outras, pois as religiões quase sempre inventam coisas que Deus nunca fez ou nunca “disse”.

    17. Daniel Behnke   •  

      “Abrir os olhos” é difícil. Manter os olhos abertos, mais difícil ainda. Manter os olhos abertos, lendo, estudando e manter o foco é muito difícil. Tudo exige vontade vinda do fundo, abrir mão de muitas coisas, transformação em sua vida, e cada vez mais vontade de aprender, caso contrário tudo volta à escuridão, e a escuridão para quem aprendeu a abrir os olhos é um sofrimento causado pelo vilão da evolução: a ignorância.

    18. Débora L. Vegini   •  

      Muito bom este artigo!
      Após lê-lo já não sei se sou a mesma, ou melhor quem sou eu? A soma de minhas vivências, ou tudo o que vivi até hoje foram condicionamentos?
      E como buscadora … que bom que não sei quem sou, afinal se sei, não há mais evolução.
      Abraço,

    19. Mai   •  

      Muito boa a frase de início. As férias sempre me pareceram uma fuga para voltar com as baterias renovadas!

    20. Mai   •  

      Realmente mudar tudo que nos deixa infelizes é uma das coisas mais difíceis de se fazer. E se pararmos para analisar, com certeza todas as mudanças realizadas até hoje em nossas vidas de uma forma ou de outra foram positivas, o que já seria motivo suficiente para uma reviravolta. A rotina encomoda mas quando se tem que mexer com ela e encarar o risco de frente tudo fica mais complicado!

    21. Rubens Hochapfel   •  

      O que me marcou profundamente, foi o “ritual” no final da última aula de Autoconhecimento I. Foi-se queimando aos poucos e no final foi tudo para o fogo. Isso para mim foi a primeira semente no meu terreno morto como adubo. O medo antigo começa a se dissipar, sinto isso, e o novo vai para uma aventura de cada momento envolvido, é claro, com uma nuvem de insegurança e incerteza e isto se torna uma bisca por novas forças que vejo no combustível do seu blogue. Obrigado Eduardo.

    22. Rubens Hochapfel   •  

      Eu acho que a minha evolução pela escolha está se iniciando e preciso realmente de muita coragem para não esmorecer, pois agora sinto que que é tudo ou nada. O mais ou menos, ou meio termo é morte certa.

    23. Magda   •  

      Maravilhoso, pertinente e eficaz. Tudo sempre esteve no mesmo lugar o SER que fechou seus olhos, ouvidos e boca abandonando o espírito no exercício da busca. ACORDEM!!!

      Obrigada sempre Eduardo.

    24. Sandra Lima   •  

      Uma das leis imutáveis da natureza é a mudança……….mudamos a todo instante,mas não nos damos conta disto…..e quando resolvemos encarar estas mudanças , principalmente aquelas mais internas, aí fica difícil,mas não impossível;é apenas uma questão de mudar o foco e tomar uma atitude!(ou várias)

    25. Ana Maria   •  

      Oi, professor… adorei o artigo, deu para matar as saudades da tua aula. Mandei para todos da Mensal XV para refrescar a memória e para cutucar… isso só prova que realmente é muito difícil mudar!!! Abraços!

    26. Carmen Rita Almeida   •  

      Olá Prof. Eduardo,
      Depois da descoberta sinto-me obrigada a permanecer acordada.
      Admirável mundo novo.
      Abraço.

    27. Ann Duwe   •  

      Essa frase é boa pra refletirmos,sobre como nós mesmos,é que tornamos as coisas fáceis ou dificeis,só com nossos pensamentos…Que incrível !

    28. Andreza Cristina   •  

      Grande Mestre!!!
      Bom poder continuar tendo acesso as suas palavras.
      Ainda tenho o VEM POR AQUI na cabeceira.
      E muitos chamam a ir. A comparar.
      Principalmente nossa mente (nosso lixo mental),
      Mas temos que nos manter acordados.
      Um Grande Abraço

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Andreza,
        continue seguindo por onde te guiam os teus próprios passos…..
        bom tê-la por aqui!
        abração

    29. Rubens Hochapfel   •  

      Mudar é algo difícil, mas quando se consegue é a vitória de uma batalha. Neste momento queimamos a esperança e das cinzas nascerá um novo momento, uma nova vida, uma nova energia fortificada para novas batalhas. Sempre venceremos e isto é uma certeza.

    30. Kari Ane   •  

      Confesso que a cada nova leitura, seja aqui, seja em um dos livros indicados (curso), seja das apostilas, me convenço a cada dia que abriram-se as portas do repensar e não é permitido fechá-las, fechando faltará o ar e a morte será certa. Tantos conceitos que vão se desfazendo como nuvens, e espero sinceramente que as que ainda restam se desfaçam permitindo ver um novo céu e esse sim sem limites para sonhar. Obrigado….

    31. Tatiana Schafer   •  

      Olá Prof :Eduardo,

      Realmente o vídeo é muito interessante, pois acredito que Deus está em cada um de nos, e já que mundo existe somente no mundo espiritual e vibracional, vibramos através de nossos pensamentos e ações, construindo assim o nosso mundo material que primeiro existiu no mundo espiritual, pois tudo não passa de uma criação da nossa mente…As religiões existem para podar a população, disse Deus: “Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” quando resolvemos provar da árvore do conhecimento dai começou o mundo material, a cobiça, a vergonha, o medo, a escuridão etc…no mundo espiritual não existe nada disso, tudo é belo e imortal. resumindo, tudo é vibração e a verdade está em nossa mente, é nos que criamos os nossos Deuses…Desculpa pela viagem…Saudações

    32. Cintia Périco   •  

      Olá professor,
      Ainda estou anestesiada com tanta informação…foi sem dúvida um dos melhores cursos que já fiz. Não esqueça de colocar o endereço de Balneário, onde haverá a possibilidade de formar uma turma do curso de Radiestesia.
      Tenho muito interesse.
      Abraço

    33. Monica Sarah Salomon   •  

      Excelente artigo Eduardo!

      “Até onde conseguimos discernir, o único propósito da existência humana é acender uma luz na escuridão da mera existência.”
      Carl Gustav Jung

      Abraços

    34. Andréa   •  

      Oi Eduardo
      Para mim a mudança é difícil porque envolve questões muito profundas.Tem que ter maturidade, pois a mudança primeira é interna. Quando encontramos um clima de confiança e nos sentimos livres para ser quem somos, a mudança acontece…daí a importância da terapia. Abraço

    35. Andréa   •  

      Eu me emocionei com as palavras de Leonardo Boff. É o amor incondicional que transborda. Obrigada!

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        É verdade Andréa, quando todos estivermos saciados dos alimentos necessários tudo mudará. Só que transcendência não se compra.

    36. Karina   •  

      É Eduardo… é a ironia da livre expressão. Livre expressão de que, não é? Infelizmente nem todos possuem ideias genuinamente úteis, edificantes, que beneficiam ou colaboram com o bem-estar coletivo. Mas mesmos esses – aí a ironia – possuem os mesmos “direitos” de se expressarem, não importa o que seja. E é tão complicado falar desses direitos, porque ao proibí-los, por exemplo, estaríamos tornando a expressão algo controlado, portanto não livre. E ao querermos julgar o que deve ser expresso ou não, incorremos no relativismo: quem deve decidir o que é melhor; melhor para quem? Como você disse, alguns já defendem o ponto de vista do terrorismo fanático perpetrado por aquele cidadão; o que demonstra que ele infelizmente não é o único a nutrir esse tipo de ideal distorcido.

      Eu penso que boa parte do problema reside exatamente no que ensinamos às novas gerações como moral e ético. Para muita gente, a moralidade é algo que se pratica somente dentro da sua comunidade, do seu grupo. “Amo ao próximo desde que ele seja da minha congregação/raça/país/religião/partido”, sabe? Com o restante não há problema em não respeitar valores, ser antiético ou amoral. Isso acontece, ao meu ver, porque a moral é algo “dado”, “ensinado”. É um conceito pronto, que não precisa sequer condizer com a realidade ou que conduza a uma vida melhor. Não é uma percepção natural, não é algo que “floresceu” no íntimo da pessoa. Não diz respeito ao fruto de um amadurecimento, a uma consequência, um resultado de uma evolução consciente. Pra muita gente moral se localiza entre as pernas, na cor de pele, na conta bancária, na igreja que frequenta ou não. Aí quando alguém não “preenche os requisitos” dessa tal “moralidade”, as coisas ficam complicadas para essa pessoa. E os outros, que a tem como “amoral”, não sentem lá muita necessidade de respeitar ou tolerar as diferenças. Só que claro, a maioria não tem coragem (ou melhor: loucura fanática) de pegar um fuzil ou soltar uma bomba num prédio para provar suas ideologias…(sejamos gratos por isso…)

      Em resumo, penso que isso é um problema que reside antes de qualquer coisa no que entendemos por “Educação”. Costuma-se valorizar mais intelecto do que sensibilidade, mais a agressividade, competitividade do que a serenidade e cooperação. A maior preocupação é dinheiro e reputação, é poder e aparência. Os outros acabam sendo instrumentos, ou degraus, para se conquistar essas coisas. E a maioria das pessoas só vai achar isso ruim, quando for a vez delas de serem prejudicadas por esses “valores”. É lamentável, mas a grande preocupação da maioria são seus próprios direitos, não seus deveres e obrigações. O que esse terrorista fez, nada mais foi do que isso: observar somente seus próprios direitos, como o de livre expressão de sua loucura fanática; sem se preocupar com a obrigação de no mínimo tolerar os direitos dos outros – como o de continuarem vivendo em paz. Ahhhh…esse é o tipo de assunto que dá pano para a manga… :-)

      Vou parar antes que isso se torne um “evangelho”… rsrs

    37. Rubens Hochapfel   •  

      Transcender é realmente elevar o ser ao eu superior e sinto pelas palavras de Leonardo Boff um incentivo para lutar no dia a dia para fazer esta mudança acontecer. Me lembra da história da vaquinha de um certo professor (que não lembro agora) e que perguntava: “Já empurraram a vaquinha no abismo?”
      É muito bome sentir-se no caminho das pedras.

    38. Luciana Pinheiro   •  

      Pertinente Reflexão sobre Alteridade. E para provocar ainda mais, uma pergunta (minha síntese a partir do texto do Eduardo): por que será que nos preocupamos em tolerar estilos de vida quando na verdade deveríamos respeitar sincera e profundamente o direito do Outro?

    39. Magda   •  

      Maravilhoso, esclarecedor, eficaz e sem dúvidas nenhuma encontrei mais angstrons da Magda que estavam adormecidos.

      Abraço de 700 Angs

      Obrigada sempre!
      Magda.

    40. Carmen Rita Almeida   •  

      Msc, gratidão, o curso de numerologia foi maravilhoso.
      Abraços.

    41. Rubens Hochapfel   •  

      Muito bem, Eduardo. É esse fluir do relacionamento das pessoas com as outras, o convívio com o meio ambiente e o despego material que melhoram a vida de cada um e de todos que compartilham desta titude de mudança natural. Quantas preocupações seriam descartadas e quantas enfermidades evitadas. Somos então seres em continua evolução deixando um round de insegurança se tornar um bem estar e feicidade alcançada. Continuo no caminho das pedras e vejo cada vez mais, como isso é bom!

    42. Monica Sarah Salomon   •  

      “Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos – não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.” Paulo Coelho

    43. Rita Trevisan   •  

      Olá Eduardo!!
      Pois é, as vezes decidir é muito difícil…
      Muitas vezes tive dúvidas na minha vida, gosto as vezes de ouvir outras opiniões, mas jamais decido pela opinião alheia: ouço, pondero, analiso e decido por mim, o que é ou vai ser melhor para mim, será que o que tenho aprendido ou vivido está sendo ou será importante ou estou perdendo meu tempo e dinheiro…
      Mas depois de uma decisão tomada, normalmente não me arrependo, pois foi tomada por mim e jamais por imposição ou teorias de outras pessoas.
      Jamais me deixo levar por opiniões, conceitos e determinações nos quais não passam pelo crivo da minha razão, e no qual pra mim não terá finalidade que me transforme em algo ou alguém melhor.
      Acredito que muitos, quando ouve um comentário, acredita em tudo, só pelo fato de ter o respaldo de alguém que nos parece ser muito confiável, em nem sempre o é. Cada um tem sua visão, e as vezes a visão do outro nos é demasiadamente incoerente.
      Grande abraço!

    44. Rubens Hochapfel   •  

      Como sempre, tua exposição é coerente e nos leva ao interior do auto conhecimento. Foi um empurrão para mim que estou no barco para zarpar, mas nuvens lá adiante estão retardando minha partida. Agora já tenho uma outra idéia sobre as nuvens, pois só posso saber se são de tempestade quando for de frente com elas e daí ainda tenho como corrigir minha rota ou ulitilzar minhas habilidades de navegação para passar por elas. Além do mais tenho um bote de salva-vidas para uma eventualidade.
      Abraço!

    45. Kari Ane   •  

      Olá, o decidir não seria tão difícil se a nós fosse mostrado como fazê-lo. Desde muito cedo escutamos que “seja o que Deus quiser”, “a vida te mostrará” frases embaladas com versos do “deixa a via me levar”, “o que será…será”. No fim tem-se dificuldade em escolher até mesmo as roupas que usa, quem dirá quando se vê em frente a algo maior, o caminho a seguir. Como exemplo podemos utilizar jovens cursando uma faculdade e não sabem se fizeram a escolha certa, resultando em profissionais fracos e deprimidos. Muitos estão apenas realizando os sonhos de outrem. Sejamos mais sinceros e vamos viver com o que nos tráz a paz para um caminhar mais tranquilo.
      Gratidão….

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Muito bom os comentários de todos!! Essas reflexões é que justificam a existência do blog. Valeu!!!

    46. Luciana Rubini Tambosi   •  

      Obrigada, Eduardo! Esse texto remete, efetivamente, a uma profunda reflexão. O fato é que, quando conseguimos entender um pouco melhor sobre nós mesmos, nossa visão fica mais clara e, consequentemente, algumas decisões são tomadas mais naturalmente, por assim dizer. Ou seja, antes de de querer escolher o “caminho”, é necessário conhecer melhor a nós mesmos. Talvez deva ser esse o primeiro passo, pois antes de partir, precisamos saber para onde queremos ir, ainda que o resultado da escolha não seja possível prematuramente conhecer.

    47. Luciana Rubini Tambosi   •  

      Instigante…. sobre esse deus personificado que nós é praticamente imposto pelas religiões, fica a questão: deus nos criou ou nós criamos deus?

    48. Cristiane Weber   •  

      Como você mesmo disse, Eduardo: nunca teremos certeza. Como saber o que há ao final da trilha, se não a percorrermos? Ainda assim, como estar certos de encontrarmos lá o que verdadeiramente esperamos encontrar, se até mesmo durante a caminhada nossas prórpias expectativas mudam? E, mesmo que alguém descrevesse o caminho e a chegada, o faria atribuindo valores individuais e subjetivos, que poderiam ou não ter importância para cada um de nós…
      Bom mesmo é saber que podemos escolher o caminho, tanto quanto decidir deixar de percorrê-lo… sua mensagem me faz pensar que não há mesmo como fugir da responsabilidade de nossas escolhas… e isto também é felicidade!
      Muito obrigada pelos excelentes textos, e por nos estimular constantemente a nos auto-conhecermos!
      Um abraço do tamanho do Rio Grande!

    49. Marcelo   •  

      Ora, como planejado pelos iniciados ocultistas,
      as interpretações de D-us estão equivocadas !.
      Estudem o ocultismo desde sua base, dos primórdios da humanidade e suas influências com as religiões (os senhores do mundo não possuem religião ) e saberão o que estou tentando expor o que é proibido aos profanos.
      Shalom aleikhem !.

    50. Rita Trevisan   •  

      Olá Eduardo, vendo seu post, lembrei-me de uma velha historinha que muito já circulou por aí, e aproveito para repassá-la aqui.
      Um abraço.

      Direita ou esquerda?
      Uma universitária cursava o sexto semestre da Faculdade.

      Como é comum no meio universitário, pensava que era de esquerda e estava a favor da distribuição da riqueza.

      Tinha vergonha do fato de seu pai ser de direita e, portanto, contrário aos programas e projetos socialistas que previam dar benefícios aos que não mereciam e impostos mais altos aos que tinham mais dinheiro.

      A maioria dos seus professores tinha afirmado que a filosofia de seu pai era equivocada.
      Por tudo isso, um dia, decidiu enfrentar o pai.

      Falou com ele sobre o materialismo histórico e a dialética de Marx, procurando mostrar-lhe que estava errado ao defender um sistema tão injusto como o da direita.

      No meio da conversa o pai perguntou:
      – Como vão as aulas?

      – Vão bem, respondeu ela. A média das minhas notas é 9, mas me dá muito trabalho consegui-las. Não tenho vida social, durmo pouco, mas vou em frente.

      O pai prosseguiu:

      – E a tua amiga Sônia, como vai?
      Ela respondeu com muita segurança:
      – Muito mal. A sua média é 3, principalmente, porque passa os dias em shoppings e em festas. Pouco estuda e algumas vezes nem sequer vai às aulas. Com certeza, repetirá o semestre.

      O pai, olhando nos olhos da filha, aconselhou:

      – Que tal se você sugerisse aos professores ou ao coordenador do curso para que sejam transferidos 3 pontos das suas notas para as da Sônia. Com isso, vocês duas teriam a mesma média. Não seria um bom resultado para você, mas convenhamos, seria uma boa e democrática distribuição de notas para permitir a futura aprovação de vocês duas.

      Ela indignada retrucou:
      – Por quê?! Eu estudei muito para conseguir as notas que tive, enquanto a Sônia buscava o lado fácil da vida. Não acho justo que todo o trabalho que tive seja, simplesmente, dado a outra pessoa.
      Seu pai, então, a abraçou carinhosamente, dizendo:
      – Bem-vinda à Direita!

    51. Nilsa   •  

      A meu ver, os governantes e os que detêm o poder, em sua maioria querem o povo inculto, fácil de ser manipulado.
      Se a ética e o respeito aos povos; se a divisão das riquezas estivessem em equilibrio, certamente viveríamos com mais Igualdade e Liberdade . Ainda caminhamos a passos lentos, mas acredito que é possivel mudar, que podemos com pequenas atitudes, com respeito e com dignidade fazer a diferença .

    52. Nilsa   •  

      O video :
      O SAL da TERRA .

      Magnífico, é um deleite !

      Obrigada por compartilhar…

    53. Daniela   •  

      Talvez a dificuldade em decidir, esta nas renuncias que por vezes tais decisões acarretam … Pois acredito, que a cada decisão tb há uma renuncia … Pode q este “temor” da renuncia esteja em abandonar o que já não é mais “meu”… Talvez, até mesmo o “eu” que já nem mais existe dentro de mim… Texto perfeito para tais reflexões !

    54. luiz   •  

      gostaria de saber ,se tem como voce dar uma dicas de como desenvolver a telecinese?por favor estou precisando muito,e moro longe.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Luiz,
        o mais rápido é estudar a estrutura do fenômeno (como funciona) e trabalhar, como um exercício. Lembrando que a paranormalidade se caracteriza pela sua imprevisibilidade, ou seja, você estará desenvolvendo uma faculdade para qual não se sabe se vc tem aptidão natural. Portanto, tenha paciência!

    55. Fatima   •  

      Querido amigo,

      como diz nosso mestre Crema:

      “…. a fraternidade foi esquecida”

      Um abraço

    56. luiz   •  

      os mitos de que o cobre ajuda a desenvolver as abilidades psyckas é verdadeiro ou naum passa de um mito?

    57. luiz   •  

      Ja ouvi falar sobre ,em cara que era vidente,e todos os dias ele passava horas olhando para o cobre submerso a água,após isso fizeram varios estudos reacionados ao cobre,nesses estudos diziam que o cobre tem a capacidade de absorver anergias negativas durante a realização do uma atividade psica facilitando a execução.
      DEvo acreditar nisso?OBS:meu nome é luiz ,tenho 15 anos.tento desenvolver a telecinese,porem acho que meu forte é telepath.obrigado pelo tempo.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Luiz, cada pessoa pode ativar sua paranormalidade de alguma forma. Uns podem ativa-la pelo cobre imerso, outros com pêndulos, cartas etc…O cobre realmente te sido usado para alguns fins desse tipo, mas imagino que nao esteja ligado a essa percepção extra sensorial.
        Um abraco!

    58. eric   •  

      Desenvolvi telepatia ,mas naum sei controlar,geralmente ela ocorre aleatoriamente,gostaria saber como controla ela
      Obs:conheço luiz,trabalhamos juntos,tambem tenho 15 anos.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Eric, conforme expliquei a seu amigo a telepatia, como todo fenômeno paranormal não pode ser controlado, a princípio. Sua natureza é aleatória. Porém, como para o ser humano não existe impossibilidade, estudar profundamente o fenômeno e muita prática pode ajudar a dar algum controle.

    59. Elizete   •  

      Boa Noite Prof.!
      Como sempre vc traz assuntos bem certeiros e questionáveis, prof. quero dizer que gosto muito dos seus artigos, assim como suas aulas é um espetáculo. Continuem sendo sempre esse professor que nos enche de questionamentos e desperta em cada um o seu verdadeiro quem sou, quem quero ser! Obrigada!

    60. sandra lima   •  

      Sofrer é uma escolha sim….aliás,como tudo na vida…..e estamos aqui para sermos felizes…..pena que muitos não conseguem ou não querem enxergar isto e insistem em sofrer….precisam sofrer…..quanta perda de tempo!

    61. Monica Sarah Salomon   •  

      Não existe felicidade, ninguém é feliz o tempo todo, mas sim, temos momentos marcantes, agradáveis, por isso temos que vigiar nossos pensamentos o tempo todo, e sempre fazer o possível para pensar positivo, e fazer cada dia melhor que o outro, pois tudo passa…

    62. Débora L. Vegini   •  

      Excelente artigo!
      Grata por compartilhar.

      Abraço,
      Débora.

    63. Ana   •  

      Muito bom o vídeo e o texto, Eduardo!
      Uma bela dica para começar a semana vendo a vida por um ângulo “meio fora do normal” (e muito mais interessante!).

      E parabéns pelos seus textos! Tenho acompanhado todos.

      Abraço!

    64. Rita Trevisan   •  

      Nei Matogrosso e seu deleite musical…muito bom.

    65. Nilsa   •  

      Os conceitos que a Sociedade avalia como Normal, são Normais? O que é realmente ser ” Normal “; difícil definir.
      Pequenas “Loucuras”, muitas vezes nos fazem um bem enorme.
      Ser “Louco” ou ser “Diferente” em algumas ações, hoje, tenho a respeito outra visão. Felizmente ” muitos ” tem contribuído para que esta definição aos poucos seja vista e aceita de outra forma.

      Grata pela sua contribuição.

    66. Monica Sarah Salomon   •  

      “De psicólogo e louco todo mundo tem um pouco” 😛

    67. Nilsa   •  

      Você prepara e escolhe tão cuidadosamente tudo que tem postado, que é sempre um aprendizado; os Videos maravilhosos.
      Quando li : A Primavera e o Princípio Feminino, acompanhada do Video que ilustra , a Vida, Mãe Terra, o Feminino ; fiquei pensando em quantas pessoas (muitos homens), deveriam estar lendo , aprendendo e mudando “conceitos”, que ainda fazem parte da cultura Masculina em relação à Mulher.
      Lembrei também do video que voce postou : O sal da Terra – Beto Guedes; fascinante, e busquei por outros videos dele. “Sol de Primavera” do mesmo, também é tudo………….

    68. Cristiane   •  

      Fantástico, somos vários ao longo da nossa existência, melhor ainda e mais interessante quando temos consciência disso!!!chega a ser engraçado…

    69. Karina   •  

      Já cansei de ouvir pessoas dizendo que “não acreditam” nessa ideia de que “são muitos em um só corpo”! O fato de normalmente termos memória dos outros eus, de independente de qual “eu” estiver no “comando” nós atendermos pelo mesmo nome, realmente dá uma ilusão muito forte de unidade, de identidade única.

      Para quem tem dúvidas com relação a existência de sua própria “legião interior” de eus, basta observar as pessoas depois que bebem um pouquinho mais do que deviam… rsrs…

      É interessantíssimo observar o comportamento (não só dos outros, mas de si mesmo) em festas. As pessoas ficam completamente mudadas. Se você conhece alguém pela primeira vez numa festa e a vê depois num momento do dia-a-dia, é notável (e às vezes absurda) a diferença de personalidade. Tanto que dizem que “quando o álcool entra, a verdade sai”! O mais interessante que muitas vezes, apesar do álcool realmente colaborar para que outros eus “tomem conta daquele mesmo corpo”, nem sempre a pessoa bebeu tanto assim (muitas vezes ainda nem chega a beber) para apresentar um determinado comportamento “exótico” (pelo menos comparado ao de outras situações). Nessas horas observamos que não são apenas vários eus numa só pessoa, mas eus inclusive contraditórios entre si…e que não veem a hora de terem seu momento ao sol. O que é mais divertido ainda de se observar!!! É o caso, por exemplo, daquele cara (ou mulher) super tímido, que bebe um pouco e de repente está dominando a festa: é o que fala mais alto, sobe em cima da mesa, faz strip tease…rsrs Quem é aquela pessoa afinal??? O álcool só pode trazer à tona algo que já está dentro do indivíduo…

      Enfim… As pessoas revelam outras facetas de si mesmas em ambientes diferentes. Também penso que estar alerta para essas personagens que competem por atenção e que tomam o controle em determinados momentos, é realmente um dos passos mais elementares para a compreensão de si mesmo e por tabela, de uma mudança pessoal genuína…

    70. Rubens Hochapfel   •  

      Muito interessante o assunto. Os muitos em um só. Lembro até do linguajar matuto: “Nóis vai…” É realmente curioso e surpreendente quando se observa e anota comportamentos e trejeitos que utilizamos quando estamos com alguém… ou nos vestimos…
      Podemos escrever um diário para cada um de nós.
      Uma abordagem e tanto, Eduardo!

    71. Andréa   •  

      Este livro “A fórmula da felicidade” é excelente!
      Aproveito para agradecer os artigos que muito me ajudam!

    72. Sandra Lima   •  

      Infelizmente ocorreu uma banalização da depressão, digamos assim;os próprios profissionais da saúde confundem tristeza, luto e depressão,e tratam todos da mesma forma, prescrevendo um anti-depressivo e/ou ansiolítico, na maioria das vezes, desnecessário…….e não indicando uma psicoterapia, tão importante…..

    73. Rubens Hochapfel   •  

      Concordo, a depressão não se cura com antide pressivos somente, aliás os anti depressivos são importantes, mas cada caso deve ser estudado para que tenha cuidados terapêuticos. Em casos mais graves realmente o psiquiatra deve entrar em cena para receitar o remédio na quantidade certa e acho que quando o paciente estabilizar, então entra o terapêuta para auxiliar o consulente a encontrar seu caminho para uma vida normal.

    74. Neusa seiffert   •  

      Muito bom !!!!
      estou procurando esquecer o que me rodeia,e mergulhando nesta Paz.
      que não tem dinheiro no mundo que valha mais.
      Devagarzinho chego lá, estou no caminho do autoconhecimento.
      Obrigada

    75. Fatima   •  

      Amei seu artigo. To buscando essa prática: lutar com o grande inimigo.
      Eduardo, to pensando em agendar curso d numerologia, com voce claro, aqui em Itapema para janeiro ou fevereiro. Me dê mais informações tipo: local necessário, número mínimo de alunos, etc.
      Um abraço e que sua semana seja leve.

    76. marcia   •  

      oi, tenho uma amiga que fez tratamento e se sente muito melhor hj em dia…. eu tenho muito problema com depressão…fiz duas vezes tratamento com remedios…mas não tem jeito…me sindo aguniada, parece que nada me faz bem, tenho vontade de dormir o dia inteiro, tenho que me esforçar o tempo inteiro em controlar meu humor, adoraria saber como funciona o seu trabalho e se acha pelo que falei que adianta…..um abraço….

    77. monique   •  

      Como Lao Tse disse “Nada mais mole, mais flexível no mundo que a água. Nada mais poderoso para dobrar até o forte e o rigido: invencível, porque a tudo adaptável. Assim também todo mundo sabe que o fraco vence o forte, o mole vence vence o duro, mas ninguém agem de acordo com isso.”
      E realmente temos problemas em ser flexivel prefirimos se matar de tanto lutar, mais a pior batalha é a que travamos conosco mesmo “somos nosso pior inimigo” mais há esperança.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Verdade Monique, o flexível te a ver com a vida e a rigidez com a morte…Grato pelo comentário!

    78. Flaviane Stanchak   •  

      Boa Tarde.
      Tive como indicação este site… e achei bem interessante.. sem contar esses workshops… sao assuntos que sempre me interessei… e quando será realizado este de numerologia? Pode por gentileza me passar o cronograma com os dias…horarios… e valores, forma de pagamento??

      Aguardo…

      MUito Obrigado.

    79. Léia   •  

      Bom dia,

      Muito interessante….Parece que tudo na verdade é uma questão de consciência, de estarmos conscientes dos mecanismos que nos influenciam. Talvez fosse interessante pensarmos uma maneira de atingirmos as “massas” através de um nível de consciência alcançado com nossos esforços. Se assim fosse estaríamos influenciando a sociedade que por consequência influenciaria o indivíduo e teríamos mais pessoas conscientes de sua real situação e o que devem fazer para continuar evoluindo. Penso que uma das maneiras seria através de nossos pensamentos…
      Blogs como o seu divulgando essas idéias também são grande influência para a sociedade. Fico feliz em partilhar essas idéias contigo e com várias outras pessoas…

      Parabéns e um grande abraço,

      Léia.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Léia, seu comentário vem a acrescentar muito! É verdade que necessitamos de uma nova consciência, mas sempre vem a dúvida: ela não é procurada por não sabermos da existência ou da possibilidade, ou porque temos um apego ao que somos e temos hoje que essa mudança poderá fazer-nos “perder” essas relações, pessoas, etc.?

    80. tiago   •  

      penso que como o galo devemos nos tornar tão fortes que nada que acontece fora do nosso interior possa nos abalar pelo contrario que nossa paz seja imensamente poderosa aponto de nós contagiar as pessoas que nos cercam mesmos quando essas se encontram bravas, desanimadas ou depressivas. Mas vejo que mesmo as pessoas que buscam tais habilidades são muito pouco comprometidas com suas ações pagam por cursos caros para autoconhecimento e parecem não absorver quase nada se valem de cursos para tentar validar suas crenças e seus hábitos antigos .A busca pelo controle de suas emoções e a ausência do ego é uma busca muito difícil nunca ouvi ninguém nenhum mestre dizer que é fácil. mais ao menos temos que tentar, se comprometer com as coisas mais simples. Mais o que eu vejo é pessoas ficarem horas escutando palestras, cursos e na primeira fechada no transito se irritam, se reúnem com seus parentes e já começam a falar mau de alguém que não esta presente, passa pro outro lado da rua pra não passar do lado de um mendigo pedindo dinheiro. Sei que é difícil ir contra nossas crenças, nosso lado animal se fosse fácil não seria associado com demônios se ganhar nas pequenas coisas vai liberando essa força que é auto domínio. Sejamos todos guerreiros matando os demônios dentro de nós encarando cada contratempo não como obstáculos mais sim como professores cada vez que alguém te irritar não combata a pessoa mais sim o sentimento de raiva. sejamos guerreiros na essência com o verdadeiro sentido da palavra como os antigos samurais usavam “bujutsu”que é
      o guerreiro é aquele que pratica a arte de parar a guerra .

    81. tiago   •  

      acredito que cada pessoa tem seu tempo de evolução que isso é natural não tendo como influenciar grandes massas até porque cada pessoa é um ser único vários mestres tentarão e hoje temos um monte de religiões deturbando a realidade .se conseguirmos transcender nossa própria consciência naturalmente as pessoas ao nosso redor também iram evoluir de uma certa forma. assim no decorrer do “tempo” todos entraremos em contato com nossa essência nosso “EU”.

    82. Léia   •  

      Não tenho certeza de que me fiz entender. Minha intenção era ressaltar a importância do poder do pensamento e a influência que alguém que alcançou um estado de consciência pode exercer sobre os outros. Acredito verdadeiramente que é possível influenciarmos tanto as pessoas à nossa volta como o Universo inteiro, Ghandi Disse: “O amor de um únco ser, neutraliza o ódio de milhões”, se é assim com o amor, também pode ser com a consciência. Não quero dizer que podemos manipular as pessoas, mas que se pudermos ajudá-las a se despertarem as mudanças acontecerão para todos nós. Sei que cada um tem seu tempo e que talvez algumas pessoas ainda não querem despertar devido aos apegos, mas isso não me impede de ajudá-las através dos meus pensamentos. Porque acredito que o que todos querem no final é encontrar uma razão para sua existência ainda que estejam buscando em coisas desse mundo. Na verdade se juntarmos nossas idéias, todas possuem algo em comum e agradeço por poder compartilhar isso com vocês através desse blog, que como disse anteriormente é uma influência muito positiva na vida das pessoas.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Léia, seu pensamento ficou claro, como sempre! E isso é bom porque abriu uma ótima troca de idéias sobre o tema: devemos ou não irmos além de nós? Não imaginei que esse assunto ia dar tantos bons frutos! Escrevi uma 2a parte que será publicada no domingo. Quando as pessoas trocam idéias, conceitos e se posicionam, esse blog cumpre sua função. Muita paz!!!

    83. Henry   •  

      Olá a todos…
      Gosto muito de sempre “dar uma olhada” nas discussões deste blog, que realmente é muito bom, pra poder me manter atualizado!
      Digo isso porque é muito bom pensarmos e criticarmos nossa vida, num todo, pois senão, é muito fácil vivermos na Normose do mundo.

      Gostaria apenas de dizer que, na minha opinião, as forças do amor e do exemplo são os melhores “motores” para as pessoas “mudarem”… Mas, pelo que já vi até hoje, o livre arbítrio de cada um é mais forte que qualquer pensamento, intenção, ou oração externos à pessoa, e se ela não desejar realmente “mudar”, ela não irá mudar… pelo menos profundamente!

      Para matemáticos e engenheiros, é uma simples questão de vetores! Digamos que as “vontades” são representadas por vetores…
      Se os vetores se coincidirem numa mesma direção, ótimo! A resultante será a soma! Mas, se os vetores forem para direções diferentes, ou seja, vontades diferentes, a resultante será menor que os vetores originais e para uma direção indesejada!

      Concordo com a afirmação: “Ninguém evolui por ninguém e ninguém evolui sozinho!”
      Penso que o “querer” é muito importante! E, como disse um mestre, “não basta querer, tem que querer muito e tem que querer sempre!”, pois como eu escrevi acima, se “relaxar nessa convicção”, é muito fácil para qualquer um voltar para Normose!

      Bem, espero ter contribuído para a tarefa de se fazer pensar individualmente para um aumento de consciência!
      No mais, gostaria de propor os filmes “SAMSARA” e “PRIMAVERA, VERÃO, OUTONO, INVERNO e PRIMAVERA OUTRA VEZ”!
      Abraços

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Henry, ótimo vê-lo por aqui!! Essa questão é mesmo polêmica. Já sabemos que um grupo de pessoas pode influenciar muitas outras com seus pensamentos. Mas ai entra essa questão que você coloca do livre arbítrio. É claro que é lícito emitirmos bons pensamentos (energias) com a intenção das pessoas diminuírem seus níveis de violência, conflito, etc. Eticamente cabe a pergunta: não estaríamos nesse caso interferindo no livre arbítrio delas? Existem bons argumentos para as duas respostas possíveis a essa pergunta. Por isso é muito bom quando expressamos nossa opinião, e trocamos essas maneiras de “ver”. Podemos mudar de idéia ou ficarmos com a nossa opinião, mas de qualquer forma sempre de um jeito “novo”pela revisão que fizemos pelo contraditório.

    84. Henry   •  

      Olá pessoal…
      Este é um assunto bem interessante, principalmente se pensarmos na educação das próximas gerações…

      Lendo o texto e os comentários acima, lembrei-me de um trecho de um livro de Augusto Cury que ele diz que estava escrevendo no Canadá e relatava que esta sociedade era realmente uma das mais preparadas (educadas) do mundo para vencer! Ele disse, como no texto acima, que eles, os canadenses (e os americanos, e… povos estritamente capitalistas e materialistas) passavam suas vidas se preparando, fazendo tudo para estarem sempre preparados para vencer, e que isso era notável!
      Faziam isso, porque tinham que manter a imagem do “sucesso” para o mundo!

      O problema que Cury relatava era que eles apenas aprendiam a “vencer”, mas não aprendiam a “perder”!
      E relatava que este era o maior problema desta sociedade… nenhuma inteligência!
      Veja os “constantes” casos de alunos que saíam atirando e se matando nas escolas! Será que eram “perdedores”?

      “Forte” é aquele que não precisa brigar e vencer… Lembra do galo da estória acima?
      Lembrei-me que o maior “insulto” a este povo, é chamá-lo de LOOSER… (isso é pior que xingar a mãe deles!)

      Lembro-me da “morte”!
      Ela acontecerá para todos, não é?
      Por que, então, não se viver de forma mais completa ao invés de se tentar “retardar” o inevitável? Veja a quantidade das atuais operações plásticas! Apenas externas…

      “Perder” também é inevitável!
      O importante é tirar proveito da “perda”! Aprender!
      Tomar as “rédeas” da vida e decidir “da próxima vez, tomarei o caminho da esquerda!” – Lembro-me de uma passagem do Bhagavad Gita!

      Ou seja, somos “domesticados” para não “sentir” (homem não chora!, engenheiro não “acha”!,…), pois “se expressar não dá dinheiro e não traz sucesso (suce$$o)”! Artista? Que isso?

      E visando o suce$$o, os pais ditam: Meu filho, você será o melhor médico do hospital!
      Mal sabem (conhecem) que o filho não suporta ver sangue!…
      Se o filho, por exemplo, for primogênito, que faz de tudo para atender aos pais (ou o que ele entende que seja obter seu amor!), fará medicina e será mais um médico frustrado!

      Será um “quadradinho” se moldando, se machucando e se transformando para caber num modelo “redondinho” idealizado pelos “domesticados”!

      Bem, penso que este é um assunto bastante atual e tem raízes bastante profundas, principalmente, por que não se aprende a lidar com os próprios demônios… e se prefere “cobri-los com um tapete” e “tocar a vida” para que eles desapareçam!…

      … Espero que tenha feito você refletir…

    85. Gilseia   •  

      Olá! Adorei o texto e a forma como o tema foi tratado. Tenho muito interesse em expandir meu conhecimento sobre Religiões. Obrigada e aguardo mais informações.

    86. Cristiane Weber   •  

      Oi Prof. Eduardo! Achei o texto excelente e, obviamente, de grande relevância, tendo em vista a justificativa da relação direta entre religião, autoconhecimento e relacionamento interpessoal. Sou do grupo que acredita na teoria da evolução, especialmente com relação às escolhas (com a óbvia consciência de que a verdade é relativa!). Por favor, não demore a continuar: é um assunto que conscientemente ou não, reflete na vida de todos!
      Um grande abraço!

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Cristiane, grato pelas palavras!! Vamos, aos poucos, abordando outros assuntos relacionados ao estudo das Religiões. A finalidade é essa mesmo que vc descreveu. Um abraço!

    87. fernando   •  

      Parabéns pelo texto !
      bonito, sereno e verdadeiro.

      fernando

    88. maria de fatima g monteiro   •  

      moro no erxterior sera que nao posso fazer esse curso via online.? Sou grata pelo seu tempo. Maria de Fatima G Monteiro

    89. Rubens Hochapfel   •  

      Eduardo, sua colocação na questão da religião é uma verdade que todos podem compreender, mas que por receio de perda do que foi aprendido no passado, muitos não querem arriscar uma mudança, pois sentem andar sobre ovos que não podem ser quebrados. Você foi muito feliz na abertura da liberdade de escolha com coragem de mudança para viver o momento, o céu aqui ou o inferno aqui e quando essa ficha cai, a ligação com o todo é completada.
      Parabens!

    90. Bruno   •  

      Oi Eduardo.
      Gostei muito do blog!
      Parabéns!!!

    91. Daniela   •  

      Gostei muito do texto, e …. libertar-se de si mesmo é o passo decisivo para a mudança interior … somos dotados de “super poderes” dos quais nos ajudam ou nos prejudicam… Penso que discernimento e sutileza nos ajudam muito nesta “caminhada”do conhecer-se… Nossa alma conhece o verdadeiro sentido do viver… mas relutamos, questionamos o tempo todo e não nos entregamos ao belo que já é nosso, não confiamos e aí o conflito esta armado!

    92. Rubens Hochapfel   •  

      Como sempre o Eduardo consegue mostrar a realidade do que somos, enquanto procuramos inimigos em toda a parte e ignoramos a nós mesmos grandes malfeitores e ainda por cima influeciados e controlados por mortos. Não me lembro quem falou certa vez: “eu sou tudo aquilo que não posso mudar em mim”, talvez o Eduardo lembre. Então vamos à procura do malvado e da maladeza que cometeu e continua cometendo e guardando na sua caixinha secreta. Nós vamos achá-lo e então que me cuide!!!

    93. Silvia Ornelia   •  

      Parabens,Eduardo,mais uma vez você nos dá um belo exemplo da realidade que vivemos.E realmente,tenho a convicção de que queremos mudar,mas não queremos nos indispor com as pessoas que nos são queridas,assim continuamos a nos ferir ou nos acomodamos dizendo” deixa pra lá,é assim mesmo”.O pior é que nos acostumamos com esta letargia e acreditamos que estamos sendo bonzinhos para nós mesmos e para os outros.O minimo que acontece é empatarmos as nossas vidas,por termos medo de mudar,medo de perder,medo de perder a falsa segurança.
      O texo nos faz refletir e isso por si só já é um avanço para mim.

    94. Leila Souza   •  

      Um tanto nietzschiano esse artigo, não é a toa que ele morreu de sífilis.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Leila, não tinha pensado nisso sob o aspecto “nietzschiano”..rsrsr Na verdade ele sempre defendeu a existência de um “super homem” consciente de si e de suas possibilidades… Em sua biografia, constam duas coisas: a primeira é de que ele teve um único amor em sua vida não correspondido (essa história é bem romanceada no livro “Quando Nietzsche chorou”), o que é muito monogâmico, já nunca mais se relacionando novamente. A segunda é que nunca foi comprovado que tenha morrido realmente de sífilis, as mais recentes informações sobre isso demonstram um tumor cerebral responsável por suas intermináveis dores de cabeça. A intenção do texto não é dizer o que é certo ou errado, já que não tenho a função de fazer julgamentos, mas pensarmos sobre isso. Toda a escolha é correta quando consciente. Um abraço e muito obrigado por deixar seu comentário!

    95. Daniela   •  

      Eu concordo qndo vc diz que “vivemos em uma cultura patriarcal e, portanto, foram os homens que fizeram as leis e escreveram até mesmo os livros sagrados de todas as religiões…” Inclusive, claro, este texto …
      A natureza humana tem com certeza muitas características explicáveis ou descritas pelos estudiosos e filósofos, incluindo formas de agir e pensar, então colocarei meu breve pensar e agir sobre o assunto.
      Faço parte do “pqueno”grupo de mulheres “reprimidas” da qual citas no texto, sim, são meus programas, minha educação que por vezes decidem minhas vontades e desejos, mas sempre é uma ESCOLHA e digo que não é DIFÍCIL de forma alguma ser monogâmica e muito pelo contrario nenhum sofrimento (digo de minha parte)há nesta forma e opção de viver… E digo ainda que é muito POSSIVEL.
      Como sou ser humano, penso que o lado a”bicho”tb abita em mim e facilmente o domino, pois o viver vai muito além da paixão sexual. Entendo o seu texto, mas não tenho uma estrutura emocional matura para tratar a poligamia como algo “natural”…
      Somos seres conscientes, livres para fazer escolhas e responsáveis por nossos atos.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Daniela, todos nós fomos educados para viver de forma tradicional (monogâmica) porque,conforme coloquei no texto, traz inúmeras vantagens, laços afetivos importantíssimos como a família e outros que não repetirei aqui. Apenas andei me questionando o porque que depois que a sociedade parou de punir as pessoas que se separavam, o número de divórcios batem recordes ano após ano. A questão de nossa “natureza” é apenas um dentre tantos aspectos. Quando sabemos mais sobre nós fica muito mais fácil manter minhas escolhas conscientes, já que essa palavra significa que sei dos fatores que envolvem as decisões. Grato pelo comentário!!!

    96. Sandra Lima   •  

      Já li “O Mito da Monogamia” e realmente vale a pena……apesar de ser um pouco cansativo, pela quantidade de experiências relatadas, as conclusões são fascinantes…com certeza ao término da leitura mudei a forma de “ver” e “entender” a questão da poli/monogamia/fidelidade…..mas, da mesma forma que os autores optaram pela monogamia, eu também optei e me sinto feliz assim……tudo na vida é uma questão de escolhas…

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Sandra, com certeza nossas escolhas são mais conscientes quando entendemos mais amplamente a questão. Grato pelo comentário!

    97. Karina   •  

      Interessante o que algumas pessoas comentaram… Quero deixar a minha opinião FEMININA, porém diferente:

      Em lugar nenhum do artigo há qualquer juízo de valor referindo-se a “poligamia ser melhor”. Bem pelo contrário… só diz que a poligamia é o comportamento “natural” do ser humano, e a monogamia uma “opção”, que para florescer e dar bons frutos precisa ser cultivada… Assim como tantas outras características e comportamentos humanos mais elevados. O fato de algo ser natural não quer dizer que seja melhor. Matar também é natural…sabe? Tudo certíssimo com o raciocínio do Eduardo!

      Mais interessante ainda é que o livro de onde foi tirado os dados que embasaram o artigo, tem uma MULHER como co-autora… Declaradamente monogâmica inclusive. O que torna esse comentários (precipitados a meu ver) insinuando um “machismo” ainda mais espantosos…

      A poligamia acontece para as mulheres também, viu? E isso também é falado no artigo… Inclusive, já existe pesquisas atuais mostrando que os índices de infidelidade por parte de homens e mulheres já está se igualando. O que obviamente não faz com que a infidelidade seja “a atitude certa” (é preciso explicar se não corro o risco de também ser mal interpretada…), e sim a realidade da maioria das pessoas.

      E assim. Dentro do raciocínio proposto, qualquer pessoa que teve mais de um namorado ou namorada na vida, já faz parte da estatística da poligamia, ok? Uma coisa é um RELACIONAMENTO MONOGÂMICO em que se permanece com um só parceiro. Outra coisa é um comportamento monogâmico, em que somente se relaciona com um único parceiro(a) durante toda a vida. O que é a coisa mais rara né? Poderia-se dizer então que muitas pessoas tem comportamento poligâmico e relacionamentos monogâmicos. Qual o problema nisso?

      No mais, não vi nada de errado ou preconceituoso no texto. Muito menos que fomente ou indique comportamentos promíscuos/libidinosos ou enalteça infidelidades… É uma atitude inteligente e científica procurar ler o livro indicado. Principalmente para quem leu e “viu” machismo ou coisas semelhantes no texto…

      “A maldade está nos olhos de quem vê”, já diz o dito popular. Cuidado com a projeção dos próprios preconceitos e juízos de valor…

      Diz-se também que para bom entendedor meia palavra basta. Me parece, infelizmente, que para os maus entendedores, às vezes nem um artigo inteiro basta…

      Parabéns ao Eduardo pela coragem… :-)

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Olá Karina!
        Legal você ter percebido que o artigo busca ser explanativo e não opinativo. Tomei muitos cuidados devido ao tema, ou seja, notas explicativas, partes sublinhadas, etc. Mas como a tema é realmente instigante, não existe só uma interpretação, e os ângulos podem ser vários já que estão em jogo nossas “lentes” de como ver, e isso tem a ver com várias possibilidades. Mas é essa a função do blog: reflexão, troca de idéias e novos e outros pontos de vistas.
        Grato pelo comentário!

    98. Andréa Menezes Rocha   •  

      Uau! Será possível esquentar o que já está fervendo? Escreva para nós sobre a questão dos relacionamentos paralelos…
      Parabéns!

    99. Daniela   •  

      LIBERDADE de EXPRESSÃO,
      LIBERDADE de INTERPRETAÇÃO.
      Que bom que vivemos numa democracia e aprendemos a respeitar as opiniões de cada um!

    100. Silvia Ornelia   •  

      Parabens pelo materia bem embasada.Independente da sua ou da minha opinião,o seu texto é a fotografia do que acontece no nosso dia a dia e na maioria dos casamentos.
      A questão é que não queremos pensar diferente, por que aprendemos a julgar o que é certo e o que é errado, segundo o que nos foi ensinado.
      Voce teve muita coragem em trazer a tona assunto tão controverso, que teve a capacidade de chamar a atenção pelos paradigmas alí inseridos.
      Parabens e nos traga mais assuntos ousados.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Silvia, você tem razão quando diz que, independente da forma como queríamos que fosse, as coisas são como são…Essas reflexões em “voz alta” que faço no blog tem mesmo o objetivo de mexer em algumas “caixas pretas” e discutir…
        Grato pelo seu comentário!!

    101. Ana Maria   •  

      Adorei, assim como adorei suas aulas. Penso dessa forma e acredito que compreendendo essa nossa natureza fica mais fácil fazermos nossas escolhas. E por incrível que pareça fica fácil e gostoso ser monogâmico, sem grandes sacrifícios apenas uma opção. E quando se sabe que é preciso cuidados, toma-os. E quando se sabe que é natural e legal, divorcia-se, simples e muito fácil. É só termos consciência disso que nos livramos(nossos filhos também) de um monte de doenças e conseguências. Estou no segundo casamento há 24 anos por causa das vantagens e ser fiel está sendo muito fácil. Sempre falo ao meu marido que até hoje não apareceu ninguém que fizesse meu coração pulsar mais forte, porque mesmo que acontecesse eu iria estudar conscientemente se haveria desvantagens, como por exemplo durar 1 ou 3 anos, e depois acabar. E tem outra coisa, nesses 24 anos, eu fui, ele foi várias pessoas. Então procuro me apaixonar todos os dias por esse homem que está ao meu lado e que eu nunca sei quem é, essa descoberta é muito excitante. Como disse meu querido professor: a incerteza nos faz viver. Acho que foi isso, né Eduardo??? Um abração!

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Oi Ana!!
        Fico muito contente que nossas aulas tenham proporcionado essa capacidade de valorizar o “agora”. Só assim nos renovamos, renovamos nossas relações e paramos de imaginar uma realidade escondida atrás da ilusão que o “programa”nos vendeu.
        Valeu o comentário!!!

    102. Leila Souza   •  

      Por mais antiga que seja a letra da música de Raul Seixas (A Maçã), acho que as mulheres de hoje tomaram pra si a frase “…por que quem gosta de maçã irá gostar de todas, porque todas são iguais…”. Aprendemos que também há prazer sem amor,daí vem uma questão: será que o cérebro reptiliano feminino está se desenvolvendo e tomando o lugar do neo córtex? Espero que não…rs

    103. Sandra Lima   •  

      Depois de ler O Mito da Monogamia, li outro livro que também me ajudou bastante a entender as naturezas masculina e feminina, digamos assim…….”Porque os Homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor”.Ainda há muita coisa para ser estudada e entendida….Mas que bom que temos naturezas diferentes e fazemos escolhas diferentes……Nunca esquecendo de respeitar o próximo e a nós mesmos……Sandra Lima

    104. Pingback: A Questão da Fidelidade (2a Parte) | Blog Eduardo O. Carvalho

    105. Rah Amado   •  

      Então…o interessante é as mulheres experimentarem fazer sexo também, deixando as afeições maiores de lado, alguma vez na vida ao menos! Dar-se essa oportunidade não significa adentrar o mundo da promiscuidade, mas conhecer melhor as suas sensações e possibilidades de sentir prazer fora do padrão imposto/estabelecido pela sociedade. Apenas em um ponto discordo um pouquinho do artigo, mas opinião minha, lógico – a sociedade ainda condena, e muito, sim, a mulher divorciada. Mas como “o escândalo há de vir” (risos), muitas mamães ainda vão ter que aceitar que os seus belos filhinhos bibelôs de armário estejam amando as divorciadas! Adoro essas “belas tragédias sociais”! Tudo pela consciência ampliada! s2s2

    106. Rita Trevisan   •  

      Bem, dizendo por mim, juntei-me aos 21, depois de 6 meses, nos casamos no civil, depois, mais por pedido de nossas mães, casamos no religioso, levando os dois filhos a tiracolo. Hoje com a convicção religiosa que tenho, adquirida a quase 20 anos, não me casaria na igreja pois acho que não há necessidade. Enfim, nada mudou depois que nos casamos oficialmente, e estamos casados já há 26/27 anos. Tivemos sim, como todos os casais problemas, mas qdo adquirimos a consciência de que não mudamos ninguém, ou melhor, só conseguimos nos mudar, e com a nossa mudança, aquilo que não gostamos no outro já muda por si só, já é meio caminho andado. Hj posso dizer que nosso casamento é muito melhor de que qdo casamos, isso em todos os sentidos, sexual, emocional, etc..
      Com tudo isso quero dizer, que a mudança está em nós, pode-se casar com mil pessoas, mas se vc levar as suas mazelas e não procurar mudar o sentido de ver as coisas, nada mudará…
      Com certeza há hj em dia muitas mulheres que só fazem sexo, e há alguns homens que fazem amor, nada é determinante, tudo está em processo de ebulição hj em dia… mas a tendência é que tudo se normalize, principalmente qdo as pessoas realmente se conhecerem e não culpar ou querer que o outro resolva seus problemas…
      Somos “ainda animais sexuais”, pois ainda não adquirimos a “moralidade”, mas tudo tem seu tempo…
      Abraço!

    107. Pingback: vídeo-aulas 27 e 28: “Stress e ansiedade na infância e na adolescência” & “Depressão na infância e adolescência” | Ética, valores e cidadania na escola

    108. Miria   •  

      Parabéns pelo texto!!!
      Realmente, como questão de escolha e lealdade com os outros e consigo próprio, acredito que a questão de poligamia envolve ser sincero. No meu ver tanto comigo, como com a outra pessoa.
      Não acho legal criticar quem pratica tal situação.
      Quem sabe se em determinados relacionamentos isso já não é uma espécie de “acordo”, onde ambos sabem e mesmo assim se respeitam?
      Conforme relatado no texto, não precisa deixar de amar!!!

    109. Danielle Suladrena   •  

      Fiquei, mais uma vez, com a certeza de que a boa vontade tem de voltar a fazer parte do nosso vocabulário e das nossas vidas.

    110. MARISTELA   •  

      QUE VENHA 2012
      QUER DIZER JA ESTAMOS NO SEGUNDO DIA
      SINCERAMENTE ME EMBRULHO O ESTOMAGO ESTE VIDEO
      UM ANO ILUMINADO PARA NOS SERES HUMANOS

    111. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Um horror que todos deveriam ver. Parece incrível, mas muitas pessoas pensam que a carne simplesmente aparece na mesa. A matança é geral. No entanto, creio que há uma cobrança desses animais, pelo sofrimento, pela cessação da vida; há um olhar de espanto, me parece, como se se perguntassem: ” Por quê? “. E hipócritas que somos, fechamos os olhos a imagens reais – em todos os sentidos – e continuamos com nossas vidinhas mais ou menos, mesmo sabendo que exatamento neste minuto outros milhares estão morrendo. Eu seria o pior dos hipócritas se dissesse que não como carne vermelha ( ou qualquer outra carne). Acho que o valor proteico é muito importante. No entanto, há muito já abri os olhos para o excesso, para a descoberta de outros tipos de proteínas menos prejudiciais e mais completas, como o soja, por exemplo.
      Seus artigos, Dr. Eduardo, só me alegram, apesar de só ter tido a honra de ler o que escreve recentemente.
      Um grande abraço.

    112. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Ao se ler a Bíblia com olhos de um estudioso ( estudioso não no sentido de “seguir” o que ali está escrito), podemos notar a pequenez desse deus que ali está, Jeovah, com todo o devido respeito às pessoas que preferem tê-lo como o criador. Há muita chacina, muito rancor por nada, muito corte pela espada, algo completamente desnecessário, creio, a um Deus. Vemos também que as histórias se repetem, ou antes, se revezam em outras civilizações muito antes mesmo da terra ter sido “criada”. Portanto, é tolice acreditar nessa hipótese e Osho está sempre correto e poderíamos até supô-lo um … hummm… pequeno deus?
      Há ainda muitos mistérios aos quais as pessoas talvez mesmo diante das verdades não gostarão de saber, preferindo a escuridão ao fato de durante toda a sua existência estarem erradas. Todas as civilizações tiveram um deus e todos sofreram com esse deus, e todos receberam a mensagem que ele voltaria, assim como fomos ensinados. Tudo balela! Principalmente se vier num estrondo, acompanhado por legiões de anjos e outros absurdos. Por que a necessidade de tal aparato?
      Lascaux, Nazca, a Porta do Sol e outras inscrições ainda não decifradas têm muito a nos dizer.
      Enquanto isso, que tal se pelo menos admitirmos a hipótese de ser de outra forma? Não digo de não ter um deus, mas um deus que não se importa, que não pune, que não castiga apenas por não seguirem seus mandamentos; algo, ou se preferirem, Algo muito, muito maior. Talvez sejamos nós mesmos.

    113. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Não lhe parece, professor, muito revelador? Até mesmo o dilúvio é citado com as mesmas características milhares de anos antes do acontecido na época de Noé. Muitos relatos me intrigam desde pequeno e jamais pude pensar que fosse como queriam que fosse, criando datas, milagres, imprecisões referente a datas, etc. O próprio Gênesis é uma cópia barata de escritos milenares que, por sua vez já eram cópias de outros. Tendo mais a acreditar em civilizações que “plantaram” as informações, tornando-as verdades passadas de discípulo a discípulo, mesmo que deturpadas, algumas floreadas ou mesmo inexistentes. No entanto, como pensar em “sonho” a narrativa de Ezequiel às margens do rio; como não suspeitar da destruição de Sodoma e Gomorra, sem pensar em algo como uma arma muito letal ( já que acho desnecessário o uso de força por um deus) e não nos levar a pensar que isso sempre acontece, da mesma forma, com os mesmos métodos? Não seria hora de pensarmos em civilizações muito, muito mais adiantadas e que fazem tudo certo, na hora certa e sabem muito bem o que estão fazendo desde os primórdios? Deus seria, então, um mero pensamento, algo inexistente até mesmo para os “criadores”. Portanto, o correto é afirmar que nessa concepção deus é uma ilusão que as pessoas perseguem como última esperança em outra vida, uma vida melhor. Seria, assim, melhor pensar em reencarnação; é muito mais óbvio, mais sensato e aí sim, teríamos um Deus que sequer sabe que existimos. Passei muito dos limites, me perdoe. Mas, e se eu estiver certo? A terra não era redonda?

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Claudio, em primeiro lugar grato pelos comentários! Essas indagações que vc traz são pertinentes. Penso que o Deus cristão pode estar com seus dias contados por aqui como já acontece em outros lugares. Essa “desilusão” é boa porque nos faz refletir. Há quem diga que o que acontecerá depois da morte é aquilo que acreditávamos quando vivos…será???
        Como não saberemos algumas respostas mesmo, porque não relaxar?

    114. fernando canton   •  

      Prezado,
      você se supera a cada artigo !
      Neste, além de clareza e concisão, ficou nítida a presença da sua energia e amor.

      parabéns pelo tema e pelo artigo!
      obrigado

    115. Pingback: O SOFRIMENTO | Blog Eduardo O. Carvalho

    116. sandra gomes lima   •  

      Não há o que comentar……desta vez fiquei sem palavras……parabéns!

    117. Pingback: A Prisão que nunca existiu | Blog Eduardo O. Carvalho

    118. sandra gomes lima   •  

      Estamos presos a nós mesmos,a nossas crenças e nossos “achismos”.Se sairmos da mediocridade cotidiana de nossa vidinha e tivermos coragem de dar um passo em direção ao novo,à mudança, nossa vida começará a ter outro sentido.Nós teremos outro sentido…….

    119. fernando canton   •  

      Prezado,
      a responsabilidade sobre nós mesmos talvez seja a mais assustadora tarefa de nossas vidas…
      A verdadeira liberdade é para os seres que nada temem.
      Cresçamos !

      abraços e obrigado
      fernando canton

    120. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Permito-me citar Millôr: “Pra ser feliz de verdade é preciso encarar a realidade” Encarar a realidade pode nos parecer difícil, mas impossível não vê-la; ela está ali, talvez nos oprima, nos deprima e seguir Osho ou outros, apesar dos grandes ensinamentos não a impede de ali permanecer e, portanto, nossas crenças ensinadas desde a mais tenra idade protesta, chia, debate-se e é o que aparentemente nos segura, nos prende numa coluna que criamos a cada dia e a cada dia parece que ela (a coluna) aumenta mais e mais, acorrenta-nos como uma hera que se abraça a uma árvore e que dela tira vida, mas que pode matá-la.
      Vivemos, então, acomodados pela carícia do medo, da falta de coragem, de encarar um novo mundo, de ver a vida de outra forma, por mais fantástica que aos outros possa parecer e que horrorizados nos cobrarão os mesmos ensinamentos que tiveram e que acham que é a verdade absoluta, como se houvesse essa verdade.
      Libertar-se não é, portanto, apenas libertar-se do medo, mas encarar uma nova verdade, ou até mesmo uma mentira que nos foi imposta, para que a comparemos e assim chegarmos a uma conclusão que nunca será definitiva.
      Mudar é necessário, não apenas pelo fato de “ir contra”, mas para experimentar uma nova porta, portas abertas que surgem a nossa frente, mas que sequer as olhamos, achando que ali há, como na época dos descobrimentos portugueses um abismo cheio de serpentes aladas, monstros que soltam fogo pelas narinas e que, ao abri-las, certamente algo nos engolirá. Vencer isso, ou procurar vencer, é se inteirar com belos achados como este do professor Eduardo O. Carvalho que me parece, diferentemente do que disse anteriormente, deve ser seguido, assim como outros, como Osho.
      Obrigado sempre pelos seus belos artigos e por nos ensinar a largar de vez qualquer coluna que insiste em nos prender.

    121. Léia   •  

      Suas palavras são profundas e belas e refletem realmente a importância de vivenciarmos a liberdade em nosso cotidiano. Se nos sentimos incomodados com as mesmas é porque toda mudança gera incômodo e dessa forma talvez já estamos reconhecendo que de alguma maneira estamos presos a algo. O estado de incômodo requer ação, ou avançamos e modificamos nossas vidas a fim de nos sentirmos livres internamente ou dizemos a nós mesmos que isso não faz sentido e retornamos ao estado anterior, é uma questão de escolha. Acho as palavras de Ghandi tão lindas quanto às do conto acima: “A prisão não está nas grades e a liberdade não está nas ruas; há homens presos na rua e livres na prisão. É uma questão de consciência.” Precisamos refletir….

      Paz!

    122. Daniel Behnke   •  

      Muito bom, forte e revelador o seu texto como sempre. Mas em um momento você comentou “(…) afinal ser livre é da essência do ser humano.” e no final do texto falou que “(…) mas isso é do padrão de funcionamento da mente essa acomodação (…)”.

      Tendo dificuldade de diferenciar a “essência” da nossa “programação” afinal, somos programados para fazermos (ou não fazermos) muitas coisas, essa programação define nossos padrões de pensamentos, reações, ações, etc., então meu discernimento não consegue chegar a essa diferenciação.

      A boa notícia para mim é que minha dúvida não dificulta o entendimento do texto, e sendo assim, concordo plenamente com tudo, mesmo que a conclusão do texto seja dolorosa para muitas pessoas.

      A um tempo comecei a me responsabilizar por tudo que acontece comigo, no início não foi fácil, mas depois isso acabou se tornando algo normal e essa dificuldade desapareceu, tornando essa situação adversa em algo que facilita a vida, afinal, hoje eu perco menos tempo procurando culpados e mais tempo me concentrando no Agora, afinal, ele acaba resolvendo os problemas facilmente sem nenhum esforço.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Daniel, grato pelo comentário, já que você me ajuda a esclarecer esse ponto que pode mesmo ter ficado controverso. Temos uma essência, que dependendo da filosofia utilizada tem um nome: espírito, eu superior, etc,de natureza eterna (portanto sem medo), em constante evolução que habita o corpo físico e outra perecível e transitória, portanto com medo, lutando para manter esse corpo vivo o maior tempo possível. Essa parte, ligada ao corpo (diferente de habitá-lo) é condicionada pela formação cultural, familiar, social, religiosa, etc. Assim, dependendo de onde nossa consciência estiver, poderemos nos sentir aptos e com confiança para as mudanças ou com medo desse “novo” desconhecido. Um é essência, o outro é formado de paradigmas de certo e errado, justo e injusto e assim por diante. Espero ter ajudado e entender melhor ou aumentado ainda mais a dúvida… Um abraço!

    123. Pingback: A anatomia da CULPA Blog Eduardo O. Carvalho « Espaço Holístico COISAS D'ALMA

    124. fernando canton   •  

      A face mais “cruel” da culpa é a memória…
      ela não te deixa esquecer.

      parabéns pela utilidade do artigo,
      fernando

      ps: quando vc virá a São Paulo ?

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Fernando, em primeiro lugar, agradeço seus cometários sempre oportunos!Quanto a ir para São Paulo, isso depende da oportunidade de ministrar algum curso ou seminário por ai. Quem sabe esse ano não surge uma oportunidade?
        Abraço!!

    125. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Culpar-se hoje pelo que foi feito ontem, ou mesmo imaginar que poderá errar amanhã é culpar-se indefinidamente ou mesmo “inventar” qualquer culpa, ter essa necessidade a fim de, por qualquer motivo, perdoar-se.
      Como disse o Fernando Canton, a face mais cruel da culpa é a memória, já que ela parece impregnar-se, grudar-se talvez até mesmo por uma culpinha sem sentido e que, por conveniência aumentamos. Podemos imaginar o seguinte: alguém comete um ato terrível, (influenciado por sua mente e ensinamentos e que talvez não seja tão terrível assim) sente muita culpa, descontrola-se e no final vê que TEM que ser castigado como forma de expiação , uma espécie de prece para acalmar a divindade que ele aprendeu que é cruel e que castiga. Portanto, a culpa certamente levará ao medo e vice-versa.
      Como viver sem culpa? Basta não acreditar em castigos e, melhor, não fazer algo que crie a situação de culpa, que nunca é igual para as pessoas. Um demente poderia sentir culpa ao não saber o que significa isso? E um selvagem? Poderia ser “castigado” por não ser um crente num deus bíblico? Tudo é, realmente, fantasia de nossa mente que parece conturbada, pequena parte do cérebro usada o mínimo e que por isso excede a sua capacidade de resolver pequenos problemas, transformando-os em monstros.
      Seu artigo, como sempre, supera, motiva-nos, mostra caminhos que pareciam escondidos, abrem-nos os olhos que estavam fechados para eles que estavam bem a nossa frente.
      Finalmente, quero lembrar-lhe, professor, que também o esperamos em Belo Horizonte.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Cláudio, grato pelos seus cometários que sempre ampliam o tema tratado! Assim como respondi ao Fernando, minhas viagens dependem dos cursos ou seminários, que normalmente são restritos a Santa Catarina. A idéia de criar o blog também passa por ampliar horizontes, trazendo para mais pessoas esses assuntos e também oportunizando novas experiências. Abraço!!

    126. sandra gomes lima   •  

      E o pior é que quando nos sentimos culpados, dependendo do contexto,abrimos caminho para sermos chantageados ou manipulados…….

    127. Carmen Rita Almeida   •  

      Querido professor,
      Hoje vi um filme que me lembrou uma aula sua e deu muita saudade.
      O filme é “Qualquer gato vira-lata”, direção: Tomás Portella, já apreciou???
      Abraços,

      Carmen

    128. Pingback: Paradigmas | Blog Eduardo O. Carvalho

    129. Luiz   •  

      Seria muito interessante que os produtores dos videos colocassem as fontes de suas afirmações.
      Luiz.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Luiz, existem também vídeos contestando tudo que foi dito nesse que coloquei. A questão é somente darmos uma pensada, afinal, questionar faz bem a saúde…
        Grato pelo comentário!!!

    130. fernando canton   •  

      Destaco uma frase, entre tantas tão profundas:

      “No fim, estamos sempre buscando a nós mesmos em meio a essa luta interna entre o que sou, e o que esperam de mim…”.

      Quanta crueldade e auto-punição…

    131. Andréa Menezes Rocha   •  

      Oi Eduardo
      E quando os delírios passam a ser a realidade? Seria, de acordo com os paradigmas, a loucura?
      Adorei o tema. Parabéns!!

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Andréa, sua pergunta é muito inteligente! Penso que tudo que temos como real foi antes imaginado. Dessa forma, loucura é apenas o que não corresponde ao paradigma de “certo/errado”. Como diz Belchior “meu delírio é com as coisas reais…”
        Grato pelo comentário!!

    132. Luciana   •  

      Nota 10!

      Falou tudo e mais um pouco…

    133. Patrícia melo   •  

      Olá,

      Acabei de postar seu texto em meu blog, gosto muito do que escreve.

      Namastê!

    134. Rah Amado   •  

      Gostei do texto, Eduardo! Bastante didático e irônico na medida exata!

      Esta semana escrevi meu primeiro relaxamento e agora peguei gosto pela coisa!

      Gracias por dividir suas análises! 😀

    135. Antonio Carlos Braga   •  

      Caro Eduardo é a segunda vez que recebo informação sua e estou muito satisfeito me serão muito úteis, gostei muito de ler sobre os paradigmas obrigado Braga

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Grato pelas palavras Antonio! A idéia do blog é mesmo a discussão e reflexão de assuntos ligados ao auto conhecimento. Participe sempre!

    136. Henry   •  

      Belas orientações, Eduardo. Muito boas.

      Com certeza, experiência própria, os benefícios são enormes para nossa saúde nesse mundo corrido e o mais legal é que “vicia”! É um vício positivo! Ainda mais quando torna-se um hábito!
      Digo que é a minha “arma” para fugir de tudo e “me encontrar”…

      Bem, aos que me perguntam eu digo: “Não basta querer! Além de tudo, tem que querer muito e querer sempre!” – parafraseando um Mestre.

      Lembro-me que levei 7 meses tentando relaxar sozinho… mas tive a conquista, como prêmio, de melhorar meu auto conhecimento…
      Valeu e vale a dedicação, porque sei que tou cuidando bem de alguém muito importante pra mim:… EU!

    137. kelly roama   •  

      verdade pura concordo plena mente ñ só a postura cm o pensar quantoo mas se penssa no acontecido ou naquilo que nos deixa depre mas anguatiados ficamos

    138. Pingback: Seminário Casos Clínicos | Blog Eduardo O. Carvalho

    139. Rah Amado   •  

      Olá, professor Eduardo! Gostaria de saber se há alguma previsão para curso de Radiestesia em Jlle neste 2012. Quero muito estudar isso este ano! Fico no aguardo de uma devolutiva! Abraço da Rah.

    140. Adelina   •  

      olá Eduardo…
      este artigo me transportou a algumas de nossas conversas…qualquer dia passo aí pra falar com vc..abços

    141. Antonio Carlos Braga   •  

      Obrigado gostei muito da maneira Zem do budismo, no que ensina o Koan, é realmente muito interessante. Braga

    142. sandra gomes lima   •  

      Algumas frases de alguns filmes realmente valem pelo filme todo……Legal revê-las, ou relê-las.

    143. fernando canton   •  

      O “Religare, quando acompanhado de toda essa parafernália ritualística, simbólica e comportamental, leva a darmos voltas sem fim, quase sem sair do lugar.”
      Eu completaria: e a todo o tipo de problemas existenciais e comportamentais possíveis…
      Infelizmente é isso…

      abraços

    144. Pingback: Zen Budismo | Blog Eduardo O. Carvalho

    145. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Há tempos ouvi uma piada que me pareceu ir muito além de uma simples piada:
      Um homem desempregado, pai de cinco filhos, morando numa casa de três cômodos, a esposa esperando o sexto filho e sobrevivendo apenas com o leite que uma vaquinha mirrada fornecia, e já desesperado por não vislumbrar uma mudança, outra perspectiva para aquela situação, visita um sábio à procura de ajuda.
      “Mestre – ele diz com lágrimas nos olhos – não sei mais o que fazer, minha vida é um martírio sem fim, os filhos chorando com fome, tenho apenas uma vaca que é o que nos fornece o leite, praticamente nosso único alimento e que me deixa, como homem, sentindo-me como um verme. O que poderá fazer por mim, mestre?”
      O mestre olhou fixamente para aquele homem acabado à sua frente e, muito calmo, lhe disse:
      “Ponha a vaca para dentro de sua casa e a sua vida irá melhorar.”
      “Mas, Mestre! Isso me parece tão sem sentido!
      “Faça isso e sua vida melhorará.”
      O homem voltou para sua casa, a mesma situação, no entanto esperançoso pelo que o mestre havia dito e colocou a vaca dentro de casa.
      A vaca, lógico, fazia ali as suas necessidades, o caos invadiu o lar do homem, as crianças gritavam, a mulher enlouquecia e a vaca já não dava mais leite.
      Desesperado, o homem volta ainda mais triste na casa do mestre e explica que sua vida havia se transformado num inferno e que ele deveria ter errado no conselho e queria uma outra forma para resolver o seu problema.
      O mestre, então, com a mesma calma e serenidade, lhe disse: -” Coloque a vaca de novo no quintal.”

      Não é necessário nenhum ritual para que uma chave ligue coisas simples que estavam adormecidas; não vejo como não se atormentar ao não sabermos do modo de evitar os tormentos, ou pacificar a mente. Parece-me haver algo tão distante de nós e por mais paradoxal que pareça, tão perto que, por estar tão perto não conseguimos enxergar, algo como uma luz que nos cega pelo brilho. Assim, ensinamentos sempre são bem vindos, a forma de filtrar essa luz é a chave e mesmo que não saibamos onde está nossa mão para virá-la, ou mesmo nem sabermos que temos mãos, podemos (sem perceber, mas vendo “alguém” virando-a) colocar nossa vaca do lado de fora.
      Finalmente, se entendermos que o universo é e não é agora e que tudo pode estar sendo construído ou terminando, o homem pendurado na árvore poderia responder qualquer coisa e haveria apenas um outro vazio. Ou não…

    146. Leila Souza   •  

      Valeu Eduardo.
      Há muito o que se refletir sobre todas as palavras.
      Abraços,
      Leila

    147. maria josé   •  

      Nossa adorei!!!o tema, chego a ficar com medo deste mundo ,pois agora que li que podemos ficar isolados dessa massa …pois cada um tem sua evolução e cada vez mais nos procuramos comentários inteligente com conteudos para que possamos agregar no nosso dia dia..parabéns pra vc que está nos ajudando..

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Maria José,
        Fico contente em saber que o blog está cumprindo sua função de refletirmos sobre nós e tudo que nos envolve. Abraço!

    148. Stela   •  

      Olá Eduardo,

      Estou adorando todos os seus textos.
      Este sobre relaxamento está maravilhoso, direto e simples para que as pessoas possam se animar e relaxar… rsrs
      Vou divulgar este texto em meu Blog, onde já coloquei o link do seu.
      Grata e ótima semana!
      Stela

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Stela,
        grato por suas palavras! A finalidade do blog é mesmo essa, trazer algumas saberes e ações para tornar tudo mais fácil…
        Abraço!!

    149. Kari Ane   •  

      Ansiedade, mal que acomete um percentual bastante elevado da população, será que ainda demora muito para as pessoas que sofrem deste mal se convencerem que não temos domínio e que o mais saudável é viver de forma simples e despreocupada? Isso não quer dizer desleixada, desregrada, irresponsável, apenas despreocupada. Ter a condição de avaliar as situações com o conselheiro medo a te mostrar que nem tudo é tão azul, é importante, pode nos ajudar a não nos colocarmos em situações de risco, apenas isso. Ter o verdadeiro controle sobre as rédeas de sua vida, com consciência e sabedoria isso sim é essencial.

    150. Sandra Lima   •  

      Se conseguirmos seguir o que preza um dos princípios do Reiki, ou seja, não nos pré-ocuparmos, com certeza iremos contribui para diminuir a ansiedade e todos os transtornos que ela traz ao nosso corpo/mente/espírito.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Francisco, há muitos recursos a disposição! Procure ajuda e lute!Por mais que você possa estar pensando que isso não tem fim, depressão tem cura.

    151. Pingback: ANSIEDADE – 2a Parte | Blog Eduardo O. Carvalho

    152. Leila   •  

      Oi Eduardo, essa depressão que as pessoas dizem sentir junto com a ansiedade não seria uma tristeza profunda? É que no meu entendimento a depressão é voltada para o passado e não para negatividade constante.
      Fiquei um pouco confusa.
      Abraços
      Leila

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Leila, a depressão não tem a ver com o passado (falo sempre na maioria dos casos) mas sempre em relação a uma perspectiva futura muito negativa. A pessoa deprimida, conforme escrevi, não vê perspectiva de melhora de seu estado e isso está relacionado ao futuro e não ao passado. O que acontece é o passado ser a eventual causa da depressão, quando, por exemplo há uma perda grande. Mas mesmo assim é em relação a não ter mais a pessoa, emprego, etc.

    153. Fatima   •  

      Eduardo, obrigada por sua clareza. Parabéns. Um abraço

    154. Pingback: 2012 – O ano do PONTIFEX | Blog Eduardo O. Carvalho

    155. Sandra Lima   •  

      Até o momento a numerologia não me chamou a atenção,mas nem por isto vou deixar de dizer que achei esta matéria muito interessante, muito instrutiva…..sem falar em meu querido e velho amigo Pitágoras…..

    156. neusa seiffert   •  

      Oi Eduardo , tdo bem.
      estamos com saudades de suas aulas.
      acho muito interessante a numerologia,e gostaria de saber. Osignificado do nº5,tbem é válido pra nomes.porque tenho 5 no nome,e meu marido tem 5 no total de nome e sobrenome.( é só curiosidade) sou fascinada por tdo isso.se puderes me responder… te agradeço.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Olá Neusa!!!!

        Quanto estamos estudando os nomes, a abordagem pitagória vem em primeiro lugar e depois aprofundamos mais. Mas depende o está esse “5”. Conforme o lugar tem significados diferentes e a presença de letras desse valor no nome indica outras análises diferentes dessa do artigo que escrevi.
        um abraço a todos os colegas!!!

    157. Ana Maria   •  

      Olá Eduardo, tenho muito interesse no curso de Radiestesia, sou de Joinville, tens alguma previsao para esse curso? Aguardo seu retorno

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Ana, não tenho ainda a data e o local, já que normalmente alguém se encarrega de organizá-lo, já que não disponho de tempo. Assim que tiver, estará na “agenda” do blog.
        Um abraço!

    158. Pingback: TIMIDEZ | Blog Eduardo O. Carvalho

    159. Danielle   •  

      Ola Eduardo , Muito obrigada por compartilhar estas palavras . Estou realmente muito insegura e com muito medo e lendo seu texto me enxerguei por completa em cada palavra, em cada paragrafo. Sei que meu companheiro me ama e que ultimamente anda tendo muita paciencia comigo . Eu não era assim, era uma pessoa muito segura, algo mudou e nao consigo me achar de novo. Me basta continuar tentando. Mais uma vez obrigada.

    160. Karina   •  

      Poxa Eduardo, que texto lindo! Palavras não somente inspiradas…. mas inspiradoras…

      Adorei! :-)

    161. fernando canton   •  

      Nos perdemos por todos esses “caminhos”, e mais alguns. É uma pena…
      Concordo com a Karina: texto lindo e muito inspirado.
      Guarde esse momento com carinho meu caro, foi mágico!

      abraços

    162. Fabiano Bardin   •  

      Grande Eduardo
      Texto sensacional. Perfeito pra começar a semana.
      Abraço
      Fabiano Bardin

    163. Daniela   •  

      Impossível ler e não “se encontrar” em determinadas linhas… Belíssimo !!! Parabéns Edu, este texto foi um “presente” da semana! ABÇ

    164. tiago motta   •  

      muito bom o texto!
      tem palavras que simplesmente são só palavras ditas no ar.mas palavras vindas do coração atravessam a alma deixando marcas que nos fazem acordar, fazem nos buscar aquilo que somos,mas esquecemos de ser.cara obrigado por acender a luz da realidade iluminando a escuridão do sonho pois só a realidade pode ser realmente vivida. na escuridão estamos cegos guiados pelas nossas ilusões do amanhã que nunca chega e do ontem que jamais mudara mas palavras de luz vindas do coração fazem nos abrir os olhos da verdade nos fazendo ver o agora sem ilusões sem antes e sem depois.

      tenham todos uma ótima semana
      oss.

    165. Kari Ane   •  

      Eduardo, se me permite, nos perdemos quando ficamos a nossa procura ao lado de fora, o medo de olharmos para dentro da janela e nos depararmos com alguém que nunca vimos, é assustador, para muitos é mais confortável continuar perdido ao lado de fora, fazendo de conta que procura…

    166. Leila   •  

      Eduardo, cada pessoa que leu esse texto deve ter se identificado de alguma forma.
      O que me deixa feliz é quando percebo alguns dos meus consulentes se achando em alguns pontos e fazendo mudanças. Por exemplo, o fato de ter escutado agora pouco uma consulente, depois de nove anos fazendo terapia com uma psicóloga me dizer: eu estou pagando para estar casada.
      Foi maravilhosa a sensação que senti nesse momento. Nessa hora a gente vê que vale a pena o nosso trabalho.
      Abraços,
      Leila

    167. Alessandro   •  

      Execelente texto para reflexão da semana.
      Abraços
      Alessandro Berwaldt

    168. Monica Sarah Salomon   •  

      Texto ótimo Eduardo, disse tudo :)
      abç

    169. neusa seiffert   •  

      Amei o texto!!!
      bom para prestarmos um pouquinho mais de atenção,em nós mesmos.

      Abraços
      Neusa

    170. Rosalía Pereira Lieberknecht   •  

      Eduardo,
      muito bom esse texto. Realmente nos perdemos quando perdemos a capacidade de ver a beleza do que nos rodeia, dessa natureza maravilhosa e, principalmente, de agradecer tudo o que somos e tudo o que temos. Precisamos descobrir quem somos realmente e não ser somente a soma de tudo o que nos passaram e disseram que éramos. Abraços. Lia

    171. Marinei   •  

      Ah, o caos, como ele nos inspira!
      Belíssimo texto.

    172. Rubens Hochapfel   •  

      Parbens, Eduardo você foi ao ponto.
      Realmente todos esquecemos de fazer um “pit stop” para avaliar onde nos encontramos e o que procuramos (se é que procuramos alguma coisa que nos faz bem).Muito bom, essa é para acordar!

    173. Hipnose Ericksoniana   •  

      O que muitos não sabem é que existem vários tipos de hipnose, e que elas podem ser conhecida através de estudos, sites e cursos que abordam claramente sobre o tema.

    174. Aline   •  

      eu estou mui to mal pois ja fui depressiva e é muito ruim pois vc fica totalmente destruida.

    175. Kari Ane   •  

      Olá, veja que interessante, postou ontem esta mensagem e recebi também que transcrevo aqui: 7 Mandamentos para um Trabalho eficaz com a sombra: – deixar de culpar os outros; – assumir a responsabilidade; – ir passo a passo; – aprofundar a consciência; – abrir o coração; – renunciar aos ideias de perfeição; – aprender a viver no mistério.

    176. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Perfeito! Um artigo para ser lido todos os dias por pessoas passando por esses problemas criadas por elas mesmas; é um tesouro.

    177. Sandra Lima   •  

      Meu tio dizia que se ele fosse dono de uma fábrica de cerveja, o nome da dita seria “Atitude” e a propaganda seria:”tome uma atitude todos os dias!”.Aproveito a deixa para lembrar aquele velho,mas atual bordão:todos os dias, ao acordarmos, vamos tomar uma atitude e escolher sermos alegres e felizes naquele dia, afinal é para isto que vivemos……

    178. Sandra Lima   •  

      Em “Closer”, uma garota recém-chegada à Londres traz como bagagem apenas sua mochila….um jovem pergunta onde está o restante da bagagem e ela responde:”aqui está tudo que preciso”…….vamos levar vida à fora apenas o que precisamos……

    179. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Ler seus belos artigos é não recear e sempre buscar mais, é se enlevar em algo tão sublime que é realmente muito difícil não se envolver, como se estivéssemos ali junto a Don Juan, porém sem qualquer alucinógeno, tudo natural e simples que parece uma nuvem que nos leva muito suavemente por lugares que já passamos e – cegos – não os vimos. Estamos de olhos bem abertos, apesar de mantê-los fechados enquanto suas palavras inundam-nos. Falar mais alguma coisa seria como se quebrássemos esse silêncio que chega.

    180. vilson   •  

      Descobri apenas ha algumas semanas que sofro de uma ansiedade quase incontrolável. Este sofrimento foi desencadeado por um relacionamento amoroso complicado que estou vivendo (mas acredito que a ansiedade já estava aloja no meu íntimo). Sei que a pessoa que amo está saindo com outro. Enquanto estou com ele me sinto feliz e á vontade. Mas quando me afasto, um turbilhão de pensamentos invade minha cabeça, meu coração dispara e fico muito depressivo. Penso em não encontrá-lo mais e tentar esquecê-lo, mas não está sendo fácil. Esta terá que ser minha escolha: me desapegar completamente dele e seguir minha vida.
      Muito obrigado, Eduardo. Este artigo me atingiu de cheio, justo na hora em que mais preciso de ajuda.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Vilson, fico contente do artigo e o blog, por consequência, estar atingindo seu objetivo. A Ansiedade é algo que pode ser controlada e tornar a vida menos angustiante. Tem saída!!!
        Grato pelo seu comentário!

    181. Sandra Lima   •  

      Realmente “Melhor é Impossível ” é uma excelente forma de conhecer um pouco sobre o TOC, com a interpretação, mais uma vez fantástica ,de Jack Nicholson.A convivência com um portador de TOC é algo relamente complicado e estressante, então é importante que os familiares, colegas de trabalho e amigos estejam um pouco a par do assunto para lidar melhor com estas pessoas……e ajudá-las…..

    182. paula de azevedo   •  

      estou com problemas de depressão e não consigo resolver pois procurei a ajuda do SUS, continuo sem solução, pois no SUS, eles me receitaram uns remédios que não tive como comprar ainda, o que me fez piorar bastante, pois além de estar com problemas, me sinto incapaz como pessoa até mesmo de começar um tratamento. A minha maior vontade da vida na verdade é perdê-la.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Paula,
        Em primeiro lugar agradeço sua visita ao blog!
        Realmente a depressão é difícil, mas sua saída sempre tem dois caminhos: os remédios que ajudam a sustentar um pouco a angústia e a tristeza e a psicoterapia para as novas atitudes necessárias para que seus enfrentamentos na vida tenham melhores resultados.
        Também é importante algumas atitudes positivas de sua parte: pelo menos faça caminhadas de, pelo menos 1 hora por ida. Pesquisas mostram que depois de 30 dias o bem estar vai voltando. Sei que vc não tem vontade de fazer nada e pensa que essa sensação ruim nunca vai passar, mas passa sim e atitudes são fundamentais.
        Você, como ser humano, é muito maior do que qualquer doença!
          Eduardo

    183. Gustavo   •  


      Gustavo:

      Meu nome e Gustavo tenho 13 anos de idade nesses últimos dias tive depressão profunda mas já estou procurando ajuda.e o pior de tudo e que eu so vim saber q era depressao depois de ter lido um artigo eu tava com medo de ler e ficar pior

    184. fernando canton   •  

      “Fé significa acreditar no que não se sabe concretamente, então ninguém tem mais fé do que a pessoa que se lança atrás de seus objetivos”…

      você já ouviu falar em “frase lapidar” ?…
      Parabéns Eduardo !

      fernando

    185. Leila Souza   •  

      Nesse contexto “querer” e “vontade” são a mesma coisa?

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Não Leila, a “vontade” expressa o “querer”. As atitudes são a demonstração da vontade. Não podemos confundir vontade com desejo. Abração!!!

    186. gabriel   •  

      acho que um dos problemas da depressão é a pessoa aceitar que estar doente e que precisa de ajuda. acho que estou com depressão…estou passando por um periodo dificil, recentimente fiz uma cirurgia no tendão de aquiles e não posso andar ainda, e minha vida antes era muito agitada, com trabalhos…..e agora estou numa cama. é horrivel isso, me auto medico com remedios para dormi,fiquei vaidoso acho que estou emagrecendo ( e estou ) mas não queria.não me alimento, estou nervoso, achei que minha familia iria me visitar mais( ninguem mim visitou ) minha mãe apenas uma vez,, mim sentir muito sozinho, chorei muito, tenho 31 anos, sou casado co uma filha linda, acho que minha esposa não mim ama como marido ( e sim como chefe de casa pai de familia, e ela é uma excelente esposa dona de casa que trabalha muito e estuda muito ( e confio muito nela ) acho que td isso que citei mim faz ficar depressivo e agravou depois da cirurgia,… ha tenho uma pessoa ( amante ) que quando estou com ela td é bom…….Sr. Eduardo mim ajuda.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Gabriel,
        depressão precisa, além dos remédios de psicoterapia. Sua fase é passageira, mas pelo que contas precisas mesmo de uma terapia para se pensar em reencaminhar algumas questões.
        Grato pela visita no blog!

    187. Andreia Souza   •  

      Sempre acreditei que somos exatamente o queremos ser , aliás Carl Gustav Jung já dizia “Sou eu próprio uma questão colocada ao mundo e devo fornecer minha resposta; caso contrário, estarei reduzido à resposta que o mundo me der”. Parabéns Eduardo!

    188. Henry   •  

      Valeu, Eduardo!
      Muito obrigado pelas dicas… Muito boas!
      Assim como os 4 compromissos, as 4 leis (segredinhos) parecem fáceis, ou pouco (em quantidade), mas se analisadas profundamente, vemos que não são bem assim…
      Vou colocar estes “segredos” na minha vida!
      Obrigado

    189. Mariana   •  

      Coinscidencia ou não…confirmei que já vivi esta experiencia!
      Obrigada

    190. fernando canton   •  

      Muito bom artigo, como sempre !
      fico no aguardo do próximo:
      “a “pessoa certa” ao nosso lado (esse é tema para outro artigo),”

      obrigado e parabéns

    191. BETANIA MARIA DE CASTRO   •  

      Estou me formando em Psicanálise, e gostaria muito de aprender essna técnica., assim como outras (foto kirlian), e aprofundar estudos de Jung.
      Moro em Sorocaba.

      Grata.

    192. Kari Ane   •  

      Eduardo, olá, lendo a história me vem o mesmo pensamento de quando a escutei em sala: “por quanto tempo ainda será recebido este presente maravilhoso, a chance de permanecer não louco? Tenho para mim que por várias vezes o anjo vem avisar da água que não deve ser bebida, mas cedo ou tarde, como um alcóolatra cai-se na tentação, só por mais um golinho de loucura.

    193. Magda   •  

      O exercício é constante para a libertação!
      Maravilhoso artigo.

    194. Rubens Hochapfel   •  

      Muito bom ter abordado este assunto vital. Observamos tudo ao nosso redor e queremos soluções e esquecemos nosso deus interior que tem todas as respostas, é só consultar. Mas aprendemos a procurar soluções de fora para dentro ou meio dentro, já que tudo tem que ser automático sem esforço ou mudança. Parar de pensar no o que e como e viver no não pensar e ainda assim alcançar o que precisamos. Viver a vida!

    195. Henry   •  

      Mestre,
      Concordo plenamente contigo!

      Para completar a idéia de Sir Paul, eu diria que enquanto ficarmos oferecendo jogos eletrônicos violentos (não só os jogos, mas também os desenhos animados e tudo que eles representam) às crianças em que “matar” ganha ponto, o sentido de manter a vida (qualquer que seja) é perdido!
      Lembro de um amigo que dizia que, o filho dele jogava esses jogos (pra se manter atualizado com os amigos da escola!), mas ele não deixava de levá-lo a um cemitério, num funeral, para ele ver e sentir que a morte, na realidade, não ganha ponto! Muito pelo contrário, gera dor e sofrimento!
      Ótima estratégia educacional, que recebia críticas duras de todos os “espertos” adultos!
      Bem, com o passar do tempo, podemos ver, mesmo de longe, que seu filho está se tornando um jovem mais respeitador e mantenedor da(s) vida(s) que ele tem influência!

    196. Maria Inês   •  

      Gostei bastante do poema e realmente ilustra o texto. Acredito que é necessário traçar novos rumos, teimar, insistir, enfrentar o medo do novo é fundamental para o crescimento. Assumir riscos e responsabilidade na condução do nosso “barco” nos da um que de poder. Senti uma energia de poder ao ler o artigo. Muito bom!

    197. sandra gomes lima   •  

      Acredito que muitas pessoas confundem “destino” com “destinação”;nossa destinação é nosso objetivo final,mas nosso destino é a forma como chegaremos lá, e para tanto usamos nosso livre-arbitrio…..do que valeria nossa vida se não pudessemos tomar decisões, fazer escolhas e mudar de rumo ?

    198. gabriel diniz   •  

      GOSTARIA DE SABER SE VOCÊ TEM ALGUMA PESSOA QUE POSSA SER INDICADA QUE TRABALHA TPV AQUI EM FORTALEZA-CE, POIS TENHO MUITO INTERESSE EM ME TRATAR COM ESSA TECNICA.
      ATT.

      • Mauricio   •  

        Gabriel, podemos nos comunicar?

        Se você conhecer algum profissional que faça de forma responsável esta técnica me indique também.

        Preciso muito.

    199. Pingback: Manifesto e Imanifesto | Blog Eduardo O. Carvalho

    200. Pingback: Manifesto e Imanifesto | Blog Eduardo O. Carvalho

    201. Rosangela   •  

      Gosto bastante dos seus textos.Objetivos,explicativos e muito funcionais.Parabéns!AbraçosRosangela

    202. Pingback: Manifesto e Imanifesto | Blog Eduardo O. Carvalho

    203. Monica Sarah Salomon   •  

      Como sempre dizem, “O Mal do Século é a Solidão”. Cada vez mais as pessoas estão preocupadas com o mundo exterior, em somente TER, e não SER, o que gera a ansiedade, depressão (por não conseguir tudo o que a sociedade nos impõe) entre outros. Precisamos olhar mais para dentro, e entender nossa subjetividade, e que só conseguiremos alcançar a transcendência, sendo conscientes do nosso plano no mundo.

    204. Pingback: A utilidade da Morte | Blog Eduardo O. Carvalho

    205. tiago motta   •  

      Puts não tem nem o que falar,muito bom o texto quem consegue aceitar a presença da morte tanto quanto a vida nunca deixa o hoje para depois. Parabéns pelo blog esse é de utilidade pública .

    206. Maria Inês   •  

      Realmente é um assunto bastante complexo. Sabemos que a morte é uma realidade para todos nós, no entanto, sofremos bastante quando adoecemos ou perdemos um ente querido e, muitas vezes, desviamos o assunto. É o desconhecido assustando nosso ser. Particularmente prefiro encarar como mais uma etapa e sem ficar pensando quando será. Desejo viver o agora da melhor forma possível.

    207. Antonio Carlos Braga   •  

      Não tem como viver sem crenças e teorias, portanto acredito como um físico quãntico que não me lembro seu nome que nosso corpo é! (A projeção de nossa consciência) e consciência é energia que permanece assim chego em São Francisco com a (idéia de que morrer é nascer) e na terra em Lavoisier em (tudo se transforma) na terra em vidas diferentes.

    208. Marinei   •  

      É concebível a ideia assustadora da morte, já que desde os tempos mais remotos a igreja pregou a morte com conceitos sombrios, pois todos seriam julgados ao morrer. As passagens bíblicas, as imagens pintadas nas paredes das igrejas, principalmente na idade média, onde o analfabetismo era em massa, um retrato de uma morte que traria, após o julgamento, o o paraíso ou o sofrimento eterno. Como diz a música de Pitty: quem não tem teto de vidro que atire a primeira pedra! E assim o temor se espalhava, já que os tetos eram de vidros frágeis! Quantos anos já se passaram para que algumas mentes ousadas percebessem que é possível ver com outras lentes a morte!

    209. Antonio Carlos Braga   •  

      Parabens doutor Eduardo o senhor me ajudou muito no que li, só conheci seu Site a uns 3 meses no Site da doutora Karine (incosciente coletivo) de quem sou muito agradecido, felicidades e peço que continue, porque o autonhecimento para mim é o caminho da espiritualidade, e o senhor através de seus conhecimentos na parapsicologia somente engrandesse meu saber e me coloca na trilha de minha evolução consciente. obrigado Braga Cuiabá

    210. fernando canton   •  

      Parabéns !!!
      meu caro, você tem feito bem a muitas pessoas…
      Seus questionamentos, frases, comentários, “conselhos” e inquietações nos ajudam a refletir e meditar, a reconhecer nossas incongruências e a sentir a verdade sobre nós mesmos cada vez mais próxima.
      É muito importante o que você faz, parabéns !

      Fernando Canton

    211. Armani   •  

      Parabéns!!!

      Em um ano, com o tema restrito aos que querem se autoconhecer (que não são muitos), o sucesso já é uma realidade.
      Questionar os nossos conceitos, olhar para dentro de si mesmo, raciocinar (ufa que coisa mais difícil…) e fazer a escolha acertada, são as coisas mais complicadas para o ser humano atual, pois estamos todos “doentes e dormindo”.
      Retirar a venda de nossos olhos, abrir a mente para a realidade da vida, ser feliz, apontar novos caminhos, novos meios de ver a vida, curar feridas imaginárias… é precisamos de ajuda, e muita…

      Siga em frente, e que o sucesso o acompanhe. (mas quem ganha somos nós que o seguimos)

      Grande abraço,
      Armani

    212. Débora   •  

      Eduardo!

      Parabéns pelo blog e artigos publicados.
      Leio todos e adoro! São artigos interessantíssimos e me trazem uma reflexão a caminho de mudanças e de um despertar mais consciente.

      Te vejo!
      Abraço,
      Débora – Fortaleza / CE.

    213. Rozangela   •  

      Parabéns ao Professor. Sucesso e obrigada pelos grandes temas abordados no blog.

    214. Magda   •  

      Sucesso hoje e sempre.

      Abraço,
      Magda.

    215. sandra gomes lima   •  

      Parabéns Eduardo!!!Pela iniciativa, pela persistência, pela dedicação, pela sabedoria …….com certeza os temas aqui abordados nos enriquecem muito, nos fazem “pensar”……e considero este primeiro ano como um aperitivo…….agora vamos aos pratos principais!!!!!!
      kkkkkkkkk…….Grande abraço, muito sucesso, luz, força, paz!!!!!

    216. Maria Inês   •  

      Excelente artigo a começar pela ilustração da poesia de Ferreira Gullar que emociona e convida ao encontro dessas duas partes: o que sou e o que desejo ser. Calou profundamente em meu ser a leitura, percebi essa dicotomia do aprendido e do aprender, sonho e realidade, verdade e ilusão. Desejo encontrar o equilíbrio diante dessa dicotomia e penso que estou a caminho. Grata

    217. Andréa Menezes Rocha   •  

      Podemos buscar a acomodação, mas há um despertar em nosso íntimo que não nos permite este equívoco! A desordem surgirá para que busquemos as devidas mudanças e possamos avançar. Por isso é imprescindível investir no autoconhecimento. As percepções sinalizam este despertar!
      Obrigada Eduardo por propiciar estas reflexões e ajudar na minha caminhada!

    218. valeria   •  

      Moro no Rio grande do sul, gostaria muito de utilizar essa tecnica. Vc tem alguem que faça aki no sul? Grata

    219. valeria   •  

      Me trato á muito tempo, tenho depressão e transtorno de ansiedade, nesses casos a hipnose ajudaria em que sentido? Moro no Rio Grande do Sul e gostaria que me indicaste um especialista que trabalhe cm isso.

      Grata pela atenção

    220. dirceu de oliveira   •  

      tenho depressao desde os meus 20 anos; hoje estou com 55 anos; já tomei muitas marcas de antidepressivos; ansioliticos; anticonvulsivos; de todos eses anos de uns 3 anos pra cá que me sinto um pouco melhor; e sempre tomando os remedios; eu queria saber se realmente eu ficarei totalmente curado com esse tratamento.; ou muito melhor do que estou; trabalho na area da saude tambem abç.

    221. dirceu de oliveira   •  

      Eduardo sera que a hipnose iria me ajudar bam; quanto tempo leva para uma pessoa entrar em hipnose; quantas sessoes.

    222. dirceu de oliveira   •  

      como funciona o pendulo; e como estudar sobre ele abç.

    223. Sandra Seidel   •  

      Muito bom….

    224. Vanessa Romanus   •  

      Esse vídeo é muito bom mesmo, gosto muito. Bom para refletirmos e termos uma pequena idéia do lugar que ocupamos no universo. E quem sabe ter cosnciência da imensidão de “casas” existentes neste lindo universo.

    225. Kari Ane   •  

      Eduardo, lendo o seu texto, voltei no tempo, um período não muito distante aonde, depois de momentos de tormenta, encontrei o “cantinho confortável”, aquele em que eu me sentia protegida dos infortúnios, da má sorte e até mesmo das pessoas. Houveram algumas tentativas, de pessoas que me viam naquela situação e me convidavam a dar uma olhadinha para o lado de fora e, eu ainda temerosa dizia: não, pra quê? tão tranquilo aqui. Realmente muito seguro, tão seguro que não permitia nem o meu crescimento. Como tudo tem seu ciclo, também tive o meu e, hoje, como a letra de antiga música, metamorfose ambulante.

    226. Monica Sarah Salomon   •  

      Adorei o texto Eduardo, estava precisando ler algo assim… Mudei um pouco de rumo nas últimas semanas, e desde então, me vejo perguntando qual o sentido da minha existência aqui na terra.

    227. Eduardo: Acompanho e leio seus artigos, pois, neles, procuro aprimoramentos e conhecimentos para mim, Mas, te proponho uma questão, e se for possível, um parecer seu sobre a mesma. Seguinte: Você, um grande empresário, reto e justo, confiou a um amigo, o mais alto cargo da empresa. Infelizmente, este o trai,e te dá muito prejuizo material e moral, para ti e para empresa. Passado um tempo, o amigo volta, e pede a ti, arrependido, o cargo de volta. Você então pensa: Sou justo para com o meu próximo. Vou dar uma chance ao amigo, e diz a ele: Ao cargo não voltaras, pois careces de confiança. Se quiseres, te darei o cargo mais simples da empresa, com o tempo e por teu esforço, poderás voltar para a posição em que estavas,se precisares de ajuda, me chame. Por ser justo, você o testará e o colocará em prova. Mas só você sabe disto. O amigo então poderá ir embora, te abandonando, ou resolve enfrentar e vencer as dificuldades e ganhar, agora por méritos, a sua antiga posição, mais fortalecido que antes, pois superou uma a fraqueza que o fez cair. Pergunto: Esta estória te lembra alguma coisa ? Cheguei a conclusão, que não existe ciência e nenhuma filosofia seja ela do Oriente ou de onde quer que seja, que nos explique o motivo de nossa existência, de um modo claro e verdadeiro. Mas tem um caminho: Mas ninguém quer se submeter a ele. Sabe Eduardo, achei interessante um parágrafo do texto, mas mudo uma vírgula. Diz assim: Então Dito, o que foi dito lhe pergunto: Sua existência tem sentido? Qual o sentido que tuas ações estão dando à tua vida? Vejo o caminho, e me é claro e explicado, porém, também para mim é dificil me submeter. É questão de coragem. Sempre serei seu leitor. Abraços a ti Eduardo.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Benedito, agradeço seus comentários! Com relação a questão que você propõe, qualquer das duas opções poderão ser úteis, dependendo do ângulo pelo que vês, aliás como tudo. Pelo que entendi, sabes qual o teu “sentido” e só está dependendo de coragem para vivenciá-lo. Quero lembrá-lo que a coragem está intimamente ligada a vontade, assim não acontecerá de estares sentindo essa vontade, terás que fazer o enfrentamento e confiar no caminho escolhido. São nesses momentos de insegurança, em que nos jogamos sem garantias que a vida pulsa como nunca dentro de nós!

    228. Me permita Eduardo, que eu esclareça melhor sobre: Dificil de se submeter e coragem. Vamos lá: Diz um ditado: Trair e coçar, é só começar. Portanto eu digo: Enquanto não começamos a criar coragem e audácia em nos submetermos, a porta em que há a inscrição: MOTIVO DA TUA EXISTÊNCIA, Não se abrirá para nós. Sinceramente, não se viu, não se vê e não se verá outro caminho, para conseguirmos encontrar, a tão sonhada resposta.

    229. Agradeço Eduardo pelo espaço que cedes aos seus leitores, e a mim também, Lembro que religiões, está na mesma linha que ciências e filosofias. E é com sinceridade que submeto a escrita acima à sua apreciação.

    230. sandra gomes lima   •  

      Então…..pensar que muitos atravessam a vida sem saber ou descobrir o sentido de sua existência…….e às vezes está tão perto de nós….mas não queremos ou não conseguimos captar….

    231. Nilsa   •  

      Eduardo ! Seu conhecimento e seus textos enriquecem os que estão “abertos” para entender, por que estamos aqui e qual o verdadeiro Sentido de nossa Existência.
      Agora mais consciente, entendo perfeitamente a citação “passar em branco”.
      Vejo que muitas vezes caminhei perdida, procurando me encontrar em algum lugar que hoje sei ; não existia .
      Grata, sempre !

    232. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Sinto-me privilegiado ao poder ler (e entender) seus textos magníficos. Sinto-me invadido por mais conhecimento, tudo torna-se ainda mais claro. Acredito que o sentido da vida é adquirir conhecimento de pessoas que já conhecem e se dispõe a reparti-lo conosco. O Karma sempre está presente, quer queiramos ou não e, repetindo um yogi, também digo que já morri mil vezes e, se estou aqui é porque ainda não aprendi a lição.

    233. DANIEL   •  

      Belo texto. A conslusão que chego sobre esse assunto é que há muito mais perguntas do que respostas…isso pode parecer desanimador em um primeiro momento, mas gosto de pensar que mais se aprende com perguntas que respostas.
      Não são as respostas certas que nos trazem conhecimento, mas sim, as PERGUNTAS certas.
      Não gosto de pensar em uma conclusão final sobre as coisas, gosto de deixar as questões em aberto, para poder mais facilmente mudar de opinião, estar constantemente moldando minha vida e continuar fazendo as perguntas certas, sem esperar uma resposta, apenas absorvendo todo o conhecimento que uma boa pergunta nos tras.

    234. A gratidão é um sentimento Divino Eduardo. Novamente agradeço este espaço, que você nos cede. Li seu artigo sobre religiões. Meu amigo……Que mente esclarecida e inteligente você tem…….Tudo explicado de modo claro e de fácil compreensão ! E não vai me dizer que foi pelos estudos, porque não foi não. Isto é um dom do espirito. Os estudos tem seus valores, ´pois, eles enriqueceram e apararam algumas arestas do seu dom. Olha, me joga pros lado dos intrínsecos, certo ? Agora dou a cara pra bater.Não tem problema. Por evidências, é possível descobrir o autor de um crime. Certo ? Pois digo também, que as evidências nos aproximam daquilo que almejamos. Por evidências, Ovnis, Erik Von Daniken, Biblioteca de Nag-Hammadi, Biblia, Filósofos Gregos, Filosofia Hindu e, outras mais, Li estes artigos, sem me aprofundar, pois, como um r i o. vi o curso que os mesmo seguiam. Todos eles me deram evidências aqui e ali, das quais cheguei , após muito refletir, a uma conclusão: Há muito que nos céus existem impérios e civilizações. Como surgiram ? Não sei. Porém, estão dando evidências ainda, ( olha os Ovni ai ) e deixaram também ( construções inexplicáveis antigas, com pedras ) Estes impérios, em épocas muito remotas, parte deles, se rebelaram, pois estavam na luz, em harmonia com o Todo Supremo, Aquele que É. E assim agindo, perderam a luz, e foram viver ao seu bel prazer, sem normas de conduta, e só fazendo estragos pelos mundos afora. Hora, muitos deles, assim como o General Romel, percebeu que estava seguindo um louco, ” Hitler “, cairam em si, e resolveram voltar para a luz. E, diante do Grande Supremo, através do seu representante, o Fidelíssimo Jesus ( que já existia ) pediram para voltar, Mas, não perceberam que já estavam corrompidos. E Deus, falando através de seu filho Jesus (Há indícios, que Jesus, era o Arcanjo Miguel, ( Um dos primeiros príncipes – Daniel 10-13,21/12-1 ) Disse o Príncipe para a grande multidão, de diversos impérios, que queriam retornar ao império da Luz: Vejam a si, pois estão todos corrompidos. Não posso aceita-vos assim . Mas, há um planeta que já está preparado, e nele, seus espíritos habitarão em corpos limitados de poder. ( Adão e Eva, foram criados para este propósito. pois, após a desobediência, herdaram a morte. ) também não sabereis donde vieram e nem para aonde ireis. Neste Planeta vocês enfrentarão muitas adversidades com o intuito de desviar vossa atenção do objetivo a qual se propuseram de livre vontade. Terão pela frente seres incorporados, que ainda estão fieis aos rebeldes e que tem por finalidade de atrapalhar e confundir suas mentes, para impedir a vossa volta para a luz. Fazem isto por pura maldade. Haverá filosofias, ceitas e religiões, que de certo modo lhes farão bem. Porém, não vos guiarão ao centro da verdade, sempre passarão pela tangente, pois alguns não conhecem e outros não querem conhecer, as evidências da existência do Pai e de Mim também, uns por falta de oportunidade, outros por orgulho e vaidade. Ele prometeu dar estas evidências para vos guiar para a volta ao reino da Luz, da onde vocês saíram.. (49] Jesus disse: “Bem aventurados os solitários e os eleitos, pois encontrareis o Reino. Pois, viestes dele e para ele retornareis.” ) ( Biblioteca de Nag-Hammadi ) Disse ainda o Príncipe da Luz: O planeta e tudo o que há nele, nada vos pertence, tudo será apenas para vosso uso, pois nele vocês habitarão, para a finalidade que já vós conheceis. Lembro a vocês, que lhes será dado chances de estágios de vida, ou seja: O de usarem mais corpos para que vossos espíritos tenham mais oportunidades de se redimir. Mas cuidado, também aos espíritos rebeldes terão à sua disposição, corpos, pois a eles foi dado o direto de vos provar, E, finalizando disse o Principe da Luz: Aquele que estender a mão ao Pai, Ele o acolherá. e através de mim, e eu vos guardarei e darei mais evidências da verdade, pois reconheceu o erro da rebeldia, e com humildade se SUBMETEU de livre vontade, à vontade do Pai, e a seguir seu caminho de Luz, e voltando assim ao lugar de onde saíra. Agora, mais forte e consciente, pois, tomou conhecimento dos dois lados da moeda.
      Nota – A historia do Filho Pródigo tem muita semelhança com o que foi escrito acima

      Moro só, tenho 65 anos, desde que sou gente tenho este extinto de busca, e em 1968, conhecendo pouco da biblia, ( apesar de muitos estudiosos acharem que deve haver muito erro de tradução e interpretação ) Lembro que li a parte da rebelião dos anjos, e fiquei muito confuso com a situação deste planeta com toda confusão que nele há, através do homem. E neste ano 1968, um dia, sem nada a pensar, num repente,, me veio na mente, como uma voz, lá das profundezas da memória, esta tese.

      Agora, vejo o meu próximo com mais complacência, pois sei que tanto ele como eu, estamos na mesma
      empreitada, não há diferença entre ele e eu, Ambos erramos, e ambos estamos a lutar., assim como todos.

      Perdoe-me pela extensão da escrita Eduardo, mas tinha que te mostrar, o que eu queria dizer a ti sobre sentido da estoria do empresário. Se você ler, não me será estranho e acharei natural se disser: Minha nossa ! Cada um que me aparece…….Haja paciência. Cois’de doido seu ! Fazer o que né ? Fui inventar o Blog, agora tenho que aguentar……..Brincadeirinha Eduardo. Sei que é uma pessoa Educada e esclarecida.

      Ai está Eduardo. É com sinceridade e humildade, que acatarei vosso parecer, se assim achares necessário. E, também aos amigos leitores deste excelente Blog, pois as críticas, para mim, é sempre um aprendizado, seja ela de qualquer natureza.

      Agradecido – 17-07012. Benedito.

      • Cláudio Cesar de Lima   •  

        Prezado Benedito Alves de Souza:

        Com todo o devido respeito, creio que seu comentário além de extenso é inconclusivo, o que demonstra leituras desencontradas. Sugiro, assim, focar em algo que mais o prende, por exemplo ao estudar profundamente o Gênesis e “correr” atrás do ali descrito, comparando-o com outros relatos muito, muito anteriores, chegará finalmente ao capítulo de Ezequiel, sua “visão” que lhe mostrará exatamente o que quer ver. Então compreenderá tudo. Ou não.
        Talvez se visitasse a construção das pirâmides, as linhas de Nazca… Há tantos mistérios a serem desvendados por pessoas investigativas como o senhor…

        • Amigo Claudio C. de Lima:

          O Blog do Eduardo, tem por finalidade, através da sabedoria e conhecimento, orientar-nos e ensinar-nos, condutas saudáveis do bem viver. Portanto, peço ao Eduardo desculpas e, agradeço por ceder este espaço, para nós, seus leitores.
          Vê-se portanto que estes comentários, foge um pouco da finalidade deste blog.
          Vamos lá Claudio:
          Concordo plenamente contigo. Meu texto, está um tanto confuso, faltando mais elementos para a melhor compreensão sobre a ideia principal que está no texto.
          Sabe Claudio, fui escrevendo, escrevendo, e no fim saiu esta atrapalhada que você leu.. A ideia principal que desejei transmiti, foram frutos de frases e sentenças, as quais li, e juntando-as me levou a conclusão que expus no texto. Frases e sentenças da onde ?
          Biblia católica ( Exequiel também ), e Novo testamento também, Erik Van Daniken, Evangelho de tomé, (apócrifo ) Apócrifos de Nad-Hammadi, Séries do filme ” Ancient Allein ” ( Neflix ) Estória de Melquisedeque ( Apcrifos ) Evolucionismo de Charles Darwin e finalmente os famosos O.V.N.I. da antiguidade e os atuais.
          De tudo isto, captando um fato aqui; uma frase ali, foi que formei uma tese, que a expus no teste acima.
          Mas estou ciente, que há muitas revelações que está por se descobrir ainda.
          AGRADEÇO SUAS PALAVRAS SOBRE O QUE ESCREVI. FOI MUITO BOM PARA MIM, A SUA OPINIÃO, E MUITA SATISFAÇÃO TAMBÉM, E TER ENCONTRADO PESSOAS COMO VOCÊ. SE FOR POSSÍVEL A TI, E SE TIVERES TEMPO: alves.dito@hotmail,com.

          Eduardo: Estando eu numa noite, me senti cansado e desanimado de tudo isto, e, num impulso cliquei em sair do seu Blog. Peço a ti, desculpas, e humildemente, solicito que me aceite de volta, Sei que sentirei falta dos teus artigos. Conto com vossa compreenção. Grato. Dito.

    235. Se me permite Eduardo, quero dizer uma coisinha:

      Pelo amor de Deus gente. Não quero dizer pelo que escrevi, que sou dono da verdade. Nem pensar !

      Como já disse: Desde que me tenho como gente,
      tenho este extinto de pesquisar, descobrir sobre
      os enigmas da humanidade.

      Quando eu morrer, e chegando lá em cima,, vejo que tudo o que escrevi não é nada disso. E ai, como é que fica. Heim ? O problema é que não posso voltar e dizer
      pro Eduardo e para os amigos que leram o artigo, o seguinte: Gente, eu me enganei, me desculpem, é tudo mentira, a coisa é bem diferente.

      Mas, por outro lado, e se por sorte for verdade ? Dá mesma forma, não poderei voltar e confirmar o que escrevi.

      Portanto, cada um leia, e guarde o que lhe for bom,. O resto, como se diz: Delete……………..

      Grato Eduardo, pela sua bondade.

    236. Adriana   •  

      Eduardo,
      Parabéns pelo seu sucesso, e por toda a sua formação.
      Graças a seus trabalhos na parte pessoal a para a minha empresa, hoje estou muito feliz crescendo cada vez mais profissionalmente, pessoal e espiritual.
      Um grande abraço, em breve estaremos em Jaraguá do Sul, e iremos lhe visitar.
      Adriana

    237. Olá Eduardo ! Boa as mensagens do vídeo. Transmite ensinamentos do bem viver e traz à tona a velha questão do porque de estarmos aqui e, mesmo sendo pessoas de altos conhecimentos, vê-se que todos estão ainda a tatear no escuro. Agora, sem sombra de dúvida, a mensagem que me tocou profundamente, foi sobre a ” compaixão “. Pelo que entendi, o se humano que se move pela compaixão, compreendeu o motivo do sentido da vida. Compartilho esta qualidade. Pena que não tem Facebook. Abraços a ti……..

    238. Cláudio Cesar de Lima   •  

      “Somos todos um” é uma joia que, inicialmente bruta e que não tinha pretensões, transformou-se em rara beleza, um poema para ser impregnado em nossos corações. Parabenizo aos autores e vejo que grandes obras às vezes ( ou muitas vezes ) são criadas em garagens e tornam-se modificadoras.


    239. Benedito Alves de Souza:

      Se me permite Eduardo, quero dizer uma coisinha:
      Pelo amor de Deus gente. Não quero dizer pelo que escrevi, que sou dono da verdade. Nem pensar !
      Como já disse: Desde que me tenho como gente,
      tenho este extinto de pesquisar, descobrir sobre
      os enigmas da humanidade.
      Quando eu morrer, e chegando lá em cima,, vejo que tudo o que escrevi não é nada disso. E ai, como é que fica. Heim ? O problema é que não posso voltar e dizer
      pro Eduardo e para os amigos que leram o artigo, o seguinte: Gente, eu me enganei, me desculpem, é tudo mentira, a coisa é bem diferente.
      Mas, por outro lado, e se por sorte for verdade ? Dá mesma forma, não poderei voltar e confirmar o que escrevi.
      Portanto, cada um leia, e guarde o que lhe for bom,. O resto, como se diz: Delete……………..
      Grato Eduardo, pela sua bondade.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Pessoal, a ideia desse blog é a reflexão e discussão de assuntos ligados ao autoconhecimento e, portanto, a evolução da consciência. Não existem “verdades” e tudo pode ser discutido sem nenhum problema, desde que não haja intolerância e radicalismo. O que é muito difícil de ocorrer, já que as pessoas que frequentam tem esse espírito aberto. Como diz Rumi: “volte mil vezes”. Todas as opiniões são bem vindas e acolhidas! Não existe uma verdade absoluta mas pontos de vista.

    240. regina tavares feitosa   •  

      para mim todos os documentarios é interessante para mim. Parabens!

    241. regina tavares feitosa   •  

      parabens! pela oportunidade que voces estao me proporcionando em conhecer seu trabalho. Me sinto radiante com tantos conhecimentos e gostaria de tambem compartilhar essa luz.

    242. É, o véi aqui, além de maluco, acho que está ficando cego, Não tinha visto, agora que me deparei com o janela do Facebook. E que janela ! É, é a idade gente, me desculpem…

    243. Ana Maria   •  

      Obrigada professor… adoro ver filmes com ótima indicação, filmes que acrescentam, já tinha desistido de sentar em frente a tv… mais uma vez, obrigadão!!!

    244. sandra gomes lima   •  

      Assisti ao filme e concordo que para termos um bom filme precisamos apenas de bons atores e um bom roteiro…..e não de apelações…….Max Von Sydow dá um show…..Aproveito para sugerir, em outra linha , digamos assim, A Mulher de Preto…….

    245. Magda   •  

      Adorei a sugestão! Obrigada.

    246. RS Money   •  

      Oi, meu nome é Daniel Berman e eu sou um criador de séries de TV, produtor / diretor, DP, fotógrafo, editor e fundador dos Prémios móvel de fotos.
      Gostar de ler o seu post! Continue fazendo o bem!

    247. Antonio Carlos Braga   •  

      Obrigado Eduardo fui rotulado já passados 32 anos de esquizofrênico, mas nunca acreditei nisto, me aposentaram jovem na Embraer, tomo sim os medicamentos, mas nunca alterou nada em minha vida extamente por eu ter perdido o medo do ridículo e não me preocupar com os preconceitos, já publiquei um pequeno livro e tenho mais dois para serem publicados, e fui elogiado pela esxelentíssima senhora presidente da Academia matogrossense de letras não acredito que tenha divagações delirantes e tenho uma vida normal obrigado gosto de Osho e de ler todos os seus valiosos artigos obrigado Braga

    248. Nilsa   •  

      Grata Eduardo ! Li e reli este tema, e à cada leitura o texto me mostra e ensina algo mais… Penso também no número de pessoas consideradas doentes ( loucas ) ,que receberam ou recebem tratamentos médicos específicos ( por vezes tão agressivos ), quando na realidade a própria ciência ainda se divide sobre este tema ( no meu entendimento tão complexo), levando à diagnósticos errôneos e afastando da realidade e do convívio social pessoas que somente são diferentes ( por opção ou não ) das consideradas”normais”.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Nilsa, isso que colocas é bem verdade; quantas pessoas são medicadas e muitas privadas da sua liberdade por serem “saudavelmente” loucas? Imagino que muitas. Esse é o preço que se paga por estar fora do padrão normal…

        Grato pelo sempre oportuno comentário!

    249. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Pois é… Se posso pensar que Deus sou eu! E… bruuuuum! Às vezes pensamentos estranhos podem vir, tais como: será tudo isso a realidade ou a “minha” realidade? Certa vez um professor nos disse que ele estava ali como professor mas, que não poderia aquela posição ter sido inventada por ele e que até poderia ser que não estivéssemos ali e que ele estivesse falando sozinho para alunos fictícios? Não podemos inventar tudo?
      O “Penso, logo existo” parece estar ficando cada vez mais distante e confuso.
      Porém, professor, sei que está aí e que seus artigos nos levam a ter a certeza que realmente estamos aqui, não estamos sonhando, mesmo que ao lê-los tendamos a sonhar.
      Parabéns de novo!

    250. Pingback: A CONFIANÇA | Blog Eduardo O. Carvalho

    251. Pingback: A CONFIANÇA | Blog Eduardo O. Carvalho

    252. Maria Inês   •  

      Ótimo artigo
      Decisão significa enfrentamento, confronto de idéias, romper paradigmas e isso causa impacto na vida. Verifico
      que diante da escolha me sinto desconfortável e preciso romper algumas barreiras criadas pelos muitos “não Pode” ouvidos durante minha trajetória de vida. Por outro lado verifico a ação do medo em tudo que fazemos ou precisamos que fazer. “Viver é matar um leão a cada dia dentro de nós mesmos” . Na maioria das vezes esse leão chama-se medo.

    253. Carlos Laercio   •  

      GOSTARIA DE SABER SE VOCÊ TEM ALGUMA PESSOA QUE POSSA SER INDICADA QUE TRABALHA TPV AQUI EM A BAIXADA SANTISTA , POIS TENHO MUITO INTERESSE EM ME TRATAR COM ESSA TÉCNICA

    254. Maynara Klug.   •  

      Assisti esse filme também por indicação e concordo plenamente que ele retrata exatamente isso, a impossibilidade de questionamento pelos dogmas da igreja, da política e do poder dominante que é exatamente o que vivemos. Achei admirável ela se manter fiel até o fim aos seus princípios e a sua filosofia. Excelente filme.

    255. Rah Amado   •  

      Gracias, Eduardo, por nos repassar mais essa informação e junto dela, as suas considerações valiosas! Vou procurar o filme e assistir!

      Grande abraço da Rah.

    256. tiago motta   •  

      e esse ciclo de intolerância só terá fim com o fim das religiões ou no seu comprimento do verdadeiro significado que é religar sem dogmas ou trilhos.fica a palavra de buda sempre atualíssima
      “O eu é o mestre do eu. Que outro mestre poderia existir?
      Tudo existe, é um dos extremos.
      nada existe,é o outro extremo.
      Devemos sempre nos manter afastados desses dois extremos,
      e seguir o caminho do meio.”

    257. tiago motta   •  

      obrigado eduardo por dividir seu conhecimento e ajudar nos deixar mais conscientes mais acordados

    258. Matheus Gomes   •  

      Eduardo, diminuir a importância do passado é com certeza um ato de “suicídio social”, afinal a experiência se mostra importante a partir do momento em que relacionamos o passado com o presente, criando assim o conhecimento, que por sua vez leva progresso e racionalização da nossa sociedade. Se mais pessoas pensassem assim como você, não haveria progresso nessa sociedade que já está bastante corrompida pelo hedonismo e epicurismo que você tanto propaga.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Matheus, minha relativização do passado é mais em termos pessoais do que sociais. Até porque nossa sociedade, que tem se desenvolvido muito tecnologicamente, continua primária em quase todos os outros aspectos. Continuamos com guerras por todo o planeta e gente morrendo de fome por pura ganância econômica. O passado não tem sido muio útil pelo visto… Do ponto de vista pessoal, o passado pode contar minha história, somente isso. Hoje a maioria das pessoas tomaria atitudes diferentes, porque, simplesmente, mudou! Mesmo a psicanálise que se estrutura toda em cima do “ontem” já está sendo abandonada em relação a outras abordagens onde o hoje conta mais, afinal é a base do amanhã. Para Epicuro o prazer é configurado como total ausência de sofrimento e domínio sobre as emoções e sobre si mesmo. Se esse é o que conceituas como hedonismo, sem problemas de me incluir. Faço parte de tantas correntes de pensamento que até já perdi a conta, porque todos tem um pouco da verdade. Grato pelo seus comentários!!

    259. Éwerton Vegini   •  

      Eduardo, boa noite!
      Em certo momento do vídeo, Satan pede as crianças para “modelarem algumas pessoas” para ele.
      Fantástico.
      Vejo vc.
      Éwerton Vegini

    260. aparecido carlos sales   •  

      barbaro o texto , realmente a pior escolha é não escolher.

    261. Cy   •  

      Que interessante seu texto. Descreve exatamente o que acontece comigo. Mesmo sem nunca ter estudo este tipo de coisa, creio que existe um lugar que chamo de “Fonte de Todo Saber”, onde posso ir vez ou outra. Gosto de escrever, mas não posso escrever sempre que quero. Para que aconteça, acontece um processo que dura vários dias. Eu simplesmente saio de mim e viro apenas uma espécie de sensação. Sinto cheiros, vejo mais cores, fico completamente á flor da pele. E dentro de mim, as emoções começam a se misturar. Então, sem mais nem menos, o texto nasce. Sem que eu tenha controle sobre o que irei escrever. Chamo este estágio de gestação. Foi maravilhoso ler seu artigo, pois você falou coisas que fazem muito sentido prá mim. Obrigada

    262. Nilsa   •  

      Eduardo ! Lendo este texto, vejo que ao escrever houve “entrega total” ( insight, intuição,introspecção,… ?) quanto conhecimento e informação à nos levar mais uma vez ao mergulho interno, ao deixar fluir ! Nos mostrando que é na leveza do Ser, que tudo está. Grata.

    263. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Eduardo:

      Depois de compartilhar tanto conhecimento, depois de nos inundar com essa luz, apenas respondo à sua pergunta: sinto um tapinha no bumbum e escuto meu primeiro choro, seguro pelos dois pés, e logo um sorriso infantil aparece em meu rostinho de recém-nascido.

    264. M. Müller   •  

      Obrigado Eduardo por este texto maravilhoso somente acrescentando e não sendo redundante devido aos comentários dos colegas já postados, lí recentemente que a escritora J.K Rowling, depois de Harry Potter sucesso absoluto, esta lançando seu novo livro um romance adulto The Casual Vacancy e trabalha agora em dois outros livros para crianças. Perguntaram sobre a origem de sua criação e ela responde que tudo o que fará em seguida dependerá do seu modo de transporte, pois já que Harry Potter nasceu em um trem e “The Casual Vacancy” em um avião. “Obviamente, eu tenho que estar em algum tipo de veículo para ter uma ideia decente”, concluiu…
      Abraço

    265. simone veiga   •  

      Boa noite!

      Adorei, o documentário, atualmente estou lendo um livro que fala sobre: O medo é uma masturbação mental e diz como se livrar dele para sempre e fala sobre a psicoterápia evolutiva, estou achando maravilhoso `a leitura. OBRIGADA SIMONE VEIGA.

    266. Graciele L Micheluzzi   •  

      Boa noite…
      Como somos insignificantes ao nos depararmos a esta imagem, nos faz refletir sobre nossas atitudes, pela capacidade de superarmos os obstáculos que a ao longo da vida, onde amadurecemos ou até mesmo nos cristalizamos pelo próprio egoismo e esquecemos de olharmos com maior respeito e humildade as pessoas que estão ao nosso redor, resumindo criar vergonha na cara pois afinal somos filhos e semelhantes de Deus!!

    267. Sandra Seidel   •  

      Sonhos, o elixir que nos mantem vivos.
      Realmente incrível.

    268. maria helena   •  

      Emocionante!
      Não deu para conter a emoção!
      Realmente, o que nos mantém vivos, são nossos sonhos…
      obrigado professor!!!!Boa e feliz semana para voce e sua família.
      Um grande abraço.
      Lena/mensal 19

    269. Ed CArlos   •  

      its amazing
      isto é decisao, definicao
      isto é o verdadeiro querer
      o sabor da vida,
      a vontade intrinsica de superacao, luta, fé, de ordem
      os resultados ficam gravados, o labor tambem
      o ser evolui, é tudo do ser,
      é a liberdade de Ser

    270. Marinei   •  

      Se isso é ser louco, me entrego a loucura! Me entrego a surdez, para não ouvir as vozes dos mortos que vivem em nossa sociedade.
      Obrigada por compartilhar sabedoria!

    271. Pingback: O Intermediário | Blog Eduardo O. Carvalho

    272. maria helena   •  

      olá professor Eduardo!!!!!!
      Adoro seu blog!!!
      Saudades de suas aulas!!!
      Um grande abraço!!!!!

    273. Karina   •  

      Lindo o documentário… a mais pura poesia!

    274. Muito interessante esta questão levantada por este texto do Eduardo: ” Deus após criar o homem não disse se foi bom ou ruim “. Acredito que Ele tenha dito: Vocês ainda estão incompletos, Fiz o que estava ao meu alcance por vocês, em respeito ao vosso livre arbítrio, agora o resto é com vocês. Tens dois caminhos à vossa frente para seguir: Um, que levará à Luz e à sabedoria , outro, à escuridão e à ignorância, a escolha é de vocês. Sinceramente, eu Benedito, não sei o que aprontei para estar no meio desta encascada toda. Mas deixa pra lá, o negócio é seguir o caminho da luz, é dificil, mas seguramente é o que me faz sentir mais seguro, Sou gnóstico, mas sei a diferença entre virtudes e conhecimento. Respeito Osho, mas não me atento muito a ele. Me ligo mais a Jesus, é mais claro e mais objetivo. Bem, vou parar por aqui, porque sei que O Eduardo já me conhece……Mas gostei muito deste texto. Sinto falta de mais postagens……

    275. Pingback: Suicídio | Blog Eduardo O. Carvalho

    276. Andréa Menezes Rocha   •  

      Olá Eduardo
      A estatística, que sabemos ser parcial, nos entristece demais. Sendo também voluntária do CVV e estando sempre em busca do autoconhecimento para uma vida plena, quero parabenizá-lo por sua coragem em abordar este assunto.

    277. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Seu artigo deveria ser lido por pessoas em situação de extremo sofrimento, que julgam que aquilo não terá fim e certamente descobrirão que na verdade o importante é viver o agora e que amanhã não existe. Suas palavras impedem uma faca cravada, um estampido em algum quarto sujo de hotel, um lançamento no abismo e mostra que há um outro caminho, uma vida que pode ser recomeçada e, por isso, além de permitir a vida, blinda-a com o óbvio.
      Viver é algo tão precioso, respirar é tão misterioso quanto simples, assim como a contemplação de tudo que nos rodeia na natureza. E ao nos contemplarmos, olhando-nos como possuidores de parte de todo esse mistério e beleza, dificilmente daremos fim ao que não sabemos o que será amanhã; não podemos imaginar nem mesmo o próximo passo e muito menos impedi-lo.
      As pessoas que por qualquer motivo estejam em estado depressivo deveriam, antes de mais nada, respeitarem-se, não ter medo, esquecer de ontem,não imaginar o amanhã. Poderiam, melhor ainda, levar o seu artigo no bolso e nas horas de desespero lê-lo como se fosse uma oração.

    278. sandra gomes lima   •  

      Então, esta é uma questão extremamente complexa…..por 45 anos convivi copm um familiar que ameaçava suicidio das mais diversars formas:se jogar em baixo de uma caminhão, tomar veneno de rato, tomar uma overdose de tranquilizantes, etc…e após 45 anos de ameaças, esta pessoa desencarnou de forma natural.Então como saber se estas ameaças realmente irão de concretizar ou não?Penso ser este um ponto que deva ser investigado a fundo por profissionais competentes, para aliviar o sofrimento não só do potencial suicida,digamos assim,mas da familia e amigos que acabam recebendo a carga de constantes ameaças.

    279. Cristiane N. Baruffi   •  

      Eduardo, parabéns pelo artigo.Ontem assisti um filme e gostaria de recomendar para quem ainda não assistiu. O nome do filme é Veronika decide morrer, é uma adaptação da obra de Paulo Coelho.O filme é perfeito e mostra exatamente o que uma pessoa sente e o que ela busca com o suicidio, aonde tbem mostra que essa pessoa tem uma nova chance, e vai de encontro com tudo o que você diz no seu artigo. Abraços.

    280. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Uma obra de arte para ver, rever, rever… assim como livros que teimamos em reler extasiados pela singeleza e superioridade.

    281. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Não creio que um deus tenha que descansar, ou mesmo que arrependa-se de sua criação, exceto se ele mesmo não for perfeito. Aliás, se é onisciente já deveria saber, de antemão, que o homem seria o que é, com todas as suas imperfeições.
      Também é inacreditável uma criação como a citada, o que impossibilitaria pinturas e provas de existência de milhões de anos. Porém, a Bíblia – muito embora deturpada com o passar dos anos – é uma verdade inegável, o que sugere realmente a criação relatada.
      Como poderia ser, se há milhões de anos o homem já habitava a terra? A explicação me parece óbvia: Foi uma criação … hum… particular, uma espécie de teste…
      Difícil (diria Galileu) continuar acreditando que o sol gira em torno da terra, ou que estamos sós no universo, superiores a outras existências.
      Portanto, que tal abrirmos os olhos para outras possibilidades aparentemente fantásticas? Certamente que quando tudo se esclarecer estaremos mais preparados para compreender e aceitar que sempre estivemos com os olhos fechados.

    282. fernando canton   •  

      Penso que somos espíritos solitários que se relacionam durante a “viagem”…
      Ninguém nos acompanhará pela eternidade…

      parabéns pelo artigo,
      fernando canton

    283. neusa seiffert   •  

      muito verdadeiro!

    284. Andréa Menezes Rocha   •  

      LINDO LINDO LINDO

    285. Vanessa Romanus   •  

      Muito bom…estou adorando meu momento de solidão, estou tão preenchida de mim mesma, que acho que vou transbordar rsrsrsrs…..feliz da vida!!!!

    286. Teresa   •  

      Eduardo, tenho procurado o video de Estranho misterioso, sem sucesso. Você sabe onde poderia encontrá-lo e com tradução?
      Aguardo seu contato!

    287. Pingback: A BUSCA DO HEROÍSMO | Blog Eduardo O. Carvalho

    288. fernando canton   •  

      Sem palavras…muito profundo e verdadeiro.
      Sempre parabéns.

    289. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Dizer o que, Professor? Basta assimilar sempre as suas palavras, aprender, vencer esse medo e, finalmente, nos tornarmos humanos.

    290. Luzia mensal 16   •  

      Boa Tarde Eduardo, como vai?
      Meu computador deu pane e perdi meu Email.
      Esse é o Email da clinica, enquanto eu não conseguir recuperar o meu.
      Muito Obrigada.

    291. valéria   •  

      Tenho uma convicção de que a existencia do ser humano é feito atraves de suas escolhas, muitas vezes dificil de decidir e ainda mais de compreender, os paradoxos criados apartir da infancia é o que determinam para tantas duvidas criadas ao longo do tempo, é mais facil as pessoas deixar suas escolhas nas mãos alheias, onde é mais seguro, do que decidir por elas mesmas.

    292. Pingback: Final de Ano | Blog Eduardo O. Carvalho

    293. Sandra Seidel   •  

      Muito Bom….o assunto e a badalada do relógio kkk

    294. Cristiane Weber   •  

      Feliz Ano Novo pra ti também, Eduardo! Grande abraço e obrigada por todo o conhecimento que compartilhaste conosco em 2012!

    295. Marcelo Müller   •  

      Olá Eduardo! Feliz 2013! outro exemplo como ficaria a numerologia de 23/08/2013 pois a soma ficou em 19 ?? Abraço

    296. Rah Amado   •  

      Belíssimo filme, com certeza! Mas o livro é ainda mais primoroso em detalhes e a expectativa gerada entre capítulos nos faz experienciar uma angústia engrandecedora, ainda mais reveladora dos nossos medos e conquistas psíquicas! Ótima dica, Eduardo!

    297. Nilsa   •  

      O filme é realmente maravilhoso.
      Vou seguir a sugestão acima e procurar pelo livro.
      Quando “se abre um espaço”, há sempre uma troca.
      Muito bom que seja assim.

    298. Angela Maria   •  

      Nem tinha ouvido falar desse filme, mas agora sim assisti… Amei e recomendo!

    299. Idebenone   •  

      Sempre digo a meus clientes que a condição básica de bom relacionamento com outras pessoas é um ótimo relacionamento intrapessoal, ou seja, conviver bem consigo e em solidão. É justamente nos momentos que estamos sós que conseguimos avaliar com mais clareza e calma nossos relacionamentos, o que realmente gostamos e queremos para nossa vida, juntando com entendimento nossos “cacos”.

    300. May   •  

      Excelente a abordagem do assunto, bem clara e explicativa. Você fica muito bem no vídeo! Já pode pensar em programa na TV! rs

    301. Monica Sarah Salomon   •  

      Ótima recomendação Eduardo!

    302. tiago   •  

      muito bom o livro

    303. Rosangela   •  

      Oi Eduardo! Muito legal este formato pro blog e a dica então é ótima! Parabéns e obrigada!

    304. May   •  

      Concordo em todos os sentidos!
      Estava mesmo esperando suas considerações a respeito e sabia que seria exatamente desta maneira.
      O que mais me choca é a quantidade de pessoas procurando culpados, o que me leva a crer que as pessoas realmente acham que encontrando-os vão ter sua dor diminuída ou se sentiram vingados.
      O fato disso virar assunto numero 1 na mídia já nem me espanta mais, só consigo achar deprimente isso virar um sensasionalismo barato. Não me deixar afetar pelo sofrimento alheio apenas como um expectador ávido pelo show de horrores há muito tempo faz parte dos meus hábitos diários. Isso me faz ser “fria”? Não…ser frio é assistir de camarote a dor dos outros apenas para entender pelo caminho mais curto que a minha pode ser menor.
      Excelentes colocações! Parabéns.

    305. Dani   •  

      Tenho de dizer que faço de suas palavras a minha consideração a respeito de grande parte das catástrofes que acontecem ao redor do mundo!
      Se não for pra fazer algo de prático para ajudar as vítimas, se for apenas para escarniçar, fecho minha mente para isso.
      Quanto ao comentário acima, concordo; ficar procurando culpados nao vai diminuir a dor de quem perdeu alguém… Quer ficar revoltadinho com a sociedade por causa de algo que não foi proposital?
      Mas não moveu um dedo para ajudar ninguém, certo?
      Faça um favor a si mesmo e pare de pensar a respeito, pare de falar a respeito!

    306. Marcele   •  

      Nossa! Incrível suas considerações.Adorei!

    307. tiago   •  

      um ponto que me chamou a atenção foi o quanto as pessoas querem um culpado não interessando se esse realmente exista. O quanto é fácil fazer julgamentos e apontar dedos colocando de lado todas as suas próprias falhas como se as mesmas nem se quer existissem e querendo punir alguém como se amenizase o sofrimento.A outra coisa que me chamou a atenção foi justamente essa “solidariedade” sem sentido nenhum como uma senhora que possou o dia chorando junto com os familiares das vitimas e participando do reconhecimento dos corpos mas o interessante é que ela era de outra cidade e não conhecia nenhum familiar nem mesmo as vitimas veio como disse ela dividir a tristeza daqueles pais ou seja alem de não ajudar em nada ainda estava atrapalhando como disse o eduardo é gostar de sofrer deve ter coleções de chicotes

    308. Antonio Carlos Braga   •  

      Querido Eduardo gostei de suas considerações, você como profissional que é, me ensinou uns detalhes de como evitar sofrimentos futuros nesta higienização emocional.
      Possivelmente eu tenha radicalizado e somente assisto na tv pouquíssimos programas elucidativos, e noto que existem efeitos direcionados que acontecem com as trocas constates de luzes nas mudanças de cenas ininterruptas que nos prendem e nos tomam as atenções.
      Me preocupo também com uso errado de marketing no uso de frases com fins subliminares até com sintetizadores de ondas cerebrais.
      É quando eu saio na mesma hora.
      E só não observa estas mensagens direcionadas com o único intuito de vender, comerciar, infantilizar levando o telespectador a uma hipnose coletiva o transformando num consumista compulsivo, que não quiser observar.
      Obrigado!
      Antonio Carlos Braga Cuiabá MT

    309. Irece Ribeiro   •  

      Concordo plenamente com você. Essa higiene emocional é básica para se viver com equilíbrio. sou Psicoterapeuta e muitas vezes sou questionada se não me abalo emocionalmente com os relatos dos meus pacientes, ora se eu não tiver controle consciente das minhas emoções e de saber que o problema do outro é do outro, eu jamais poderia ajudá-los.
      Parabéns pela reflexão!

    310. Elisangela   •  

      Concordo com suas palavras Eduardo, nessas tragédias a mídia contamina as pessoas de tristeza e com que intuito? Esse é o momento de fazer orações e ter sentimento de compaixão por todos os familiares que sofrem neste momento…..
      Observo e percebo cada vez mais as pessoas comovidas com essa situação e outros acontecimentos que surgem ao seu redor e se enchem de tristeza e medos, isso não adianta de nada… ao contrário acabam se prejudicando com tais emoções desnecessárias, pois acreditam que compartilhar o sofrimento do outro, amenizará o acontecimento ocorrido. A Higiene Emocional é imprescindível, me sinto muito melhor ao desligar a tv e não assistir jornais, dessa forma vivo a minha vida com as minhas emoções, sem absorver o que não me pertence e que não há necessidade de sentir.
      Obrigada pelas palavras

    311. Maria Inês   •  

      Concordo com o que foi dito acima a tragédia de Santa Maria mostrou vários tipos de sentimentos. Tenho uma tendência de fugir desse tipo de notícia. Ex. ouvi o que aconteceu mas não quis ficar ligada me sinto mal. Pode até ser covardia mas não aguento ficar focada. Fiz minha oração para as vítimas e familiares e procurei sair dos noticiários.

    312. maria helena   •  

      “a sofredora compulsiva” e a tia madrinha as quais ja sabes quem são adoraram teu artigo;ambas juraram que vão lembrar sempre de higeniziar a mente e não tentar carregar todas as tragedias do mundo ,para levar a vida com mais levezA e mais prazer sem culpas. bjs MH

    313. Pingback: A prática do Relaxamento | Blog Eduardo O. Carvalho

    314. Israel Luciano Pereira   •  

      Caro Eduardo, parabéns pelo texto. Muito ensinamento com palavras sábias.
      Abs Israel

    315. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Ao nos referirmos a anjos o que acho mais estranho é termos sempre um “demônio”, o que sugere, desde o começo a inutilidade de ambos como protetores e destruidores, e que nos leva – ao escutar “cresça, cresça”- que somos nós mesmos, e como em outro provérbio prevalecerá aquele a quem alimentarmos, o que poderia sugerir – numa escolha errada – em “desça, desça”.
      Portanto, somos os responsáveis, estamos sozinhos, ou melhor, acompanhados de nós mesmos, meio escondidos, ou nos escondendo e inventando seres aos quais possamos culpar ou agradecer por todas as escolhas certas ou erradas que foram feitas.
      Portanto, anjos e demônios e deuses é tudo bobagem.

    316. Juliana   •  

      Me identifiquei com a sua percepção quanto a ouvir, ver e falar sobre assuntos catastróficos, eu sempre procuro filtrar esses assuntos, já que sofro de ansiedade e sei que não posso fazer algo para ajudar, não adianta ficar com piedade e vivendo o problema do outro, sempre penso que temos que cultivar as boas notícias e claro que se pudermos de fato ajudar, seria ótimo.

    317. Piracetam   •  

      É preciso começar pela percepção de que toda sociedade tem regras e princípios que permeiam suas atividades. Se essas regras e princípios se apoiarem no respeito às leis divinas, a sociedade tenderá a corresponder aos anseios naturais do homem, resultando em uma estrutura que propiciará o crescimento de todos. Caso contrário, ao desrespeitar as leis naturais, as instituições sociais passam a reprimir o homem, criam privilégios e exceções, geram a violência e inibem o verdadeiro progresso. Cabe-nos, quando nos dispomos ao trabalho de contribuir para a construção de uma nova sociedade, buscar o conhecimento das leis naturais e refletir sobre a sociedade em que vivemos, sobre a nossa posição nessa sociedade e sobre a ação que precisamos empreender.

    318. Reinaldo de Oliveira   •  

      Olá, muito bom seu artigo!
      Confesso que sou uma pessoa muito difícil de mudar! Por que julgo que sou difícil de mudar? Por três aspectos: Primeiramente, porque uma coisa que é, jamais deixarar de ser, se um dia mudar, é por que nunca foi, fingiu ser! Segundo é que existe uma questão de respeito, e acima de tudo, de CONFIANÇA, para com o nosso semelhante! Como assim? Veja bem, ninguém gosta de está do lado de uma pessoa que muda, pois, se ela muda, como posso confiar nela? Esta é questão central: Só nos relacionamos, a medida que o outro, me dá um mínimo de confiança naquilo que fala e faz. E terceiro e mais importante, é que todo ser humano busca a VERDADE! e o que é a VERDADE? Hora se a verdade é um termo muito difícil de se descrever e existem várias definições para a VERDADE, a VERDADE só pode ser o que não MUDA! Pois o que muda é FALSO, nunca foi! Por isso essa resistência a MUDANÇA! Mesmo a VERDADE sendo uma utopia, todo mundo foge da FALSIDADE!

    319. Mauro Fábio Koch   •  

      Penso que é muito sensato o que você fala sobre o material e a liberdade. Temos que ter consciência de que para termos essa “liberdade” o material se faz necessário. E aí está a grande sacada, de se ter esse lado material e não se tornar escravo dele. E sim usufruir do que ele pode nos dar. Esse é o caminho para a espiritualidade.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        É isso mesmo Mauro! Infelizmente fomos condicionados a fazer do material o oposto do espiritual e isso só traz sofrimento. Grato pelo comentário!

    320. Antonio Carlos Braga   •  

      Caro doutor Eduardo sempre o senhor aborda exatamente aquele ponto que no momento completa meu raciocínio ou procura.
      Sou-lhe grato por me fornecer conhecimentos que só me auxiliam no meu crescimento.
      E aos poucos vou deixando para trás o Zumbi que eu era e vou acordando para a vida.
      Obrigado e boa semana Braga

    321. Maria Helena   •  

      Quero acordar professsor!!!!!!! mas a cada dia eu percebo como é difícil “SER”
      Suas aulas e seus textos é que me dão esperança que
      é possível a evolução!!!!

      obrigado!!!!!!

    322. simone belquis   •  

      Oi Eduardo

      Gosto do que você escreve, só não gostaria de concordar que o mundo será sempre mesmo um caos. Mas, talvez você tenha razão e o caos eterno seja mesmo fundamental para o avanço humano. Obrigada por suas ideias tão inteligentes.

    323. Josias Martins   •  

      Mãos em prece _/|_

      NÃO SÃO OS PRAZERES DA VIDA QUE NOS AFASTAM DO ZEN, PORÉM APENAS O COMPROMISSO INTERIOR COM ELES. ditado chines
      No Dharma Josias Sensei

    324. Olá Eduardo ! Fui esquecido pelo seu PC ! Não recebi mais seus E-mail, e tendo seus E-mail arquivados no meu PC, consegui te localizar.
      Este artigo descrito acima, tem tudo a ver comigo, o que realmente almejo, porém nem tudo, pois, como se diz: O que é facil para mim, pode ser dificil para outro, e o que é dificil para mim, pode ser fácil para o outro.
      Continuo lendo e aos poucos vou conseguindo a minha meta, que é o que está escrito acima, por você

      Contente por te encontrar quero dedicar a você, que sem nada a cobrar sempre está a nos presentear com seus ensinamentos, está música. Você vai gostar:

      http://youtu.be/vJ1YsnA7_Eg

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Benedito, grato pela música! Vou ver com a hospedagem o que está acontecendo. Só não esqueça de desde junho de 2012 os artigos são quinzenais. abraço!!

    325. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Professor Eduardo: Seu artigo é definitivo e retira todo e qualquer resquício de ódio, mágoa e outro sentimento não resolvido ou mal resolvido. Creio que o perdão só possa ser dado realmente dessa forma e todas as outras formas seria querer nos enganar, sofrer duplamente para o resto da vida.
      Grato por compartilhar tanto conhecimento.

    326. sandra gomes lima   •  

      Particularmente eu sempre achei meio fora da nossa realidade esta questão de perdoar, terapia do perdão……tudo muito lindo na teoria,mas na prática meio complicado……e esta matéria veio esclarecer muitas coisas que eu “achava”,mas não tinha explicações para fundamentação……Mais uma vez obrigada Eduardo!Grande abraço!

    327. simone belquis   •  

      Eduardo
      Mas um texto seu que leio e parece tirar um peso de dentro. Muito bom entender mais esse conceito. Sempre achei muito difícil perdoar não entendi o porque. Obrigada.

    328. Eliane   •  

      Olá, tenho 26 anos, sou casada a 7 anos, não tenho filhos. Meu diagóstico dado por uma psiquiatra é depressão crônica. Me sinto incapaz de ser feliz, e muito menos fazer alguém feliz, preciso de ajuda pois não do mais conta nem de caregar o meu próprio corpo. Estou com a imunidade muito baixa, cada pouco estou internada com dores por todo o corpo, infecções… e pra falar bem a verdade, acho que já estou gostando de ficar mais no hospital do que em casa, pois apesar das dores sei que lá tem pessoas 24 horas cuidando de mim. Estou me sentindo uma pessoa totalmente inútil, qual não consigo mais nem trabalhar pois não tenho forças, ânimo e principalmente vontade. Minha psiquiatra diz que isso se dá devido a situações do passado na qual não consigo esquecer e muito menos perdoar. Quero saber se podes me ajudar, pois estou no fundo do poço e não consigo mais viver assim…

    329. Ana Rosa   •  

      Já estou curiosa p/ ler!!
      Sucesso, Eduardo!!!

    330. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Dr. Eduardo:
      Desde já encomendo o livro. Favor informar a forma de comprá-lo.
      Seus ensinamentos devem ser lidos por todos
      que almejam uma vida mais plena.
      Muito sucesso!

    331. Mónica Chaby   •  

      Que imagem tão bonita! Cada ser, por mais pequeno e aparentemente insignificante é acarinhado e protegido, o que demonstra a importância e carácter divino de tudo o que existe. Pensar que em todos os momentos usufruimos desse amor incondicional, desse apoio constante é muito bom :)

    332. Pingback: FOBIA | Blog Eduardo O. Carvalho

    333. simone belquis   •  

      Oi Eduardo
      Pela primeira vez entendi a diferença entre o trauma (meu caso) e a fobia. Obrigada pelo esclarecimento. Gostaria de pedir um artigo sobre trauma, já li muito do ponto de vista médico, mas o que será a parapsicologia teria a dizer sobre isso.

    334. valeria   •  

      Muito bom esse artigo!! Amei!! Estou em uma fase da minha vida em que estou processando ainda uma atitude irracional de uma pessoa, e penso:Como é difícil perdoar, a magoa é muito grande e não vejo razões nem sentido algum para perdoar, afinal de contas, todos somos responsáveis pelos nossos atos em si,e ao ler esse artigo, pergunto: “Enganar-se” a si mesmo inconscientemente é o melhor caminho??? Ressignificar-se é o mesmo que enganar-se com fatos e acontecimentos que foram totalmente errados, e irresponsáveis?? Não estará eu me julgando por isso?? como se a culpa não fosse totalmente dela??? é minha também por não compreende-la??? Um Grande abraço Eduardo!!

    335. Renata Carolina   •  

      Ótimo texto…
      “Tire um tempo para você, feche seus olhos e por alguns poucos minutos se livre dos seus personagens, títulos, planos e mesmo do seu nome. Simplesmente não seja, não faça e se preencha do vazio! Procure o silêncio interior (com o tempo você conseguirá)”… Estou nessa, ainda conseguirei!

      Grande abraço, muita paz.

    336. fernando canton   •  

      Prezado,
      pudéssemos crescer conhecendo a nós mesmos e a natureza que nos cerca, certamente entenderíamos toda a simplicidade da vida. O momento presente, sempre relegado ao “depois”, ao secundário, atrelado/arrastado pelo futuro que sempre tem pressa e não nos deixa em paz… Nossa busca insana ao pote de ouro no fim do arco-iris, será, talvez, o mais cruel arrependimento ao fim da nossa jornada…

    337. fabiana   •  

      tenho episodios pavoros de puro terro desdo 13 anos mas o ultimo foi terrivel quando vou dormir ; e estou quase dormindo consegui ver ele com a boca no meu pescoço tentei me levatar do cama senti todo o peso delea nas minhas costas tentei gritar mas noa sai a voz nao consegui me mexer e ne levatar da coma eu estava acordada via tudo ao meu redor quando eu me levatei nao consegui mas dormir nao sei mas o que fazer ja tenho 30 anos e isso nao passA

    338. cristian mara dal-molin   •  

      Preciso muito conhecer vc, fazer um curso contigo, a Franciella Bedenarski me falou sobre seu trabalho.

      Um abraço

      Cristian Mara

    339. Fabiano Bardin   •  

      Que texto show Eduardo!

      Muito bom!

    340. Luciana   •  

      Muito boa a palestra mas acho que eu também estava em boa receptividade para compreender algumas coisas.

    341. Pingback: Meditação no Presídio e a Teoria das Janelas Quebradas | InconscienteColetivo.net

    342. Cecilia Paulauskas   •  

      Sim Benedito Alves de Souza,aceitei o seu convite e estou lendo não somente o artigo acima, como também os comentários, o que eu poderia dizer? Que não acho que seja confuso o seu comentário sobre os escritos apócrifos de Nag-Hammadi, esses escritos são na verdade, pouco lidos! Trazem um profundo conteúdo… mas de profundidade , passa longe os nossos viveres apressados pelo mundo.
      Sobre tudo e todos, queremos expressar nossas opiniões, como se elas fossem tão importantes, que pudessem mover o indivíduo que passa ao lado, na fila … mas o que é que move realmente , para melhor ou pior, o nosso atordoado mundo? …As atitudes! Pois aqui e agora é o terreno propício, filosofar, o fazemos, faz parte de nossa natureza humana, pois já que somos chamados de Espécie Homo Sapiens Sapiens… mas realmente disso eu ainda tenho minhas dúvidas, se estamos exercendo nossos tirocínios da melhor forma. Se ha ou não sentido para a existência? A vida é tão extraordinária, tanto dentro quanto fora, de cada ser, que a resposta a isso, está em cada um de nós! Encontrá-la é o desafio! Bora lá! Abraços a todos !

    343. Simone   •  

      Olá Eduardo
      Gostaria de saber se haverá esse workshop de autoconhecimento em alguma data próxima. Se sim, gostaria de mais informações.
      Obrigada

    344. sandra gomes lima   •  

      Mestre!
      Então, estou concluindo a primeira leitura de sua Obra…..a primeira é para ter uma ideia geral…..a segunda leitura é para estudo, reflexão e questionamentos….neste momento posso dizer estou “absorvida ” pelo conteúdo e até posso imaginar o que irá acontecer na segunda leitura,e talvez na terceira, quarta, etc.Então uma sugestão:que tal um encontro para discutirmos sobre o conteúdo do livro?

    345. mauro fábio koch   •  

      Concordo plenamente com sua linha de raciocínio, onde o material pode e deve conviver com o espiritual. Até porque é muito mais fácil de meditar com ar condicionado ligado do que suando embaixo do sol. E digo que demorei muito tempo para quebrar esse paradigma de riqueza e espiritualidade não poderem conviver juntos.

    346. Juliana dos Santos   •  

      Olá, sou uma pessoa muito nervosa, ansiosa, com sintoma psicossomáticos, com muitos medos e insegurança…. Gostaria que me indicasse um tratamento especifico para ser uma pessoa mais fortalecida e segura…Ja ouvi falar muito na hipnose, gostaria da sua resposta o mai breve possivel…. obrigado.

    347. Juliana dos Santos   •  

      Olá! adorei seu blog e gostaria que me esclarecesse mais uma dúvida. A ansiedade e depressão podem ter fatores genéticos? E que tratamentos eficazes poderiam ser aplicados para se ter uma melhor qualidade de vida?
      Obrgado! juliana

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Juliana,

        Não existe nada que comprove a depressão e ansiedade como genético. O que poderíamos chamar de genético é a criança se formar e ter como referências pessoas com ansiedade ou depressão (algumas com ambas) e “copiar” essa maneira de lidar com a vida. Lembre, que a criança não sabe separar o joio do trigo, ela “engole” os adultos com seus bons e maus comportamento.

        Grato pela visita ao blog!
        Abraço!

    348. Juliana dos Santos   •  

      OLÁ Eduardo, realmente sou uma admiradora do seu trabalho, gostaria que me esclarecesse mais uma duvida, poderia minha ansiedade ter fatores relacionados na minha infancia, já que falaste que ansiedade e depressao nao possuem fatores genéticos. Esta ansiedade ja me acompanha a muito tempo…gostaria muito de realizar um tratamento para saber porque isto( ANSIEDADE, INSEGURANÇA, MEDOS…) se manifestam em mim sem motivos aparentes…Sera que pode ser da minha personalidade? um abraço….

    349. Cleber Anzolin   •  

      Parabéns novamente, Nobre Professor.

      Artigo que inspira reflexões diretas e objetivas.

      Sigamos em busca da liberdade em todas as faces.

    350. vernadja gallindo   •  

      OI DR.,EU TENHO TAG HÁ DOIS ANOS.TOMO RIVOTRIL, DEPAKOTE 500MG E LITIO DE 3OOMG PARAESTABILIZAR O HUMOR.TEVE TEMPOSQUE JÁ CHEGUEI A TOMAR 8 RIVOTRIL DE 2MG! HJ TOMO SÓ UM Á NOITE.QUER DIZER, ENTREI EM CRISE POR CONSEQUENCIA DE ESTAR LONGE DOS MEUS DOIS FILHOS PEQUENOS QUE ESTÃO COM O PAI NA CASA DOS AVÓS.AÍ CAI EM DEPRESSAO E Tô TOMANDO RIVOTRIL ALEATORIAMENTE.SEI QUE É ERRRADO,MAS ME ACALMA MAIS.TENHO ACOMPANHAMENTO NEUROLÓGICO E PSICOLÓGICO.CUIDO DOS MEUS FILHOS SOZINHA, UM DE CINCO E OUTRO DE QUATRO ANOS.PASSEI MUITO TEMPO SOBRE STRESS E QUD VIAJAVA PARA CASA DA AVÓ,MÃE DO MEU MARIDO, SOFRIA MUITOA PRESSÃO PSICOLÓGICA QUE EU NÃO SOUBE ADMINISTRAR NA MINHA CABEÇA.FOI COMOUMA PANELA DE PRESSÃO QUE EXPLODIU E EU FIQUEI DOENTE.SERÁ QUIE UMDIA VOU SAIR DESSA?SOU CATÓLICA , REZO, SAIO PARA DAR UMA VOLTA,MAS MUITO POUCO.QUERIA SELAR A PAZ COM ELA, MAS MEU MARIDO NÃO CONFIOU NA MINHA VONTADE, POIS ESTOU HÁ UMA HORA E MEIA DA CIDADE DELES AQUI EM FEIRA DE SANTANA BAHIA.LIGUEI E ELE NADA ME DISSE EM POSITIVO QUANTO A ISSO.E ADOR DA SAUDADE DOS MEUS BABYS SÓ ME TRÁS MAIS SOFRIMENTO E ME FEZ ENTRAR NESSA CRISE DE DEPRESSÃO…EU TAVA BEM MELLHOR, PENSANDO POSITIVO, QUE IRIA PARA LÁ, DE POIS QUE VISITASSE MINHA FAMÍLIA AQUI.TÔ ARRASADA, TEM UM BURACO FUNDO NO MEU PEITO, UMA ANSIEDADE FORTE QUE DÁ FALTA DE AR SEMPRE, AÍ RECORRO AO RIVOTRIL.QUE DEUS ME AJUDE, POIS SÓ VOU VÊ-LOS DIA 20 DE JULHO…..FIQUE COM DEUS.

    351. Léia   •  

      Amigo, sábias palavras especialmente as que falam sobre o julgamento e como já disse Osho : “Não julgue, caso contrário você jamais será capaz de se tornar um com o Todo….Uma pessoa que deseja chegar ao Supremo deve fazer do não-julgar o seu ponto básico.”

    352. Pingback: SUFISMO | Blog Eduardo O. Carvalho

    353. monique   •  

      que máximo !!! seria ótimo aprender isso !!! não há coisa mais importante que se conhecer !!

    354. Elisângela   •  

      Oi Eduardo, texto muito bom para reflexão.. escuto que a maioria das pessoas nos dias atuais sofrem de normose, que é ter esse padrão do que nos foi estipulado como correto para nossas vidas (privação de comida, festa, etc), assim teremos a eternidade e como você mesmo fez a menção que vida eterna, mais sem graça…rs. Mas como diz o prof. Hermogenes, Deus me livre de ser normal.
      Um abração e boa semana!

    355. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Nada mais precisará ser escrito; está tudo aqui, preciso, claro, maravilhoso.
      Um hino!

    356. Não tem jeito, eu tenho sempre que fazer um comentário. Você realmente gosta do que faz! Já até subscrevi em seu feed, vou voltar mais tarde.

    357. Jaime Garcia Dias   •  

      Informação extremamente bem escrita. Esse era precisamente o tipo de coisa que precisava ler. Continuarei seguindo seu blog enquanto persistir com o excelente trabalho. Meus cumprimentos!

    358. Priscila Mello   •  

      Eduardo.
      Sobre o que você escreveu sobre psicopatia, está corretíssimo.. fui vítima de uma psicopata/sociopata.
      O livro citado em seu texto Mentes Perigosas , da Drª Ana Beatriz é excelente.
      Parabéns, por informar a sociedade sobre estes “monstrengos” a solta.
      Abraços,
      Pri

    359. Fatima   •  

      Eduardo,

      obrigada por elucidar tão bem. Você poderia me dizer se a ciência faz diferença entre psico e sociopata? Se sim, qual é?
      Recomendo o seriado Criminal Minds, para entender um pouco mais psicopatas e pessoas com distúrbios de comportamento.
      Abraço

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Fátima, não existe diferença entre os termos psicopata e sociopata em termos de comportamento.Quem utiliza o termo “sociopata” entende que o problema tem a ver com a sociedade/cultura onde o indivíduo está inserido. Já quem fala “psicopata” entende que o problema é inerente somente a pessoa e a sociedade não interfere no problema. Espero ter respondido!
        Abração e obrigada pela visita ao blog!

    360. Magda Paranhos   •  

      ÓTIMO ARTIGO. TAMBÉM ESTOU ESTUDANDO SOBRE O CASO E O VEIO A SOMAR .ABRAÇÃO E OBRIGADA.

    361. Fatima   •  

      Obrigada Eduardo, esclarecido!

    362. Chauncey Figueroa   •  

      todo mundo mente, isso é fato, mas psicopatas fazem isso o tempo todo, até para eles mesmos, talvez como uma forma de suprir o vazio dentro deles. Mentem com competência, e são capazes de dizer coisas contraditórias olhandos nos olhos de uma pessoa e não muito raro costumam fingir que praticam certas profissões como de médico ou advogado, usando e abusando de termos técnicos passando credibilidade, chegando ao limite de exercerem clandestinamente essas profissões, causando danos irreparáveis a terceiros. Com uma imaginação fértil e se focada sempre em si próprios, raramente ficam constrangidos ou perplexos quando são flagrados, apenas mudam de assunto ou tentam refazer a história para que pareça mais verossímil. Mentir, trapacear e manipular são talentos inatos dos psicopatas.

    363. Pingback: O Sétimo dia | Blog Eduardo O. Carvalho

    364. Fernando   •  

      bom texto Eduardo, compactuo com teu pensamento. Deus tem sido usado para manipular a massa , e quem ganha com isso são os donos de igrejas

    365. salete alves   •  

      Domingo não é o sétimo,mas o primeiro dia da semana.O sétimo dia da semana é o sábado. A semana termina com tempo para o descanso e já começa com outro dia livre.
      A depressão do domingo deve ser por causa do desperdício de tempo precioso na frente da tv ou do computador,ou ainda por que a maioria das pessoas não prima pela qualidade de vida, se contentado com empregos que detestam.Sentindo-se desvalorizadas,elas limitam-se a trabalhar apenas para consumir.Como não se deprimir nesse círculo vicioso de trabalho/consumo sem qualidade de vida?

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Salete, entendo quando falas que domingo é o primeiro e segunda feira seria o segundo dia. Mas a colocação de domingo como sétimo toma como base a 2a feira ser o primeiro dia de trabalho da semana com o ciclo se fechando domingo.
        Seus comentários são pertinentes e o texto tem a finalidade de trazer reflexões como a sua. Obrigado!!

    366. Joanne Petersen   •  

      O termo sufismo é utilizado para descrever um vasto grupo de correntes e práticas. As ordens sufis (Tariqas) podem estar associadas ao islão sunita , islão xiita ou uma combinação de várias correntes.O pensamento sufi nasceu no Médio Oriente no século VIII , mas encontra-se hoje por todo o mundo. Na Indonésia, actualmente a nação com maior número de muçulmanos, o islão foi introduzido através das ordens sufis.

    367. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Os dias são todos iguais. Nós, porém, os transformamos em segundas ou domingos e isso vai depender muito da nossa expectativa. Por exemplo, se a segunda e a terça for um feriado veremos esses dias como domingo e a coitada da quarta será a bola da vez. Assim, acredito que devamos transformar os dias, imaginar, criar, sabotar.
      Porém, isso não é legado a todos, há os empregos, o cotidiano, as contas… e a depressão poderá chegar exatamente por isso e não apenas pelo dia, que continua o mesmo. Portanto, que tal vivermos apenas o hoje, sem nos importarmos se é segunda ou terça, ou se o domingo nos parece tão longe? (ou a sexta-feira?)

    368. Maynara   •  

      Muito bom!
      Realmente serve para que nos momentos reativos tanto da mente, quanto da fala, possamos respirar e nos observar do por que de algumas reações tão fortes instantaneamente.
      Uma prática simples que pode gerar grandes ganhos em termos de autoconhecimento!

    369. Fernando   •  

      sou apaixonado por esse assunto. nosso inconsciente é um planeta ainda quase totalmente desconhecido

    370. Magda   •  

      ótimo artigo e quanto captarmos a realidade e imaginarmos , fantasiarmos o restante é fato!

    371. Pingback: O funcionamento da Máquina (2a parte) | Blog Eduardo O. Carvalho

    372. Tiago Melo   •  

      EDUARDO MUITO OBRIGADO!!!

    373. sandra gomes lima   •  

      As duas primeiras linhas me fizeram lembrar algo que falei ontem para uma pessoa no intervalo da aula:cuidado com o que você deseja……..

    374. Léia   •  

      Grata por suas palavras iluminadas!!!
      Me fez pensar….Precisamos amar na mesma intensidade o ideal pela busca interna quanto amamos agora o vício pelo desejo. E quando conseguirmos chegar exatamente a esse estado oposto, elevarmos novamente nossa consciência acima de ambos e sentir nossa real essência..

    375. Maria Inês   •  

      Realmente é bem significativo o objeto perdido pelo personagem na história. Quantos estão buscando exatamente o mesmo que nosso personagem procura?
      O artigo me levou a uma reflexão sobre a minha inquietação com o mundo, com essa onda de automatismo. As pessoas não tem mais tempo para dialogar. Parabéns Eduardo muito bom o artigo.

    376. Charlie Diaz   •  

      Tome-se, por exemplo, o seguinte caso:Imagine que alguém resida numa casa de 200 mil reais, tem outra alugada no valor de 100 mil, dispõe de um carro de 50 mil e mais 100 mil reais de aplicações. Pelo critério de necessidade, esta pessoa já tem mais do que precisa, mas pelo critério do desejo, não. Ainda falta muito para realizar o seu sonho de uma casa de 500 mil reais, de um carro de 120 mil, de outra casa de aluguel de 150 mil e de mais de 300 mil de aplicações. É que quando se pensa a partir dos desejos, não há limites. Busca-se o ilimitado e nada sobra para partilhar.Sempre falta. Estamos vivendo na civilização do desejo e no império dos sentidos. Obviamente que o ser humano sempre desejou muito e muitas coisas, mas em nenhum outro momento da história humana convivemos com tantos meios e facilidades para realizar nossos desejos.É precisamente o nosso desejo que dispara o gatilho da tentação em nossa vida. A tentação somente existe porque somos intensamente agitados pelo desejo. Não existisse o desejo, não existiria tentação capaz de nos seduzir.

    377. João Neto   •  

      Boa tarde! Tenho interesse em fazer o curso de Radiestesia moro em Blumenau, gostaria de saber quando será os próximos cursos de radiestesia, valor enfim todas as informações.

      grato

    378. Luana   •  

      Oi. gostaria de saber se a única forma de orientar um paranormal é através de explicações espirituais, porque eu sofro de fenômenos como sonhos e pensamentos que se realizam no futuro, sinto a características de objetos e pessoas sem precisar ver eles, e acho que tenho alguma ligação com aparelhos eletrônicos, mas não acredito em espíritos ou em qualquer religião, já que nunca vi provas de que estes existam. ficaria feliz de saber se existem parapsicólogos que tratam desse assunto pela visão biológica/física.

    379. get smart   •  

      “Sonhos são projetos de vida , desejos são intenções superficiais. E estamos vivendo numa sociedade do consumo do desejo, desejo de ter grandes amigos um grande amor na vida de ser um brilhante profissional, desejos e mais desejos, porem os desejos não resistem aos problemas é preciso ter sonhos e metas de vida. ” ,esse é outro trecho da entrevista do Augusto Cury que eu achei interessante destacar, e isso é a nossa realidade o nosso dia a dia, convivo diariamente com pessoas sem sonhos apenas com desejos, convivo diariamente com pessoas infelizes, pessoas que seu conceito de felicidade é passar o final de semana na balada , bebendo ou “louco de bala” , enfim conheço pessoas que tem todos seus desejos realizados e ainda assim são infelizes.

    380. Tiago Melo   •  

      Belo texto Mestre Eduardo, parabéns!!! é muito bom ler seus artigos…. Muito obrigado… Tiago

    381. Taciana Floriani   •  

      Parabéns pelo texto!
      De fato nenhuma teoria filosófica, nenhuma religião e nenhuma terapia será útil se não pudermos trazer e aplicar ao nosso dia a dia. E para se conhecer é preciso vontade, é preciso querer… é preciso sair da zona de conforto e isso exige esforço, afinal é mais fácil colocar a culpa nos outros que já “ensinaram e falaram” do que assumir as rédeas do destino e querer enxergar esse algo mais que cabe a cada um buscar.

    382. Rogério RR   •  

      Conheci seu blog há pouco tempo. É fantástico!
      Todos dizem saber o que deve ser feito, mas fazer…
      Além do medo de não nos enquadrarmos, tenho a impressão que existe uma certa hipocrisia inconsciente. Parece que nem sequer percebemos que nos comportamos de forma diferente, muitas vezes até oposta, a que dizemos saber que é a ideal. Vivemos numa realidade distorcida pelo ego. A mesma conduta por nós condenada, é por nós praticada.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Rogério, fico grato por suas palavras e comentários. O blog tem essa função; de trazer os assuntos para pensarmos a respeito.
        abração!

    383. Léia   •  

      Suas palavras sempre sábias despertam a necessidade de buscarmos o equilíbrio entre os opostos, de vivermos no mundo sem pertencer a ele, possuindo as coisas sem sermos possuídos e buscando não nos identificar com nada, mas perceber a inter-relação que há na dualidade do mundo e dessa forma criar um terceiro caminho que nos conduz para a evolução…Parabéns!

    384. May   •  

      Concordo com Alexandre…quantas futilidades…quantas são necessárias para se perceber que não é necessária nenhuma?
      Quantos abririam mão em nome da insegurança necessária?

    385. sandra gomes lima   •  

      Conheço pessoas que não sabem viver sem ter problemas, quer eles tenham solução ou não…e baseiam sua vida nisto….só estão felizes se estão sofrendo, se são “vítimas” de mil e um problemas….como as pessoas gostam de ter problemas, de sofrerem absurdamente por eles, de aumentarem sua importância e o pior, de fazerem disto o objetivo de suas vidas……

    386. sandra gomes lima   •  

      Conheço pessoas que não sabem viver sem ter problemas, quer eles tenham solução ou não…e baseiam sua vida nisto….só estão felizes se estão sofrendo, se são “vítimas” de mil e um problemas….como as pessoas gostam de ter problemas, de sofrerem absurdamente por eles, de aumentarem sua importância e o pior, de fazerem disto o objetivo de suas vidas……

    387. Tatiana   •  

      Eduardo, parabéns, obrigada por compartilhar seu conhecimento! Muito bom!

    388. Cristiane Weber(obrigatório)   •  

      Eduardo!
      Você está sempre nos surpreendendo positivamente! Embora sua centena de textos tenha sido excelente e nos estimulado a refletir sobre uma série de questões, estamos certos de que a mudança proposta só virá a acrescentar. Obrigada por tudo!
      Abração
      Cris Weber

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Obrigado Cristiane!! Na verdade, continua tudo como sempre, só que, vez por outra, mudamos um pouco…
        abração e obrigado por visitar o blog!!!

    389. Fernando   •  

      bom texto, com final q deixa a gente a pensar. Já li mtos sobre as várias teorias do pós morte, q o homem de 100mil anos atrás já acreditava, através das imagens q via nos sonhos, q deveria haver vida no além. li mto sobre o desejo de imortalidade em várias culturas, ou seja, um desejo humano antigo, é de fato, mto pesaroso imaginar que tudo acaba com o último suspiro. abração.
      Fernando Bastos

    390. Simone Wolff   •  

      lindo o texto, acredito realmente que não morremos, apenas passamos de um estado para outro. E a maneira em que fizemos isto( fisica,emocionalmente espiritualmente), somos nos que escolhemos, ontem, hoje pra o amanha.Que no final sera vivido sempre no agora.

    391. Alexander Díaz   •  

      Muito bom o texto, com o já característico estilo seu. Parabéns, muito obrigado e fique sempre acordado !

    392. May   •  

      Educação do coração a grande sacada dessa nova Era, que precisa realmente ser nova em todos os sentidos! Excelente!!

    393. Jomar   •  

      Olá Eduardo, muito com texto e com uma visão impar sobre o atual momento.

      Parabéns e Sucesso.

      Abraços.

    394. Léia   •  

      Você ilustrou muito bem a questão das células de câncer (nosso egoísmo/materialismo) porque a verdade é essa, num câncer a célula doente não entende que se atacar o corpo vai morrer e no final das contas quando o corpo sucumbe ela também sucumbe junto. Com certeza o despertar do coração representa a cura para esse desequilíbrio…Parabéns pelas profundas palavras!

    395. Simone Wolff   •  

      O pior disso tudo, è, que não nos acostumamos, porque se fosse normal, não viveriamos nesta eterna busca, por algo que nem nòs mesmos lembramos onde (quardamos).
      E antes que a normalidade tome conta de nossas vidas, devemos lembrar que, ( o sol nasce pra todos, mas a sombra è pra poucos) Então vamos encher nosso mundo de (arvores) pra q todos possam se refrescar nesta sombra.

    396. Nilsa   •  

      Mexer com o que mais tememos, mudanças interiores, é assim que li e interpretei. Quando o amor falar mais alto em todas as formas de expressão, sendo escolha para fazermos a integração com todo o planeta (ainda que leve tempo para acordamos ),desejo que realmente aconteça, nesta ou nas próximas gerações, aí sim teremos aprendido a lição; a que viemos !
      Grata pelo belíssimo texto.

    397. Morgana   •  

      Olá! Gostaria de saber se há previsão da palestra de ansiedade em Jgua?
      Obrigada!

    398. Fabricio   •  

      Tenho interesse no curso

    399. luiziana mourão sobrinho   •  

      boa noite, sofro muito com esta doença e ainda não consegui mim libertar, não consiguo dominar está doença que tem mim consumindo.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Luiziana, qual doença que falas? Hoje temos recursos tanto na área médica como em terapias para ajudar no seu problema. É importante procurar ajuda.

    400. Fernando   •  

      uma coisa que descobri após minhas safenas, é que só percebemos as coisas q realmente importam na vida, é qdo estamos velhos, doentes, ou perto da morte. a vida é tão simples qto o clichê dessa frase, mas nós a complicamos.

    401. Daniela   •  

      Impossível ler e não concordar com o comentário do Fernando!
      Realmente os problemas da vida não são do tamanho que damos a eles. A vida é realmente simples e nós a complicamos demais, e, esquecemos que oportunidades são únicas!

      Precisamos brindar mais o inesperado e as várias formas de seguir em frente!

    402. Fabiane kanzler Maiochi   •  

      hehe
      Posso pagar, abril, maio e junho?
      obrigada!

    403. neli joaquim silveira   •  

      participei do curso no instituto namascar neste fim de semana com vc,no meio de tantos livros escolhi o seu para ler e fazer o comentário,por favor me ajude.abr.

    404. Simone Wolff   •  

      O dom de cada um é como se fosse um quarto de sua casa que só vc tem a chave da porta para abrir. Ali só vc conhece, só vc pode decidir trazer esse dom para fora e apresenta-lo ao mundo. Todos temos uma chave, e um dos melhores momentos na vida e quando vc vira a chave na fechadura e a porta se abre.

    405. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Desde o começo os erros parecem infantis e a criação uma bobagem sem sentido. Não vejo como um Deus possa construir algo e, “lá de cima”, ver que não foi bem construído; não é admissível (sabendo-se de antemão) criar seres que seriam incompletos, imperfeitos, razão do arrependimento desse criador desastrado. Complementando Millôr ou mesmo ousando ir contra diria que Deus sequer cresceu.
      Quando digo isso refiro-me ao deus bíblico e não a um outro ser que realmente pode existir e que não pune, não erra, não mata, não se arrepende. No entanto, até isso me parece inverossímil e sem propósito definido, já que não exclui a incompetência ao se permitir o nascimento de seres incompletos apenas e tão somente para depois reconhecer que tudo foi um erro. Estamos, assim, sós; somos nossos próprios deuses, do bem e do mal, malucos, egocêntricos, malévolos assim como os deuses.
      A história é mais antiga do que podemos imaginar e pelo que sabemos podemos observar que sempre houve doenças, matanças, pestes incontroláveis;, guerras absurdas. E o que foi feito para impedir? O que está sendo feito?
      Céu, inferno e outros lugares o que existe mesmo são os outros lugares, lugares que, apesar de criados por nós, não ousamos lá nos meter, exceto se formos guiados por quem sabe o caminho. E são poucos os que sabem o caminho.

    406. Maynara   •  

      Certo e errado em relação a que ou a quem? Se não existe verdade universal, o que é certo e o que é de fato errado? Concordo com Sidarta, experienciar é a “chave”.
      Promessas são formas de cobrança futura de uma pessoa que no segundo seguinte não existe mais…mudamos a cada instante e viva o agora!!

    407. sergey   •  

      … honre um erro como uma intenção escondida…

      estratégias oblíquas.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Boa Sergey!! Ou como diria Mario Quintana: “a mentira é uma verdade que esqueceu de acontecer”…rsrsrsr

    408. Rah Amado   •  

      Olá, professor Eduardo!

      Gostaria de saber se não há previsão para curso de Radiestesia em Joinville neste ano! Grata pela atenção.

    409. Rah Amado   •  

      Olá, professor Eduardo!
      Gostaria de saber se não há previsão para o curso de Radiestesia este ano em Joinville!
      Grata pela atenção.

    410. Elizete (mensal XVII - Instituto mente)   •  

      Professor sempre um espetáculo com seus artigos obrigada!!! Adoro ler e sempre aprendendo mais.

    411. V. Kolansky   •  

      Muito interessante a história que você acrescentou ao seu texto. Ela enfatiza a necessidade da meditação, ou melhor, da solidão. Por vezes, estamos tão submersos na confusão caótica que é nossa organização social que fica difícil se sintonizar com o que vc chamou de Self. Simples momentos de solicitude podem ajudar a ter sacadas incríveis.
      Parabenizo o texto, e aproveito para divulgar um texto meu sobre o mesmo assunto:

      http://olemadoparadoxo.blogspot.com.br/2014/05/uma-introducao-ao-tao.html

    412. Mauro Roberto Fianco   •  

      Bom dia Eduardo, podes reservar uma vaga para mim no curso de Radioestesia.
      Abrçs Mauro

    413. Nome jardel   •  

      Boa noite então eu não consigo passar do utero mais acredito na reencarnação como fica.

    414. Nome jardel   •  

      Minha concentração esta pessima leio um livro mais não consigo lembrar uma semana depois qual o tratamento mais indicado?

    415. Nome jardel   •  

      Boa noite eduardo sobre a questão de falar no ouvido de uma criança quado ela dorme coisas boas sei que da resultado,e de um adolecente de 16 anos que esta usando droga(maconha)sera que pode dar resultado??

    416. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Esses relatos, esses desesperados pedidos de socorro são a constatação que a população está sozinha e parece que o socorro divino silenciou-se ou mesmo jamais se mostrou. Muitos vão a igrejas, pagam fortunas a supostos representantes de Deus, choram e, por fim, constatam a solidão.
      Permito-me sugerir a essas pessoas a leitura do seu magnífico livro, Céu, inferno e outros lugares que, através de capítulos diferenciados, fáceis de ler, claros e objetivos, mudam sobremaneira o nosso modo às vezes encurralados de pensar. Creio que seria um investimento para sempre, para ser lido bem devagar e pôr fim a desesperos e solidão, usando apenas as palavras sábias de quem mostra o modo de agir.
      Um grande abraço ao Professor Eduardo Carvalho que parece estar sempre presente quando necessitamos de auxílio.

    417. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Bem, dizem que errar é humano… Humm… me parece que desde o “começo” alguma coisa já deu errada… e não foi consertada, salvo algumas tentativas frustradas. Enquanto estiver dando certo ( a citada intenção escondida), a tendência é mantê-lo para sempre ou até que nos conscientizemos do erro. E então, partir para erros novos. Errar, portanto, seria preparar-se para o acerto depois, num sucessivo jogo de erros e acertos, como é a própria vida que teimamos em transformar em difícil.
      Há como tornar o transitório definitivo? Viver é um erro?

    418. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Isso é definitivo! Imperdível para quem procura a Luz!

    419. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Permito-me, mais uma vez, comentar sobre os pedidos de socorro enviados pelos leitores do blog, muito embora não sejam endereçados a mim.
      Ocorre que é necessário uma informação importante que foi brilhantemente mostrada pelo Professor Eduardo em ” O Caminho para a Luz”, essa parte transcrita do livro ” A voz do Silêncio”, de Helena Blavastky, e que julgo de extrema importância a todos:
      … E o maior problema é esse, informa o professor: independente de estarmos sofrendo por algum motivo, seja real ou imaginário, nos sentimos como se esse estado de tristeza jamais fosse acabar, daí, para vermos, pensarmos e tomarmos decisões erradas é muito fácil.
      Desta forma, o discípulo é orientado: ” Luta com teus pensamentos desonestos (irreais) antes que eles te dominem. Trata-os como eles querem te tratar, porque se os poupas, criarão raízes e crescerão e repara, esses pensamentos dominar-te-ão até que te matem.”
      Como eu disse, trata-se de um ensinamento definitivo a todos e que devem ler e reler a fim de estar em paz continuamente. Realmente é o caminho para a luz.

    420. May   •  

      Bom texto! Dá margem para muitas reflexões! Penso que a dúvida é sempre a certeza que não pôde acontecer pela falta de atitude que mantém o certo intocável, fazendo com que os falsos conforme mencionado acima não vivam, apenas sobrevivam…

    421. Magda   •  

      Retrato da vida real. Muito bom o vídeo.

    422. Kallyne Correa Pereira   •  

      Achei interessante o caso da Kim. Imagino que para ter ocorrido essa fragmentação de personalidade o grau de sofrimento psíquico era bastante elevado. Acredito que essa é uma autodefesa orgânica para que o indivíduo possa entrar em uma realidade alternativa e que proporcione uma fuga da suposta realidade insuportável.

      Achei muito interessante a colocação em relação as inúmeras personalidades que cada um de nós possui. Realmente, “incorporamos” diariamente personagens para executar as diferentes tarefas em nosso dia a dia. Compartilhamos entre nossos personagens íntimos as mesmas lembranças, mas de maneira um pouco peculiar no que diz respeito a forma de interpretá-las. Pois, cada personagem tem uma expertise maior sobre determinado assunto. Consegue se adaptar mais facilmente a determinadas situações.

      Acho que ainda há muito para se pesquisar sobre os vários transtornos de personalidade existentes. Tenho a certeza que será uma pesquisa interminável. Tendo em vista que a subjetividade que envolve a mente humana é imensurável e por que não dizer impenetrável de maneira absoluta?

      Acho que o grande desafio é procurarmos nos atentar aos detalhes. Nos questionarmos sempre que possível sobre nossas alterações de comportamento. Será que nos achamos menos interessantes e possivelmente menos aceitos se agirmos sempre da mesma maneira? Será que a única forma possível para reagirmos e abrandarmos um sofrimento é a fuga da realidade em que ele se encontra?

    423. Tereza   •  

      Ótimo artigo.
      Cada dia é ma dádiva e uma nova oportunidade de fazermos nossa vida diferente. A chave é estar acordado para lembrar disso sempre, não apenas quando o tempo já foi.
      Abraço

    424. Nome (obrigatório)Jacineide   •  

      Post maravilhoso….
      Descobri que o que busco e me inquieta há tempo, tem nome.
      Gratidão!

    425. Jeanine de Moraes   •  

      E a vida seria um tédio mortal sem a ilusão romanceada… Ótimo artigo, adorei este blog, já sou seguidora. Um abraço, Jeanine de Moraes

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Jeanine, grato pelas palavras!
        Bem psicanalítica sua frase, a vida “crua” é mesmo quase insuportável…
        Abraço!!

    426. Jeanine de Moraes   •  

      Olá Eduardo, irei parabeniza-lo mais uma vez pelo teu blog. Adorei tê-lo encontrado! Muito bom, ótimos artigos, ótimas citações. Só não sei se lendo eu encontro mais respostas ou perguntas! Um abraço, Jeanine

    427. Patrick Narlok   •  

      Otimo texto e Bem autoexplicativa a imagem 😉 hauhauahua

    428. Michele   •  

      Olá Professor Eduardo, estou passando para parabenizar pelo seu dia, Feliz dia do parapsicólogo, em breve sou eu me formando, mais até lá estaremos só com suas aulas, grata, Namaste.

    429. Vera Knuth   •  

      Assistimos a sua palestra omtem a noite na FLF na Itoupava Central,e achamos sensacional,saimos muito satisfeitos.excelente final de semana.

    430. Fernando Bastos   •  

      Mto bons teus textos, Eduardo. sobre este, li algo em Freud (acho que em Futuro de uma ilusão) que a civilização trouxe mtas vantagens ao Homem, mas com ela veio à repressão aos instintos libidinais, que tiveram q ser devidamente recalcados. e esse recalque é q produz tantos neuróticos. penso q a grande questão é: como ser feliz, ser livre, se tenho q respeitar a liberdade do outro?e ainda lidar com tantas proibições , tanta moral q vem de todos os lados.

    431. Maria Inês   •  

      Olá Eduardo estou grata pela oportunidade de ouvir sua palestra. Parabéns! aprendi bastante. Já li sobre o assunto mas você deu um enfoque diferenciado com exemplos bem simples, vídeo bem feito. Grata Maria Inês.

    432. Fui vitima de psicopata   •  

      Olá,
      Fui vítima de um psicopata. Nosso relacionamento durou 4 meses e descobri devido a algumas mentiras que ele contava. Consegui acessar o fb e e-mail e foi aí que veio a tona, uma enxurrada de mentiras (traição atrás de traição, curriculo com informações falsas, mentiras, muitas mentiras).
      Detalhe, no dia a dia com ele era a pessoa mais carinhosa, solícita, positiva, sedutora, inteligente. Portanto, se eu disser pra alguém quem ele é, as pessoas vão achar que eu sou a mentirosa!!!
      Fiquei envolvida emocionalmente de tal forma que cheguei a acreditar que quem estava errada era eu.

      Apenas uma dúvida, Eduardo! Como fica a família nesse caso?
      No caso ele mora apenas com a mãe, o pai os abandonou quando ele era pequeno.
      A mãe sabe dessa postura do filho e fecha os olhos pra situação? Ou ele mente tão bem, a ponto de criar uma vida paralela até pra família? Ela é conivente ou é vítima também?
      Quando terminei com ele, a mãe dele não entendeu e ainda disse que a gente ia voltar e que eu seria a nora dela! (?!?! verdade ou teatro ?!?).

    433. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Estar só parece ser sinônimo de solidão. No entanto parece estar havendo uma tendência ao estar só, sem estar solitário. É um momento, um minuto, talvez algumas horas, mas que podem transformar-se em dias, em meses, anos…
      E esse estar só, sentir-se só para repensar atitudes, erros, acertos, transforma-se, assim, numa deplorável solidão exatamente por não vislumbrarmos que nada mais pode ser feito, que somos, realmente, feras selvagens e pretensiosas que almeja ser deus, mesmo que de barro, que se espatifará em milhares de pedaços num quebra-cabeça demente e cujas peças não se encaixam por mais que tentemos.
      Portanto, resta-nos aguardar que o sábio escreva o artigo aos domingos e que nos mostre que é melhor ter alguém por perto…
      Um grande abraço àquele que sabe das coisas!

    434. Cláudio Cesar de Lima   •  

      Reafirmo que esse artigo é definitivo. De uma clareza tão profunda, mostra a trilha errada a qual escolhemos e o buraco (porão) onde estamos encolhidos e o que será, fatalmente, o túmulo que construímos. E como sabemos disso? Ao observarmos nossas mãos sangrando de tanto cavar as paredes desse porão feito da mais dura rocha. Lugar escuro, irrespirável e com o cheiro característico e repugnante da morte e pelo qual ( esse cheiro que se transforma num perfume) nos acostumamos.
      Assim, esse excelente ( mais um!) artigo bate à porta de ferro desse mesmo porão, esmurra, tenta arrombar, porém tornamo-nos surdos inebriados pela música fúnebre ao fundo, apesar de ser uma música no tom bem baixo. Na verdade, não queremos escutar e a porta está com vários ferrolhos, como um castelo inexpugnável.
      Quantos afortunados terão a oportunidade de ler esse artigo?

    435. Maria Inês   •  

      Após a leitura do artigo comecei a fazer um pequeno retrospecto da minha caminhada e observei que várias vezes me senti uma pessoa “não merecedora”
      e agora percebo onde está a razão de tal pensar. Passei o tempo todo buscando
      uma religião que me proporcionasse uma resposta para minha inquietação e
      continuo aguardando até hoje. Começo a partir de agora exercitar o primeiro
      passo do AA, só por hoje não pensarei em sofrimento e culpa. Grata Eduardo.

    436. Claudia   •  

      Olá Eduardo…
      O encontro sobre numerologia era bastante esperado, mas nesta data tenho outro compromisso de trabalho, até sugeri que fosse no começo do ano que vem, mas parece que não deu certo, Assim fico para uma próxima oportunidade. att. Claudia MM 24

    437. anonima :(   •  

      quero compartilhar minha história, conheci ele na faculdade logo me encantei com seu jeito atencioso extrovertido.. ele me add no face e já começamos ali nossa história, com nove dias de namoro ele já estava morando no meu apartamento,sim ele me convenceu que tinhamos muito em comum, que nascemos um pro outro, depois que estava lá ele começou a implicar com minhas amizades, chegou inclusive a maltratar uma amiga minha em um churrasco que fiz, se mostrava muito ciumento e quando eu questionava ele, ele dizia que queria casar ter filhos e que queria me proteger de amizades que aos olhos dele ‘me sugavam’ .. ficava magoada, mais já estava muito envolvida com ele.. com uns três meses de namoro peguei uma conversa dele no face falando com outra mulher que eu era chata, e que um dia ele iria casar com ela, nossa fiquei muito nervosa quando ele chegou eu fui falar com ele, então ele quis se fazer de vítima, e disse pra não ter nada pra desconfiar vamos fazer nosso face juntos e deletar os nossos… entao fizemos esse face junto.. logo depois ele começou a ficar muito agressivo me xingava alto me colocava contra parede dava socos na porta e ate chegou varias vezes a bater a propria cabeça na parede, ate que a dona do apartamento de onde eu vivia escutou e chegou a falar comigo se vc quiser ficar vc fica pq já te conheço mais esse ai não ele te agride verbalmente e tb os vizinhos estão reclamando do cheiro de maconha, sim e ele me convenceu que sempre fumou e que a sua mãe sabia e que aquilo não fazia muito mal e que por ele ser hiperativo ele tinha que fumar pra acalmar, então disse a ele que a dona teria pedido o apartamento q que eu iria ficar e que continuássemos nossa relação cada um no seu ap, ele me convenceu a sair com ele, e eu fui pra outro apartamento menos logo chegou as férias fui pra minha cidade, só que ele fez tanta pressão que só fiquei 15 dias e olha que moro em outro país, onde eu ia com minha família eu tinha que levar o note pra falar com ele e ele me ver, chegou a ser uma situação constrangedora já que ate minha mãe não comungou dessa atitude e me alertava, voltando pro país onde moramos ele logo quis mudar de apartamento de novo e foi bem rápido nem eu entendi o pq, ele disse que a conta estava vindo cara que estava com vazamento tinha reclamado e que ninguém arrumouu,, em fim mudamos e logo descobri minha gravides nossa ele ficou radiante de felicidade dizia que em fim iria ter a família dele, ele já é pai, mais como o filho dele não mora com ele ele dizia pra mim eu tenho um filho que não mora comigo mais agora eu vou ter minha família e poder ser pai de vdd dar banho levar na escola etc.. eu comecei a passar muito mal.. vomitando sem parar e em uma dessas crises minha eu mto mal ele estava fazendo pressão psicologica em mim estava drogado então eu disse vc não esta vendo que eu estou mal que eu estou passando mal.. e então ele começou a achar que eu tinha outros homens, eu não aguentei peguei um taxi e fui pra um hotel pra passar mal em paz, e quando consegui dormir no hotel, bate na porta as 03:00 da madrugada, abre a porta eu sei que vc eta ai,então ele entrou e queria continuar fazendo aquela pressão em mim então eu disse chega vc não vÊ que eu estou mal eu vim pra ca pra passar mal em paz e comecei a vomitar de novo então ele se acalmou mais disse então vamos pra casa eu vou cuidar de vc chegando em casa ele preparou um lanche já que tinha dois dias que eu não comia só vomitava e tentei comer esse lanche, só que ai piorou comecei a vomitar e não parou entao ele desesperou foi na rua buscou um taxi e me levou no hospital, detalhe isso tudo ele estava drogado, chegando na emergencia fui diagnosticada com hiperemesis gravidica e fiquei internada 3 dias ele começou a falar pra mim que eu tinha enjoado dele pela gestação que não amava ele mais, e quando tive alta começamos a brigar sem parar ate eu perder o bb e dpois disso ele enlouqueceu começou a usar droga sem esconder de ninguém que fazia isso a falar que odiava policia uma vez ele drogado me trancou no quarto e disse eu vou matar vc vou usar droga e vou matar seu passarinho sua cadela e depois vc e depois me mato ele de fato matou o passarinho e depois saiu pra buscar mais drogas em quanto ele saiu os vizinhos me ajudaram a pular a janela então minha vizinha disse pega só sua bolsa seu note sua cadela seus documentos e foge o importante e sua vida. e foi o que eu fiz ele me ameaçou a voltar de todas as formas disse que ia por fogo nas minhas coisas que iria se matar que iria por fogo no ap, mais fiquei uma semana na casa de amigas e dai eu mandei o caminhão de mudanças ir buscar minhas coisas, ele pra fazer chantagem raspou a sombrancelha o cabelo e emagreceu mto.. eu com pena disse vamos pro brasil pra vc ver sua família seu filho pra ver se vc melhora e fomos, fomos na casa dele ficamos dois dias pegamos o filho dele e fomos pra minha casa lá fomos pra fazendo e parecia que ele estava melhor, então voltando do brasil decidi dar nova chance por ele aparentar mudança e eu apesar de tudo ainda o amava, e voltamos mudamos de apartamento de novo e ali no propomos a uma nova vida, só que isso só na minha cabeça pq depois de um mes tinha começado tudo de novo ele usar drogas me agredir verbalmente pra vizinhança todo escutar.. eu já tinha vergonha de sair de casa prefiria ficar só em casa de tanta vergonha,só que dessa vez foi pior ele me bateu e então fiz queixa na policia ele chegou a ser detido um dia fiz medida protetiva só que asim que saiu da cadeia ele foi direto na minha casa, então liguei pra policia ele saiu correndo e foi pra casa de uma amiga dele, ate seu pai veio do Brasil pra ajudar nessa situação então o pai dele amenizou tudo e de novo voltamos e mudamos de ap de novo.. e aqui uma nova vida nos propomos assim que o pai dele foi embora ele começou a vender tudo que o pai tinha comprado por drogas e esperava eu ir pra faculdade pra ficar consumindo aqui em casa,ate que os vizinhos reclamaram e eu decidi separar.. com muito custo ele saiu daqui.. hje faz dois meses que separamos uma vitoria pra mim.. ainda não acredito que sinto isso mais as vezes sinto falta dele e fico tensa de pensar como me permitir viver tudo isso.. e ainda pensar nele.. ele parou de ir na faculdade e disse pra mim que esta em uma clinica de recuperação só que sei que é mentira pq nenhuma clinica permite celular e já pedi pra ele mandar localização ou foto só que ele sempre desconversa.. sei que ele ainda esta aqui.. e o que me dói é ter a certeza que ele encontrou alguém e ainda sim peno nele.. e toda hora… foi tudo mentira.. me ajudem como posso superar isso eu sofro muito.. eu de vdd quis dividir minha vida com ele ter família..mais ele me enganou direitinho…

    438. Fernando Bastos   •  

      como sempre, mais um texto instigante. eu particularmente não creio ser possível saber se existe ou não um deus criador preocupado com assuntos humanos. estou mais inclinado a pensar que a necessidade humana criou deus para mitigar seu sofrimento perante a vida. mas não há dúvida de que a crença em Deus pode ser saudável para mtas pessoas. Se é Deus ou a própria pessoa que se ajuda, esta é a questão. cada um vai julgar do modo que lhe seja mais conveniente.

    439. Rubens Hochapfel   •  

      Como é importante se entregar ao nada e encontrar o tudo. Sempre realizo o “olhai os lírios do campo”, sem eu, sem corpo, somente desperto para receber o nada, o algo ou o tudo de quem não tem nome.
      Parabéns, mestre, esse é o caminho sem rumo e sem busca. É tudo sem nome.

    440. luiz claudio   •  

      E quaundo a solidão é sua única alternativa? Alguem já pensou sobre isso? Tem pessoas( como eu) , que vivem isso 24 hs por dia , é horrível, mas minha realidade.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Luiz, a questão é se não há nada de bom na solidão? Ela pode ser uma escolha ou uma imposição da vida. Seja como for, o que fazemos com isso, ou seja, como interpretamos essa solidão é que faz a diferença.
        Grato pelo comentário!!

    441. sonia   •  

      Boa tarde.
      Eduardo gostaria de saber se tem como vc ajudar ao meu filho ,ele tem 34 anos e vive sempre em depressão ,não sai fica so em casa é de casa pro trabalho, do trabalho pra casa..
      Posso marcar consulta , no seu consultório.
      Atenciosamente
      Sônia Costa

    442. Nana   •  

      Telepatia, mediunidade ou esquizofrenia? As vezes sinto que meus dons não são reais, pois estou sempre me sentindo perseguida pela primeira coisa que vi

    443. patrick narlok schroeder   •  

      A resposta para quase tudo ou tudo é a consciência, vejo isso em muitos textos,reflexões, agora mesmo estava olhando para o chão e lembrei de um treinamento que fiz esse final de semana, eu pensei, o treinamento me ajudou muito, o treinamento foi muito bom, então tive um momento de consciência onde percebi que estava jogando tudo para o exterior, sendo que eu me entreguei ao treinamento, eu decide aproveitar, eu vivenciei, eu tentei, eu errei e aprendi. o treinamento foi uma possibilidade e eu embarquei nela, então algumas lagrimas caíram pois sempre “entendemos” que somos responsáveis por tudo na vida, mas jogamos muitas coisas para o exterior e então percebi que não só no treinamento, mas em toda minha vida eu sou quem escolhe, decide, cria e toma consciência ou não dos fatos que acontecem, não foi apenas um “entender” como antes, agora foi sentido na profundeza do meu interior. obrigado por suas reflexões, abraço

    444. Taciana   •  

      Moro em Blumenau e também tenho interesse em realizar o curso de radiestesia. Assim gostaria de receber maiores informações como local, valores e datas.
      Grata,
      Taciana

    445. AlexMaciel   •  

      Vivemos intoxicados com todo esse materialismo do ocidente e buscamos algo no oriente que na verdade encontra-se em nós mesmos. Mas, quem de nós consegue pagar o preço para resgatar a nossa essência?
      Eduardo, obrigado pelas postagens. Você é uma excelente fonte de conhecimento. Às vezes coloco suas postagens no meu site -citando a fonte-, claro!
      Existe algum problema?
      Obrigado desde já pelo conhecimento.
      Abraços.

    446. Anne   •  

      Olá Eduardo? Poderia falar comigo por e-mail referente há uma mente psicopata? Fico muito grata.

    447. Jeanne Mara   •  

      Olá, quero fazer a inscrição para o seminário de prática clínica. ..qual o procedimento? Obigada!

    448. Mauricio   •  

      PRECISO MUITO DE UM PROFISSIONAL TERAPEUTA HABILITADO PARA TVP EM FORTALEZA.

      SOFRO MUITO E ME SINTO EPRSEGUIDO. EM VARIOS LUGARES FUI ALERTADO QUANTO AOS MEUS PERSEGUIDORES. UMA VEZ SOLTARAM UMA PISTA DO MAL QUE EU TERIA FEITO.

      PRECISO MUITO PARA ME RECONCIAR COM O MEU PASSADO E SUPERAR PROBLEMAS DESTA VIDA.

      mauriciodesenhista@gmail.com

    449. Olá Eduardo

      Soube de seu curso de numerologia pelo Jaime Siedschlag (meu cunhado), aluno de parapsicologia em Joinville e gostaria de faze-lo para agregar ao meu trabalho.

      Uma vez sendo em outubro, seria possível efetuar o pagamento mais próximo do curso?

      Favor passar as informações complementares, ok?

      Obrigada!

      Abraço cheio de Energia Positiva!
      Ana Cristina – Tillin

    450. Fabricio   •  

      Bom demais o texto! Exatamente o que estou vivendo! Grato por esclarecer todo esse processo! Assim fica fácil entender que a angustia que sinto é o self querendo mais, pois meu coração vibra quando penso em novas possibilidade, mesmo não sendo lógicas no contexto em que vivemos.

    451. Moira   •  

      Texto interessante. Acredito que em virtude do distanciamento entre estes dois mundos, a meditação transcendental se encaixa tão bem na pratica ocidental.

    452. nilsa   •  

      Grata sempre! Ter acesso ao que você escreve e tão generosamente compartilha é sempre um presente, que precisa ser “aberto” por nós leitores, e, mergulharmos sem reservas em nosso mundo mais profundo do qual muitas vezes fugimos, conscientes ou não, mas tão importante e necessário para vivermos com mais leveza e harmonia.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Nilsa, grato pelo carinho!!! Fico feliz que o blog esteja trazendo bons assuntos para reflexão. Abração!!!

    453. Marcio Allain   •  

      Muito lúcida sua percepção.

    454. Marcio Allain   •  

      Lúcida, e sobretudo, moderada. Resistência é a exortação final. Para os extremistas em prol do trabalho – que furiosamente querem a revolução – o texto deve ser, ou é, puro conservadorismo, ou alienação mesma. Para os que desejam vorazmente os lucros – os capitalistas – vejo o escrito como uma advertência, uma antecipação da devastação, do vazio, da extinção da vida. Se é verdade meu entendimento do que li de T. PIKETTY da concentração vertiginosa do capital, do canibalismo entre eles, também eles estão em extinção. Serão reduzidos na previsão Orwell a três ou quatro grandes blocos. Mais uma vez a sensatez, desde o grego, estará entre os extremos. Saibamos ser inteligentes quanto ao script que nos impõem . Escrevamos, vivendo, o nosso próprio, guiados pela resposta que cada um se dê ao por que vim ao mundo! Torço pra que esse maniqueísmo se transmude numa empresa em que senhor e escravos compartilhem prejuízos e privilégios!

    455. AlexMaciel   •  

      Obrigado por mais esse texto, Eduardo. Como sempre, perfeito!!!

    456. Moira   •  

      Acho interessante quando questionas sobre a nossa escolha de nos tornarmos verdadeiramente humanos ou vivermos para atender as nossas necessidades mais instintivas e primitivas. Fiquei refletindo sobre o convite que o texto faz para que nos tornemos “verdadeiramente humanos”. E o que significaria ser verdadeiramente humana, se ser humana, em meu estado natural, é ser instintiva e primitiva em minha essência? Buscamos a nossa evolução eternamente… Desculpe a minha ignorância, mas não estaríamos em busca de uma utopia?

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Moira, vejo a verdadeira “humanidade” como um potencial a ser desenvolvido. Habitamos um corpo que tem seus instintos e necessidades. Compreende-los e ir além é a busca evolutiva. Quantas coisas reais já foram utopias? Penso que devemos fazer essa conciliação entre o animal e o divino que podemos almejar. Grato pelo comentário.

    457. Moira   •  

      Perfeito quando tu falas das diversas coisas reais que um dia já foram utopias. É inspirador… Eu que agradeço.

    458. Pingback: O DOM | liradopoeta

    459. Moira   •  

      É maravilhoso quando lemos algo e nos identificamos com cada palavra. Grata pela leitura.

    460. Fernanda Villela   •  

      Olá, poderia me passar o valor do curso para jaragua do sul? Grata

    461. Moira   •  

      O teu texto reforça a minha constante desconstrução. Quando aprendermos a desenvolver a nossa compaixão e amar o próximo, independente de quem (e do que) for e do que tenha feito, teremos encontrado a nossa alma gêmea espelhada em cada um dos seres do planeta. E desejo que numa amplitude maior também. Somos todos um. Estamos em todo lugar. Em nossa essência somos plenos de amor, em amor. Só não descobrimos isso ainda. Gosto de acreditar nesta ideia. Será utopia? Obrigada pela leitura. Namastê.

    462. Jomar Lessa   •  

      Parabéns pelo texto, muito esclarecedor e muito bem escrito.
      Um abraço e continue esse belo trabalho.

    463. ivone Slompeski   •  

      Eu comecei a ler a primeira vez a conversa com o terapeuta, me interessei pelo assunto,à final o que aconteceu com ele.

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Ivone, quem sabe tem continuação???? rs
        Na verdade esse conto foi uma maneira de falar de um assunto muito comum na terapia. Desenvolve-lo em um texto como os outros ficaria longo demais. A finalidade é pensar se, de alguma forma, isso não aconteceu conosco também.

    464. Moira   •  

      Aos 28 anos larguei tudo. Casa, marido, família e cidade natal. Com uma mochila nas costas saí em busca de mim… Percorri caminhos difíceis, mas de pura realização. Talvez muitos não precisem passar por tamanha mudança, mas para mim foi um grande desprendimento e encontro comigo mesma. O texto serviu para eu perceber que cada passo dado foi iluminado… Foi em prol de meu crescimento e evolução. Sou muito grata.

    465. AlexMaciel   •  

      Eduardo, excelente Texto!
      Acredito que Deus, assim como nós, não está preocupado com fulano ou sicrano, se joãozinho conseguirá ou não superar tal perda ou pagar as contas ou se o pobre cachorrinho será maltratado ou conseguirá um bom dono. O Pai(ou a luz, como gosto de chamar) preocupa-se apenas com a nossa evolução, com a divinação humana e a sua autoconscientização, pois,na sua perfeição, fez toda a criação Divina, imortal, que um dia voltará para ele. Sabe ele que um dia perceberemos que todo sofrimento da criação é passageiro, é do corpo, e serve para nos direcionar no caminho certo da evolução.

      Mas, isto não nos isenta de nossas falhas e acredito ser uma lei universal bem perceptível para qualquer um que tenha um minimo de inteligencia: Somos responsáveis pelo que fazemos, tanto a nós com aos outros e com certeza pagaremos por isso. Ainda sim,tudo é possível, pois assim como Deus, somos capazes de criar, de entrar em contato com sua luz, com a sua frequência e assim operar as maravilhas que são chamadas de várias coisas nesta terra: Milagre, magia, lei da atração etc.
      Mas, para isso precisamos de pessoas iluminadas para nos indicarmos o caminho para esta tão esquecida luz. E acredito que aí é que está a real possibilidade humana de mudança: entrar em sintonia com a luz – que naturalmente nos desperta para a consciência moral – e fazermos a diferença positivamente neste mundo.

    466. Simone Mior   •  

      Parabéns mestre, por mais este Filho. Muito sucesso para você.

    467. Elcio   •  

      Dizem q o novo, o desconhecido tende a causar temor. C essa onda virtual isso parece cair por terra, já q pessoas há q se jogam de corpo e alma nesse “novo relacionamento” gostei de sua abordagem mano. Parabens!

    468. Vicente   •  

      Olá Eduardo!

      Muito bom o texto! Concordo com quase tudo… exceto quando você fala que a mente é antagônica da consciência.
      Embora o medo seja criado através da mente, devido a confabulações e invenções de perigos imaginários, esse medo é necessário como forma de preservação. Mais especificamente, preservação da vida, que caso a percamos, estaremos perdendo também um tempo precioso para vivências e evolução. Mas principal função da mente é permitir a compreensão do acontecimentos permitindo uma ampliação da consciência, a mente é o pensamento. Logo a mente não é antagônica à consciência, ela é complementar. O problema é quando usamos a mente para racionalizar, justificar algo injustificável. Mas a mente… a mente nos permite pensarmos e, dessa foram, agir ao invés de apenas reagir as diferentes situações que a vida nos impõe. Instinto, tanto os animais quanto ser humano (que não deixa de ser um animal na natureza) possuem. Mas uma mente como a nossa, nenhum outro ser vivo possui. Mas aí… lógico, temos uma consciência que pode ser desenvolvida… e essa junto com a mente faz coisas maravilhosas!

      Abraço

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Vicente, grato pelos comentários sempre valiosos! Mais importante do que concordarmos é pensarmos sobre o assunto. Abraço!!

    469. Karina   •  

      Excelente reflexão Eduardo!

      Recentemente, me vi envolvida num debate estranho, em que se comentava o “sentimento metafísico de lar”. Ter uma casa, colocar pessoas dentro dela, não a torna um “lar”. De fato, ninguém pode lhe incutir um sentimento de “lar”, ou lhe dar uma “receita de lar”, isso é uma percepção e um sentimento pessoal…. podemos nos sentir mais “em casa” em casa de estranhos do que na nossa própria. Muitas vezes, a nossa melhor família não é a que compartilhamos a genética, mas a escolhida ao longo da vida: os amigos, cônjuge, colegas, animais de estimação…. Sim, animais de estimação muitas vezes são parentes muito mais dignos e amorosos do que seres humanos do próprio sangue…. Quando vejo esse tipo de “polêmica” de definição de “família”, eu a coloco no mesmo saco da questão do que é “um lar”. Nós temos uma família que não escolhemos (pais, irmãos, primos, etc.) – que pode ser boa ou ruim – e temos a família que nós mesmos escolhemos, conforme entendemos ser melhor para nós, e essa família ninguém pode escolher por nós ou rotular como melhor ou pior. Não cabe ao Estado, por exemplo, me dizer o que é um lar, uma família, ou qual deve ser a escolha sexual correta para as pessoas (excetuando casos de abusos, violência sexual, relacionamento forçado, ou qualquer outro tipo de relacionamento de algum modo desigual e não consensual…). Cabe ao Estado garantir segurança, educação, saúde, cumprimento de leis, qualidade de vida, respeito e oportunidades dignas para todos. Saindo dessas esferas, se está apenas querendo forçar uma ideia de como é a vida “mais correta”, conforme sua própria crença pessoal. Por que esse tal “conceito antropológico de família” é convenientemente escorregadio. Para produzir prole, evidentemente é necessário um macho e uma fêmea… mas para CRIAR a prole, não necessariamente (e lá voltamos ao que é um “lar”)…. E o que eu acho mais curioso nessa história toda, é que geralmente tendem a argumentar que casais do mesmo sexo iriam, pelo seu exemplo, criar filhos que se tornariam homossexuais, como se uma coisa fosse necessariamente causa da outra… E no entanto, a maioria dos homossexuais é nascida e criada em lares heterossexuais (conservadores e religiosos inclusive), detalhe que estranhamente é ignorado… E o que você disse ao final, sobre o “medo de se perder”, é o que mais me deixa intrigada. Essas pessoas, que tanto receiam, não conseguem aceitar, ou temem pelo “mal exemplo” dos homossexuais, e defendem tão veementemente uma “definição única e universal de família”, não estariam advogando em defesa do próprio medo de encarar alguma tendência em si mesmas? No melhor estilo “tirar o foco de mim e jogar no outro para que ninguém descubra o que realmente sinto”? Usando inclusive os filhos e crianças como desculpa…. Estudos científicos, de fato, dizem que é bem por aí… Quem sabe inglês, pode se deleitar com esse estudo: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8772014 (experimento realizado com homens heterossexuais homofóbicos x heterossexuais não homofóbicos, que demonstrou que os homofóbicos apresentam excitação sexual quando estimulados por cenas de erotismo homossexual, ao contrário dos heterossexuais não homofóbicos, que não apresentaram esses sinais de excitação, ou seja, os não homofóbicos são os verdadeiramente “bem resolvidos” em sua orientação sexual… Para se refletir!) . E vamos combinar, gente verdadeiramente feliz e bem-resolvida não se mete a impor suas crenças pros outros não… (excetuando aqueles casos desiguais, violentos, abusivos que assinalei anteriormente, que ferem direitos de dignidade e liberdade, e que esses sim devem ser combatidos, debatidos e servidos como exemplos de condutas ruins e prejudiciais). O que a Educação tem a obrigação de prover às atuais e futuras gerações é esclarecimento sobre as diferenças, informação de qualidade = LAICA e reflexão ÉTICA. No mais, esse é só mais um exemplo da pouca evolução consciencial da humanidade num geral…

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Karina, obrigado por melhorar, e em muito, o artigo. A repressão da sexualidade durante séculos como uma coisa errada ou suja, até mesmo na heterossexualidade, está longe de deixar de fazer efeito sobre o pensamento. Mas nesse assunto, mais do que nunca, o conceito de Sombra é muito visível. Volte sempre!

    470. João Batista Armani   •  

      “… ele estava exagerando com tantos cuidados e agrados, e que isso fazia mais mal que bem…”
      “…Só conseguia pensar agora que ele foi de um extremo a outro; se importava pouco e agora demais. O resultado foi o mesmo.”

      Para mim, a frase do bilhete que me deixou uma profunda mensagem foi “…preciso respirar…”.
      Há relacionamentos onde sufocamos a pessoa amada, impedindo-a de ser ela mesma.
      Parece que o caminho do meio é o mais adequado…

      Sucesso!
      Abração.

    471. Pingback: A chance de sobreviver | Blog Eduardo O. Carvalho

    472. Ary   •  

      Bom dia Eduardo! Muito bom o texto, Parabéns…

    473. Nilsa   •  

      Eduardo, seus textos são elaborados com maestria! Grata sempre.

    474. Mizael Gomes   •  

      Olá Eduardo…

      Parabéns pelas palavras, história magnífica envolvendo vinho, amizade e despedida!

      Abraço!

    475. José Carvalho   •  

      A mente humana é realmente algo incrível, neh?

      Excelente esse artigo, parabéns!

    476. Luciano Farias   •  

      Eu já fiz de tudo, mas não consigo superar essa maldita timidez, tomara que isso funciona memso

    477. Michele   •  

      Poderia nos proporcionar esta palestra em Curitiba?

    478. Adriana Barreto Borges   •  

      Olá professor Eduardo,

      Gostei muito do texto, me fez ter saudades das suas maravilhosas e as vezes irritantes aulas de autoconhecimento hehe (adorava!) – eu fazia a Mensal 23, mas por motivos que não vem ao caso infelizmente eu não pude mais continuar o curso de Parapsicologia.
      Bom, lembrei de quando fazia a minha faculdade de pedagogia que alguns escritores infantis fizeram releituras incríveis deste conto de fadas, como tantos outros, e alguns deles, o final pode ser feliz mas não necessariamente com o príncipe encantado…mas com outra princesa encantada, ou sozinha e independente, sem casar… E as vezes até, o sapo é mais interessante que um príncipe! Por que o importante é tirar o conto do passado, do retrógrado, do certinho, do que é sagrado, ou religioso, ou do politicamente correto… para mim é preconceito disfarçado!
      Esses contos de fadas eram histórias feitas antigamente para os adultos(com certeza você sabe disso) e nada tinham de infantis…pelo contrário… algumas eram bem fortes e repletas de metáforas e maldades extremas expostas de maneira bem camuflada… Sugiro, permita minha humilde liberdade a todos, que leiam Contos de Fadas no Divã…muito interessante! O famoso boneco de madeira que queria virar menino por exemplo, é quase um psicopata! Saudades!
      Caso exista algum curso somente de autoconhecimento e reprogramação mental eu me interesso muito, creio que será muito proveitoso para mim e para muitas pessoas! Sugestão.
      Um grande abraço Mestre!
      Adriana Barreto Borges

      • Eduardo O. Carvalho   •  

        Adriana, grato por seu comentário!! Com certeza sua fala acrescenta ao sentido do texto. Aviso sim. caso surja um curso nos moldes que pedes.
        Grande abraço!!!

    479. CLEBER V MARQUES   •  

      Muito bom Eduardo…. o teu “Momento Narciso” se justifica!!! kkkk

      Espero o texto sobre Desejos…. que conversamos ontem.

      Grande Abraço!!!

    480. Levi de Paula   •  

      Excelente texto, meus parabéns!

    481. Tatiane Rodrigues   •  

      Bom dia Eduardo, tudo bem?
      Seus textos são incríveis, te acompanho a um tempo e confesso que seu blog vem me ajudando muito. Fico sempre esperando ansiosamente pelos próximos temas…rs. E se me permite dar uma dica, gostaria muito que você abordasse o tema “relacionamento abusivo”, gostaria muito de ler qual sua visão sobre isso, acredito que você estaria ajudando muitos casais falando sobre esse assunto. :) Abraços.

    482. Maria Helena   •  

      Cada texto que leio, admiro mais seu trabalho! Parabens professor Eduardo!
      👏👏👏👏🙏🙏🙏😘😘😘😘

    483. kátia   •  

      Tudo porque criamos a bendita “expectativa” e delegamos ao outro a responsabilidade de nos fazermos felizes.

    484. Fatima Petermann   •  

      Pois é! Tá na hora de ensinar sobre expectativas, sentimentos e “não ser apenas princesas” , para nossas crianças! Gratidão, amigo.

    485. Rita   •  

      Olá’
      Tenho muito interesse em saber mais sobre radiestesia.

    486. JARDEL LEOMAR FISCHER   •  

      Boa tarde, quero mais informações do curso de radiestesia, pois tenho grande interesse em fazer, sou de Blumenau mais posso ir a Jaraguá sem dificuldades.
      Desde já agradeço.

    487. ANGELO PIERINI   •  

      VC FAZ REGRESSAO EM CRIANÇA DE 8 anos. ele tem TDHI. esta com dificuldades em apreender.

    488. Pedro   •  

      A hipnoterapia está começando a se propagar de uma forma cada vez mais rápida no Brasil.
      Eu sou hipnoterapeuta em Joinville SC e fico feliz em perceber que, a cada dia, as pessoas tem menos preconceito sobre a hipnose.

      Pedro Gomes