A Depressão de NATAL

Por detrás da Alegria e do Riso, pode haver uma natureza vulgar, dura e insensível. Mas, por detrás do Sofrimento, há sempre Sofrimento. Ao contrário do Prazer , a Dor não tem máscara.

(Oscar Wilde)

Todo o ano é assim: quando o comércio monta as árvores e o clima de natal começa a chegar é comum ouvir de alguns clientes no consultório a seguinte frase: “Se pudesse, dormiria dia 23 de dezembro e só acordaria dia 2 de Janeiro…” Mas porque isso acontece?

Segundo alguns estudos, cerca de 30% da população ocidental (onde a data é mais tradicional e comemorada) sofre do mal conhecido como depressão de natal ou “Christmas Blues”. As pessoas acometidas desse “mal” sentem na época das festas de final de ano uma angústia, sensação de desamparo, aumento dos níveis de ansiedade e alguns outros sintomas que se assemelham a um quadro depressivo. Penso ser, portanto, oportuno, discutirmos esse tema, já que caso algum leitor seja vítima desse mal estar, possa fazer uso dessa reflexão para melhorar seu quadro.

Existe uma série de fatores que podem provocar essa sensação, mas vou colocar os principais:

Tudo começa com o “clima” de natal, onde todos precisam (?) estar felizes, fraternos, além de outros nobres sentimentos que, nos são impostos de cima para baixo. Caso não nos sintamos assim, é como ficarmos de fora de uma festa em que todos participam e se divertem menos nós. Claramente nos dias que antecedem a data as pessoas são tomadas de uma espécie de euforia que se cristaliza nas lojas onde se realizam as compras dos presentes. Nota-se uma grande ansiedade, correria e pressa, muitas vezes claramente desnecessária, já que muitas pessoas estão até mesmo de férias. Fica-se contagiado negativamente, já que se não me sinto assim, penso que devo ter algo de errado comigo, o que acarreta, no mínimo, uma sensação de solidão.

Também é uma época de convivência obrigatória e alegre, seja com familiares ou colegas de trabalho de quem eventualmente não gostamos ou simpatizamos (não há mal nenhum nisso), mas precisamos estar transbordando de felicidade e, “é tempo de perdoar”, seja o que for, apesar  de podermos ainda não estarmos prontos para esse nobre ato. Essa obrigação de se estar em família, originária da tradição cristã, muitas vezes exige esse sacrifício de se ter que estar com quem não se quer estar. É sempre importante lembrar que não é raro, eventualmente, não termos afinidade ou mesmo não gostarmos de algum familiar próximo. Se desavenças e afastamentos acontecem com amigos (que escolhemos), também podem acontecer na família (onde não escolhemos). Evidentemente que isso provoca ansiedade (toda a ansiedade é sofrimento) e a pessoa não vê a hora de se livrar desse compromisso. Mas o medo de desagradar os demais familiares, não querendo ser o motivo de uma eventual tristeza, faz com que se sinta obrigado a estar presente, afinal, vai que durante o próximo ano alguém importante morre e vem a culpa de ter se dado esse desgosto a  essa pessoa querida…

Não podemos esquecer também das perdas pessoais de familiares que sempre são mais sentidas no natal, já que a família está reunida e a pessoa não está mais presente, o que sempre traz mais um peso emotivo para a data e para a noite de natal. A lembrança dessa perda dura muito tempo e a salvação de uma noite mais animada fica a cargo da presença de crianças, que pelo encantamento dos presentes e até mesmo pela própria condição de criança, ainda não aprenderam com os adultos essas tristezas obrigatórias. Lembrando sempre que, como em nossa cultura, o amor está ligado ao sofrimento, não fica bem ficar muito alegre se os demais estão sofrendo pela ausência de alguém.

Situações e emoções reprimidas com familiares, colegas e amigos precisam ser esquecidas para que a festa não seja estragada, o que aumenta o nível de tensão e faz da noite de natal para muitas pessoas um sofrimento inescapável.

Projetos e metas que estipulamos no ano anterior e, pelo motivo que seja não puderam ser cumpridas, baixam a auto-estima e nos lembram de que, de alguma forma, fracassamos, trazendo um sentimento de inadequação.

E, ainda para piorar, algumas pessoas têm nas compras um escape para suas ansiedades e fazem no natal dívidas que terão que cumprir no ano seguinte por alguns meses, com o objetivo de se sentirem melhores, o que nunca acontece…

Enfim, poderia ainda elencar outras razões para esse fenômeno que tem crescido a cada ano, mas penso que os citados já são suficientes para uma reflexão sobre o tema e, para aqueles atingidos, o consolo de saber que estão acompanhados nos seus sentimentos por muita gente. Nessa hora, procure rever a maneira como você lida com essa data, se dê, de presente, um natal diferente, revogando algumas obrigações que não fazem mais nenhum bem. Procure ser honesto consigo e evite fingir o mais que puder, já que, quando não estamos naturais a tensão está presente e terminamos exagerando na comida, bebida ou compras para nos anestesiarmos. Portanto, se você não sofre dessa depressão de época, pode conhecer alguém assim, torne-se mais compreensivo sem a necessidade de estar perguntado: O que você tem? Porque está com essa cara?

Mas quando isso começa? Pode ser desde a infância, com dias de natal tristes, onde muitas vezes a criança não entende racionalmente, mas sente  o clima e a cada ano, mesmo depois de adulto, a cada natal volta a sentir a mesma tristeza. Mas também isso pode começar a partir de um natal em especial, pelo motivo que for, criando um trauma revivido a cada ano.

Nossa mente, na sua parte ligada a sobrevivência, nos remete ao passado com facilidade, seja por alguma data, música, aroma, etc. Ainda mais se for para a negatividade. Dessa forma, sentimos a mesma sensação da primeira vez mesmo que já tenha se passado muito tempo, e isso tem a finalidade de não repetirmos nada que nos fez sofrer com o objetivo de nos manter vivos. Não existe análise qualitativa nisso. Observe que os bons momentos são lembrados com pouca emoção, como se estivéssemos contando um filme que vimos, mas os ruins…

Aliás, um dos grande problemas dos nossos sofrimentos estão ligados ao fato de não sabermos como nossa mente funciona, o que impede mudanças importantes nos padrões de comportamento. Como poderemos arrumar ou ajustar uma máquina que não sabemos seus princípios de funcionamento?

Para encerrar, console-se com o papai Noel dos trópicos, no calor escaldante com roupa grossa, barba e tendo a obrigação profissional de estar sempre sorrindo, batendo sua sineta dando o fundo musical dessa data que faz tanto bem e mal…

 

1 Comentário

  1. Pingback: O Sétimo dia | Blog Eduardo O. Carvalho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *