Agenda

  • Nenhum evento

Reflexão sobre a TOLERÂNCIA

tolerante – que releva e aceita as falhas alheias; indulgente. Que aceita e respeita idéias ou comportamentos distintos dos seus.

Dicionário Caldas Aulete

 

Passados alguns dias, penso ser oportuno refletirmos sobre os limites da tolerância, tendo como “pano de fundo” o atentado na Noruega.

Consta que a boa educação recomenda que devemos ser tolerantes com aqueles que pensam diferente, afinal cada pessoa tem o direito de escolha sobre sexo, política, religião e no Brasil, futebol…

A questão que se coloca é se devemos respeitar e aceitar diplomaticamente pessoas  que lidam com os conceitos diferentes dos seus de modo tão extremista. Até que ponto é democrático termos, por exemplo, partidos políticos que pregam ideologias nazistas e similares com amplo direito a exporem suas idéias livremente, podendo eleger representantes para os parlamentos e congressos de seus países?

Os defensores da liberdade plena dirão que a “livre expressão” é um direito básico de todo o cidadão, por mais extremas que sejam suas idéias. Penso que essa liberdade só pode ser exercida se estivermos falando de um Ser Humano no pleno gozo de sua humanidade. Será que ao aceitarmos conviver com idéias racistas e baseadas apenas em crenças (sem comprovação, portanto) não estamos sendo coniventes com atos como esse ocorrido na Noruega ou atos violentos baseados em princípios religiosos ou raciais?

É realmente humano quem pensa que sua raça é superior as demais ou que acredita que sua religião ou sua ideologia é a única correta e quem não concordar merece ser desdenhado, eliminado ou punido?

O princípio da humanidade deve principiar pelo bem mais valioso: a vida!

Sempre que alguém, para chamar atenção para suas “verdades”, precisa destruir ou matar, pensando estar fazendo algum bem a humanidade ou para valorizar suas ideologias, em minha opinião, está longe de poder ser chamado de humano.

Nossas escolas ensinam conteúdos para formar uma boa mão de obra para nossa cultura de produção e consumo, quando deveriam, na opinião de Daisaku Ikeda, formar “seres humanos” em primeiro lugar, para só depois ensinar os demais fundamentos.

Está mais do que na hora dos politicamente corretos, tolerantes, democráticos e demais omissos saírem do conforto de seus conceitos de liberdade e defenderem, nem que seja o direito das pessoas fazerem suas escolhas e algumas que nem fizeram (como sua nacionalidade), tenham o direito de continuarem vivas. Devemos, em nome da liberdade, proibir toda e qualquer idéia que defenda qualquer espécie de supremacia seja de que conceito for em nome da vida, por mais incoerente que possa parecer com o conceito de liberdade.

Quando leio que atos como esse, já são defendidos (justificados) por alguns líderes de extrema direita, antevejo que esse tipo de ignorância está longe de terminar. Sabemos que a verdade nunca está nos extremos, mas o meio termo precisa de ação, e já!

Pode até ser coincidência, mas “tolerante” está no dicionário perto demais da palavra “tolo”. Se não for mero acaso, deve ser por ter a mesma raiz…

A questão da ESPERANÇA

PARA SER GRANDE, SÊ INTEIRO…

SÊ TODO EM CADA COISA…

PÕE QUANTO ÉS NO MÍNIMO QUE FAZES.

ASSIM EM CADA LAGO A LUA TODA BRILHA

PORQUE ALTA VIVE.

Fernando Pessoa

 

A esperança é tratada ou pensada pela maioria das pessoas como uma qualidade que devemos desenvolver, um predicado daquele que nunca deixa de acreditar que seu desejo se realize. Mas seria a esperança uma qualidade ou um defeito?

Parece que não se discute que a palavra esperança tem sua raiz em “esperar”, passando a idéia de algum ato passivo, desvinculado de ação. Sabemos bem o efeito que causa essa palavra dita, por exemplo, por um médico: “Não devemos perder a esperança…” nessa hora temos a percepção de uma sentença definitiva, irrevogável; sentimos que estamos sendo preparados para o pior.

Outros têm a esperança que suas vidas possam mudar, seja por um golpe de sorte,  esperando que o improvável aconteça, seja no aspecto familiar, profissional ou afetivo. Não sei quem foi que disse que o impossível às vezes pode até acontecer, mais o improvável nunca acontece. Pura verdade, pelo menos,  no meu ponto de vista. Minha experiência mostra que realmente esperamos o improvável, mas o que faz mal é que ao tomarmos essa posição, “entregamos os pontos” em relação as nossas atitudes para fazer acontecer, desistimos voltando nossa expectativa para que um milagre aconteça.

Pandora, quando abre sua "caixa".
Pandora, quando abre sua “caixa”.

Conta-nos a mitologia grega que Zeus, rei dos deuses, ficou descontente com a obra de Prometeu; ele havia criado o Homem amassando barro, contando com a ajuda de Atena que teria insuflado alma e vida. Para vingar-se enviou Pandora, uma linda mulher, que trouxe consigo um baú onde estavam colocados todos os defeitos humanos. Ao abrir a caixa, recebemos o egoísmo, a maldade, a inveja, etc. Porém, Prometeu conseguiu fechar esse baú antes do último defeito sair, e esse defeito era a esperança. Nossa imagem ilustrativa relata esse momento, e adorna a 17ª lâmina do Tarô mitológico, que leva o nome de “A Estrela”.

O ensinamento dessa estória era justamente demonstrar que a esperança é considerada um defeito na medida em que simplesmente desisto, seja do que for, abandonando a luta, aceitando a derrota sem reagir mais. O que precisamos, apesar de parecer tudo perdido, é acreditar que uma mínima luz do final do túnel é suficiente para que continuemos a lutar pelo que queremos e objetivamos.

Não conheço nenhuma história de crescimento pessoal que tenha ocorrido sem uma vitória sobre o medo, em momentos em que tudo parecia perdido, arriscando-se tudo! Sempre penso que nesses momentos cruciais, a vitória não veio da esperança, veio da confiança, na fé em si mesmo!

Portanto sugiro que, a partir de hoje, reveja seu conceito sobre a esperança e lembre que tudo sempre será resultado das ações anteriores e mesmo que não aconteça o esperado, a luta e o empenho com certeza o tornaram mais forte e valerá muito, logo, logo ali na frente. Afinal nosso “jogo” dá é com a vida, tem ainda muito tempo pela frente e está realmente longe de acabar…

Não “espere” mais!

 

*Nesse último final de semana estive em Joinville no Instituto de Parapsicologia ministrando um curso de numerologia. Foi uma experiência gratificante, onde tive a oportunidade de estar com um grupo de pessoas interessadas no progresso humano e em se “armar” de recursos para participarem do seu crescimento e dos demais. Como estou em viagem, prometo para a semana que vem a foto dos novos numerólogos.

 

 

Uma nova forma de ver…

 

É preciso fechar os olhos

e conjurar uma nova forma de ver (…)

um despertar que é direito inato de todos nós,

embora poucos deles façam uso.”

Plotino

 

O filósofo que viveu nos anos 200 D.C. já estava preocupado com a possibilidade da existência de uma nova “realidade” além daquela que nossa usual interpretação oferece. Conta-nos a história que ele esteve na Índia e é de lá, imagino, que tenha surgido essa preocupação.

Seu verso presta-se a uma vasta interpretação, mas para não alongarmos, poderemos dividi-lo em partes:

É preciso fechar os olhos… não há melhor maneira de iniciarmos essa busca do que esse “olhar”para dentro. Só assim podemos nos dar conta do que pensamos a cada segundo, sem controle, vagando em pensamentos e sensações negativas que turvam completamente nossa interpretação da realidade.

e conjurar uma nova forma de ver… como seria essa nova forma de “ver” se nos afastássemos dos nossos condicionamentos e de nossa educação (domesticação)? Talvez fosse como o olhar da criança que fica pasma com a realidade, antes, é claro, de que lhe digam o que é que ela está vendo. Fernando Pessoa nos convida a não pensar para ver, nada mais perfeito!

um despertar que é direito inato de todos nós… esse despertar que é nosso direito é também nossa responsabilidade evolutiva. Segundo Aristóteles “mais valente é o homem que vence os próprios desejos que aquele que vence os inimigos, pois a vitória mais difícil é a vitória sobre si mesmo”. Temos medo de assumir nossa evolução por que não queremos assumir a responsabilidade!

embora poucos deles façam uso… afinal quantos sabem que essa mudança é possível? Dos que sabem, quantos tem a ousadia de buscá-la?

Caso o caro leitor tenha essa coragem, convido-o a primeiro manter uma estreita atenção sobre si, seus pensamentos e reações. Busque nem que seja por poucos minutos alguma introspecção e procure manter-se presente de “corpo e alma” em tudo que esteja fazendo. Traga-se de “volta” quantas vezes seja necessário.

A diferença básica entre a psicologia ocidental e a oriental é que a primeira diz que a atenção não pode ser mantida e a segunda diz que pode e deve ser mantida, se pleitearmos amadurecer além dos limites tradicionais de desenvolvimento da consciência.

 

Quer arriscar-se?