A ex

Quando o carro estacionou, ele rapidamente desceu para abrir a porta. Mistura de gentileza e constatação de fragilidade (não é tão fácil sair do carro), também chamada de galanteio. Ação antiga, onde homem facilita a vida da mulher; seja puxando a cadeira, facilitando descer a escada e até recentemente, pagando a conta do restaurante. Tudo isso como arma de sedução, mostrando que a vida com ele seria fácil e confortável.

Ela retribuiu com um sorriso, mas percebeu que havia algo diferente no olhar dele.

Haviam se conhecido há poucas semanas por um site de relacionamento. Ela, solteira a algum tempo, logo percebeu que ele não estava habituado ao jogo da conquista. Depois de alguns e-mails protocolares, para criar as condições da conversa aprofundar, confessou estar viúvo a alguns meses, depois de um casamento de 25 anos.

Temos um ótimo candidato, pensou ela, quando recebeu a primeira foto. Viúvo, no fim das contas, é um comprometido que não tem como voltar para a ex, disputa sem concorrência. Sua experiência e das suas amigas, mostra que tem relacionamentos que parecem nunca terminar, mesmo que a separação aconteça. Nada é mais difícil que uma ex presente, como uma sombra, em novo relacionamento.

Quando ele a convidou para jantar, perguntou meio sem jeito, se ela gostaria de conhecer a casa onde morava. Aquele convite feito timidamente, quase constrangido, a encantou, mesmo sabendo que o desfecho seria esperado.

Durante o jantar notou que ele estava nervoso e quase não tocou na comida. De certa forma, isso a divertia, é como se ela tivesse o poder sobre ele. Essa timidez sempre encanta, já que dá a impressão de não ter tido muitas mulheres em sua vida.

Menos comparações, foi o pensamento que ocorreu quando ele, com um leve tremor na mão, deixou cair vinho na toalha da mesa.

A bebida foi cumprindo sua função e ele foi relaxando aos poucos, mas demorou para  pegar na sua mão, o que já estava demorando na avaliação dela. Buscar o toque é a constatação física do interesse.

Ela correspondeu, pressionando levemente os dedos dele, mostrando um sorriso tímido e desviando o olhar, dando a impressão de que isso não aconteceu muitas vezes. Ele reagiu como esperado, ficando mais confiante.

Tudo passou rápido pela sua mente enquanto caminhava em direção a porta pelo pequeno jardim bem cuidado, com rosas e outras flores ornamentais. Ali, a presença da ex  já se fazia notar.

Enquanto ele procurava a chave da porta, claramente nervoso, ela perguntou se conheceria seu único filho de 12 anos.

– Hoje ele está na casa da minha irmã. Na próxima vez com certeza!

Sentiu uma ponta de decepção.

Esperava, mesmo pelo pouco tempo que se conheciam, entrar naquela casa como uma potencial futura esposa, não como o resultado de um jantar romântico, onde o sexo é quase um protocolo.

De novo, percebeu a diferença no jeito que ele a olhava. Dessa vez não teve dúvidas; não havia mais ternura, somente desejo. Aquele olhar que não leva a alma em conta, que é só do corpo como um instinto sem humanidade. Um olhar silencioso, como aquele que antecede uma explosão esperada. O mesmo que os documentários mostram no leão quando identifica a zebra a ser abatida.

Pensou em ir embora enquanto ouvia os estalos da fechadura.

Vou ficar e deixar esse romantismo feminino de lado, pensou. Isso não é um filme, é vida real! O que esperar de alguém que está carente a quatro ou cinco meses?  O fato de estar na casa dele, já é um sinal de que me leva a sério. Claro que o filho não estaria em casa, iria atrapalhar os planos dele e a sua irmã quer ajuda-lo e vê-lo feliz novamente. A sociedade tem pressa em dar uma nova esposa a um viúvo, mas cobra menos pressa da mulher, exigindo uma solidão em forma de homenagem. Pensamento masculino de milhares de anos que ainda vigora.

Ao entrar na sala deparou-se com um grande porta-retratos onde ele e a ex estavam abraçados, ela de frente para a câmara e ele de costas. Ao lado, outras fotos menores do filho, avós e  lembranças de viagens. Teve a impressão de que ela, pela expressão do rosto, sabia que essa foto estaria naquele lugar, para deixar claro quem dominava o território. Um arrepio percorreu a espinha.

Olhou em volta e a decoração tinha um claro toque feminino. Mulher sabe e pode até desvendar alguns traços da personalidade da concorrente. Lembrou que ela não estava ali pelo casamento ter acabado, por ele não gostar mais dela. Não fosse pela doença que a vitimou, ela nunca estaria ali, com ele. Mesmo que ele se apaixone por mim, pensou, será sempre por ela ter morrido. Não houve disputa,  nunca poderei me sentir superior. Teria que conviver com isso.

Percebeu que não havia mais fotos dela na sala e que o vaso, em cima da mesa, estava vazio. Provavelmente uma diarista cuida da casa e dificilmente um homem e um pré-adolescente lembrariam de colocar flores no ambiente.

Sentiu o toque dele em seus ombros. Sabia que, ao virar-se, tudo começaria.

Tinha a seu favor o fato de ser uma novidade para ele. Acostumado a vida familiar, se tudo desse certo, ele a quereria ali, em breve. Precisaria, aos poucos, mudar toda decoração e a cor das paredes. Tirar os vestígios da antiga dona.  Agora, seria seu território!

Mal conseguiu se concentrar no primeiro beijo. Só pensava em como fazer para tirar aquela foto dali.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *