Agenda

  • Nenhum evento

Psicopatas

 “Quanto maior o homem, tanto maior também o seu potencial de maldade.”

Sabedoria  Judaica

Psicopata

Quando falamos em psicopatas a primeira coisa que nos vem à mente são os mais famosos, os assassinos frios, que viram motivo de filmes e séries americanas, ou então aqueles que cometem crimes cruéis e, muitas vezes em série, os famosos serial killers. Mas, como tudo, a psicopatia existe em vários níveis e nem todos ficam “famosos”, aliás, a maioria deles continua por aí, provocando seus danos e ninguém pensa na possibilidade de ter em sua convivência próxima algum deles, já que o que se tem em mente são os casos mais graves.

Independente do nível, se diet, light ou hard, psicopata é psicopata e a ideia desse artigo é fornecer alguns indícios que possam ajudar a reconhecê-los e começar a tomar cuidado, e a primeira informação que quero dar é que psicopatia não tem cura, ou seja, se convive com ele(a) e se você descobrir que tem um por perto e for uma pessoa importante, não fique na esperança que um dia ele (a) irá melhorar, isso não é possível, já que hoje a ciência identifica que nos psicopatas as áreas do cérebro responsáveis pela empatia, remorso (sentir o sofrimento do outro e se compadecer), apresentam um desenvolvimento menor ou uma diminuída capacidade de funcionamento. Porém, suas capacidades cognitivas e racionais funcionam perfeitamente, o que os torna frios e calculistas ao extremo. Isso quer dizer que são somente racionais, sem capacidade de sentir emoção, ou seja, os meios justificam totalmente os fins.

Os dados estatísticos falam que três homens e uma mulher para cada cem pessoas são psicopatas. Eles nunca e jamais experimentarão qualquer tipo de constrangimento, sentimento de culpa ou lamentarão o fato de enganarem, magoarem e simplesmente usarem as pessoas para atender seus interesses. Eles acham isso a coisa mais natural, justamente pela parte do cérebro, principalmente a parte relativa a sentimentos, praticamente não funcionar. Por outro lado, eles têm um encanto natural, são charmosos (a) e sedutores (a), e como são ótimos atores, afinal só assim conseguem seus objetivos, fazem com que suas vítimas levem muito tempo até se darem conta de com quem estão metidas.

Um dos sinais que podem ser percebidos é que eles não conseguem o tempo todo esconder sua face má. Ao mesmo tempo em que são simpáticos e agradáveis, às vezes deixam escapar ações ou pensamentos impulsivos, violentos ou preconceituosos. Como ótimos atores, o psicopata se faz de “coitado” para captar a pena e simpatia de sua vítima. Aliás, é importante colocar que as principais presas são justamente pessoas de bom coração, muito solidárias, sentimentais e carentes de afeto e atenção. Eles criam fortes vínculos de amizade ou de relacionamentos afetivos com o objetivo de, no momento apropriado, dar o bote certeiro. Para se aproximar, criam histórias muitas vezes mirabolantes sobre si mesmo, cheias de encanto e o mais engraçado é que quando um psicopata é pego em suas mentiras, é como se nada tivesse acontecido, nem se importam.

Todo o seu encanto está em se apresentarem muito bem articulados (lembre que normalmente são muito inteligentes), divertidos e muito simpáticos. Apresentam conhecimentos sobre várias áreas como filosofia, artes e atualidades, muitas vezes usando alguns termos técnicos com o objetivo de se tornarem mais convincentes e atraentes. Mas se forem questionados por alguém que seja do ramo específico do conhecimento podem ser logo desmascarados, mas como são hábeis em mudar de assunto, normalmente demoram a ser descobertos.

Nos seus relacionamentos são controladores, sempre com  mania de grandeza e fazem sempre o outro sentir-se culpado, assim vão exercendo seu domínio e manipulação de forma sutil e profunda, deixando sempre a outra pessoa em “dívida” emocional.

Apresentam também uma capacidade bastante reduzida de autocontrole e baixíssima tolerância com frustrações, explodindo com violência, ameaças e desaforos. Porém, logo se recompõem como se nada houvesse, sempre explicando sua reação desmedida como uma resposta ao comportamento inadequado de outra pessoa. Lembre que o psicopata é sempre vítima!

De forma geral demonstram uma total ausência de sentimento de culpa por suas ações, apesar de se dizerem comovidos, suas atitudes demonstram o contrário. Aqui, faço um parêntese para reforçar algo que já citei em artigos anteriores; esqueça o que a pessoa diz, avalie apenas suas atitudes. A maioria é ótima de discurso e muito ruim de ação.

Infelizmente, por serem pessoas que convivem normalmente em sociedade, os estudos com psicopatas só podem ser feitos com aqueles que cometeram crimes e estão presos, portanto, nos casos mais graves. Assim, nos EUA, foi feito um experimento com alguns deles, onde era mostrado um vídeo com cenas de extrema violência e crueldade que, em pessoas normais, afetavam (aceleravam) os batimentos cardíacos, justamente pela empatia. Nos psicopatas testados, as piores cenas não alteravam em nada sua emoção, é como se estivessem vendo desenhos animados…

Os psicopatas não gostam muito de rotina, pois tem vício em excitação, logo não se sentirão bem em atividades que exijam muito compromisso e concentração por longos períodos. Não gostam de obrigações de nenhuma espécie, logo são incapazes de serem confiáveis e responsáveis em qualquer área da vida. Se não for do seu interesse, simplesmente não aparecem ou descumprem os compromissos estabelecidos.

Por se tratar de um problema de funcionamento da estrutura do cérebro, o psicopata já nasce assim e assim permanecerá. Seu comportamento doentio já pode ser identificado desde a infância: maltratam animais e outras crianças, mentiras recorrentes, pequenos roubos, trapaças nos jogos e brincadeiras (ignoram as regras para obter vantagens), violência e vandalismo. Todas as pesquisas demonstram que esses tipos de comportamentos na infância e adolescência são fortes indicadores da criminalidade na idade adulta, assim como os estupradores em série normalmente atendem ao diagnóstico de psicopatia. Mas aí você poderia argumentar que nem todos que apresentam esse tipo de comportamento são psicopatas necessariamente. É verdade, mas nunca esqueça que o fator que, somado a esses indícios que indicam a psicopatia, é a ausência de sentimento de culpa e afetividade.

Pela legislação vigente o psicopata só pode receber esse diagnóstico após os 18 anos, antes disso normalmente recebe o nome de “transtorno de conduta”. Esse ponto pode até remeter a discussão da maioridade penal que hoje e de tempos em tempos, volta a baila no Brasil. Como curiosidade, a responsabilidade criminal em alguns países atende a idades bem diferenciadas; Austrália e Suíça é de 7 anos. Dinamarca, Finlândia e Noruega, 15 anos. Na Inglaterra, dependendo do crime com 10 anos ou menos. A questão óbvia é que, em qualquer dessas idades a pessoa sabe o que está fazendo. A educação é sempre caminho, mas no caso do psicopata nada vai cura-lo, e mantê-lo solto (nos casos mais graves) é saber que os crimes se sucederão inevitavelmente.

O que as famílias podem fazer quando, por exemplo, um filho (a) atende aos quesitos e é diagnosticado como “transtorno de conduta”? Nada, além de uma disciplina dura e rígida sempre! Rédea curtíssima, vigilância e um sistema de punição que funcione, poderá, nos casos mais leves e moderados ajustar de alguma forma, mas para a cura ainda não se tem notícia, infelizmente.

A seguir, repasso os comportamentos frequentes que indicam a presença de psicopatia, tendo como fonte o livro “Mentes Perigosas” de Ana Beatriz Barbosa Silva (editora Fontanar), onde mais informações e relatos de casos poderão ser encontrados para maior entendimento do problema:

-Mentiras frequentes

-Crueldade com animais e pessoas

-Não aceita a autoridade

-Impulsividade e irresponsabilidade

-Culpa sempre os outros (papel de vítima)

-Insensibilidade e frieza emocional

-Ausência de culpa ou remorso

-Falta de constrangimento ou vergonha quando pegos nas mentiras ou em flagrante delito

-Dificuldade de manter amizades

-Faltas constantes no trabalho e escola

-violação constante de regras sociais

Evidente que esse é um tema que mereceria mais espaço, mas a finalidade é trazer alguma informação que possa ser útil a identificar se em suas relações possa existir um psicopata e ajudar e entender como são e funcionam essas pessoas. Evidentemente que só um profissional habilitado pode fazer o diagnóstico, mas se preenche a maioria dos quesitos acima, mantenha-se atento!

Nunca esqueça que a grande maioria dos psicopatas não é assassino, mas pode feri-lo material e emocionalmente, sem dó nem piedade, basta ele perceber em você alguma utilidade para seus fins. Eles não tem cara de assassinos ou bandidos, aliás, o mal não tem rosto.

Como formar um “rebanho”

Tudo quanto tenho feito, pensado, sido, é uma soma de subordinações, ou  a um ente falso que julguei meu, por que agi dele para fora, ou de um peso de circunstâncias que supus ser o ar que respirava.

Sou, neste momento de ver, um solitário súbito, que se reconhece desterrado onde se encontrou sempre cidadão. No mais íntimo que pensei não fui eu.

 

Fernando Pessoa- Navegar é preciso

 

Manipulação 1

Deus, sempre ele, desde tempos imemoriais tem sido usado como o maior e melhor modo de controlar as pessoas e manipulá-las. Cabe lembrar que sua existência ainda é controversa, sendo  uma questão de crença, afinal, nunca ninguém o viu ou falou com ele. Até hoje em dia, caso isso aconteça com você, de vê-lo ou ouvi-lo, procure manter um absoluto sigilo, pois se ficarem sabendo seu futuro será um psiquiatra e uma extensa lista de medicamentos.

Assim, aqueles que manipulam as pessoas precisam, para que elas se sujeitem aos padrões de comportamentos desejados, que estejam vivendo duas emoções; o medo de uma eventual punição e a culpa, por terem descumprido alguma “regra”. Some-se a isso, que, para que as regras sejam seguidas tenham, em quem as determine, uma forte autoridade. Dessa forma, quanto mais absurda, maior autoridade precisa ser a do seu autor. Assim, nosso deus, de costas muito largas, coitado, tem visto seu nome ser usado em vão há séculos, para que as pessoas (no caso ovelhas), sigam determinadas normas de conduta, conceitos de certo e errado, que não se discuta ou questione.

E o que é uma norma absurda? É aquela que não seja possível de ser atingida, por estar fora do âmbito humano. Se pensarmos bem, veremos que tudo que é considerado pecado é alguma emoção ou comportamento extremamente natural, ficando, portanto, necessitando de um tamanho esforço pra ser cumprido que o torna irrealizável.  Alguns desses pecados ou mandamentos chegam ao ponto de que é proibido pensar, ou seja, não tem como ser conseguido, afinal não podemos fazer com que nosso cérebro simplesmente não pense. Assim, a pobre ovelha já está em sofrimento, afinal deus está muito irritado com ela por ter esse tipo de pensamento. Então, ela, para se redimir, precisa de uma penitência (punição). Esse tipo de bobagem, como tudo que é cultural e repetido desde a infância vira uma norma de vida e a própria pessoa se pune sozinha pelo seu grave erro (?).

Somente pessoas tristes e quase mortas são manipuláveis, portanto, essas normas visam tirar a alegria, o prazer e a felicidade. Sobra só o sofrimento que nos purifica e nos limpa de nossos pecados que já trazemos, pasmem, desde que nascemos. Isso porque há dois mil e poucos anos crucificaram Jesus que veio para nos libertar e eu, que não estive lá e não participei disso, preciso ter uma vida sem graça e muito chata para pagar esse erro que certamente não cometi, mas que me garantirá um lugar no paraíso dos justos. Inacreditável!

Então, os pastores vão conduzindo seus rebanhos dizendo que comidas gostosas (prazer) é pecado, que sexo é errado, que sentir ira (é instinto) é um pecado capital, que divertimento precisa vir bem depois do trabalho (precisa suar o rosto, lembram?) e que viver é mesmo sofrer, porque um dia, se você fizer tudo certinho ( tiver tido uma vida de sofrimento) será recompensado. Se isso for verdade imagine só a chatice que será viver no paraíso! Que vida eterna mais sem graça, afinal a música permitida provavelmente será a barroca ou sacra, dançar nem pensar, chocolate, riso, romance e divertimento então somente naquele “lugar” para onde vão os que erraram, pecaram e não foram tementes (ter medo) de deus. Imagine só que as pessoas que conseguiram essa façanha precisam ser moralistas, chatas e sem graça. Basta observarmos os exemplos dos futuros candidatos a um lugar no paraíso que ainda estão entre nós. Que tal passar a eternidade com eles?

É claro que todas essas regras não são religiosas no seu sentido último, que seria nos ligar a divindade, mas são normas de conduta e higiene pública. Só acho que os tempos mudaram e passado tanto tempo poderíamos melhorar isso, diminuindo o sofrimento dos incautos que ficam tentando atingir essas metas de comportamento que só serão conseguidas à custa de sua qualidade de vida. Parece que o pessoal do marketing dessas pseudo religiões não estão entendendo que o único público que ainda os aceita são aquelas pessoas que realmente precisam de um cabresto, pois não conseguem viver em liberdade. Os demais, já se afastaram há muito tempo, visto o crescimento de religiões bem mais antigas, vindas do oriente, que parecem respeitar bem mais a inteligência das pessoas.

Essas ideias que nos foram dadas lá trás na nossa infância continuam vigorando, mas já não somos mais crianças! Os pecados que punem os exageros de toda a espécie tem por finalidade nos por em uma certa linha pelo medo. Essa é a maneira de se domesticar as crianças, ameaçando com o “homem da capa preta”, o “lobo mau” e outras chantagens. As pessoas não percebem que cresceram e esses conceitos continuam vigendo em sua mente mesmo depois de adultos e estão norteando suas escolhas.

Assim, nossas religiões ocidentais nada fazem se não reprimir a humanidade das pessoas, as condenando a tristeza e a angústia, onde tudo que é prazeroso é proibido, errado e amoral. Se não podemos ser naturais, somos aleijados! Toda a escolha é correta se for realmente consciente, mas se é feita pelo senso moral é uma obrigação, o que é bem diferente.

Dessa forma, as pessoas mortas-vivas que andam por aí são facilmente condicionáveis e não é difícil lhes vender a ideia que se deve almejar a segurança em tudo como forma de se conseguir a felicidade. Isso é absolutamente impossível já que nada permanece, estando em constante movimento. Assim, é fácil entender as pessoas lutarem para buscar empregos e relacionamentos seguros e estáveis, ou seja, sempre tendo o medo por trás. Diga para uma pessoa realmente livre, se ela aceita em troca de dinheiro passar os próximos trinta anos dentro de um escritório, com uma vida previsível e sem novidades e veja se ela aceitaria.

É justamente por isso que a obsessão pelo dinheiro e o poder tem sido a tônica nesses últimos milhares de anos, porque se pensa que ele vai nos trazer essa liberdade, de se poder realmente viver com alegria e satisfação. Também não vai dar certo, já que se essa plenitude depender dele, faremos o que for possível para tê-lo e isso também é outro nome para a palavra prisão.

Nunca defendo a insanidade, a irresponsabilidade e a falta de ética, mas ser consciente de si e do que realmente se quer. Precisamos de alguma forma nos libertar desse “policial” que colocaram ao nosso lado desde que nascemos e que só nos diz “não” para nossos sonhos de, simplesmente, vivermos com alegria e sem medo.

Sinceramente, se for como parece, estou abrindo mão do paraíso e vou arriscar um local mais animado e quente, afinal a eternidade é longa…