Agenda

  • Nenhum evento

Destino escolhido

“O colonialismo visível te mutila sem disfarce: te proíbe de dizer, te proíbe de fazer, te proíbe de ser.

 O colonialismo invisível, por sua vez, te convence de que a servidão é um destino, e a impotência a tua natureza: te convence de que não se pode dizer, não se pode fazer, não se pode ser”.

                                                   Eduardo Galeano – O livro dos abraços

                                                                                                                                                                              homem robo

Lutar contra o colonialismo visível é fácil, ele é escrachado e reprime com a força das armas, na maioria das vezes. Já vivemos isso aqui no Brasil e os com mais de 50 perceberam e os mais velhos sentiram na pele. A ordem é  concordar e discordar é ser do contra, não amar, e não querer o bem. Criticar nem pensar e pessoas assim merecem morrer. Recentemente na Coréia do Norte, alguns foram executados por terem sido descobertos vendo novela, coisa que o ditador de plantão não gosta e não acha que seja bom, já que “aliena” as pessoas.

Sempre temos grandes inteligências, doentes é claro, que dizem saber o que é bom para todas as pessoas. São eles que, ao longo dos tempos foram responsáveis pelo nosso super desenvolvimento tecnológico e um quase inexistente desenvolvimento da consciência. Pessoas que elevam sua percepção atingem uma liberdade impossível de ser tirada por quem quer que seja e morrer para um homem livre é mero detalhe, como nos mostra a biografia de Sócrates e Mansoor. Poderíamos falar de tantos outros que fizeram da sua liberdade de pensar, querer e Ser sua vida, atingindo assim a eternidade possível. Dos outros, dos que aprisionam, as lembranças são só as do mal que fizeram e se tornam exemplos do que de pior um ser humano pode fazer com sua inteligência e sensibilidade às avessas.

Mas o colonialismo moderno, fora essas bizarras exceções é mais sutil e, portanto, eficiente. Ele vem pela cultura, pela mídia e pelos olhares de reprovação dos condicionados que não suportam ver o livre ou aspirante à liberdade. Existe uma força terrível que nos impulsiona para voltar ao cativeiro da inconsciência, criticando e fazendo “do que os outros vão pensar” uma chantagem tão grave como se faz com as crianças, quando dizemos que se elas não fizerem o que é “certo” nos farão chorar ou entristecer.

Basta um mínimo de percepção para sentir-se um peixe fora d’agua em meio ao pensamento comum, das metas iguais e das avaliações rasas sobre quem é bom, certo ou referência. Vivemos uma época da vitimização, seja do governo, do destino ou de deus e isso é tão fácil de entender; as pessoas cumprem seu script cultural e esperam, é claro, os resultados. Essa recompensa é sentir-se bem, respeitado e admirado pelos outros, nem que seja por ter um corpo perfeito à custa de privações e mutilações ou alguns bens de consumo, cada vez mais perecíveis pela moda, que são a prova de uma vida de sucesso.

Essa cultura sempre leva aos extremos, onde o sofrimento é inevitável. Negar parte de qualquer coisa é percebê-la pela metade e com a vida esse conceito é mais válido ainda. O “caminho” é do meio, composto por tudo sem nada excluir.

Talvez esses bilhões de dólares investidos por homens e mulheres para manterem sua juventude, criando seres caricatos, pois nada é mais estranho do que uma pessoa de 40  parecendo-se como uma de 20, pode ser uma metáfora de se ganhar mais algum tempo para que a vida faça sentido.

O colonialismo invisível tem feito vítimas em progressão geométrica e a verdadeira epidemia de doenças emocionais como a depressão e a ansiedade é a prova mais cabal disso. Assim, comer, beber, drogar-se e consumir vira o anestésico possível para se continuar no dia a dia absurdo e sem conteúdo. Somos convidados, pelo pensamento dominante, a buscarmos uma resposta externa à evolução interna e é por isso que a angústia coletiva aumenta como a temperatura de uma chaleira no fogo. A ebulição que estamos vivendo está nas estatísticas de cada vez mais casos de doenças originadas desses “escapes” citados acima.

Ninguém se importa, afinal o importante é gerar riqueza, comprar e buscar ser visto como alguém bem-sucedido. Na contra mão dessa maneira de pensar(?), as pessoas percebendo que os remédios, as roupas, músculos, carros, eletrônicos e viagens apenas as anestesiam, começam a buscar alternativas. O problema é que essa busca não é movida pelo amadurecimento de sua percepção, mas pelo aumento do sofrimento e angústia mental que nada faz parar. E quando isso acontece é o de sempre: uma pequena melhora para poder voltar a ser o que era, como se o problema fosse a pessoa e não o contexto onde ela está inserida.

Era melhor que tivéssemos tanques na rua ou uma vigilância nos moldes de Orwell no ótimo “1984”. Nesses momentos, pelo menos aqui no Brasil, tivemos Chico Buarque, Caetano Veloso  e Elis Regina (para citar poucos) a cantar os poemas que nos convidavam a reagir contra a prisão de pensar e ser. O modo “invisível” é tão mais eficiente, pois se traveste de liberdade e o que temos para ouvir na grande massa é o tipo de arte sexualizada que nos retrocede à adolescência e aos prazeres menos sofisticados ou inteligentes.

Ouça, por exemplo, as “dez mais” da parada de sucessos e analise as letras para entender o nível onde estamos. Ir para frente não é automático. Natural e sem esforço é retroceder.

A alienação hoje é muito mais grave, já que é o resultado do que somos, por regressão, diferente do que é claramente imposto goela abaixo.

No final, é como sempre; precisamos chegar ao fundo do poço para percebermos que isso não funciona. Mas como se sabe, as massas têm na ignorância sua natureza e são apenas individualidades, lá e cá, que se elevam acima do comum. Mas assim que isso acontece, vem o medo da solidão e a força que traz para baixo, questionando se a pessoa está sã por pensar diferente.

A revolução que se pede hoje contra a ditadura do status quo, não pede armas ou guerrilhas, mas uma atitude nova de resistência lúcida e manter-se firme contra a correnteza.

Pense e se repense. Avalie para onde o caminho que está sendo trilhado pode levar e qual o final que cada um de nós está escrevendo para sua história.

Não há como alegar a ignorância da lei. Evolutivamente pagamos pelo que fizemos e não fizemos.

Nada está escrito, mas sendo escrito.

______________________________________________________________________________

Voltamos em Janeiro. Um ótimo período de descanso e aproveite para ler os textos e comentá-los à vontade, bem como as crônicas que escrevo na Folha SC.